Posts de Paolo Lim (25)

REGAÇOS

                                                                                                 REGAÇOS

                                                                                           Persevero, espero,                                                                                                                                                                                             não quero perder.                                                                                                                                                                                                Reitero, severo:                                                                                                                                                                                                  - Pior é não ter !                                                                                                                                                                                                Não falo de posses,                                                                                                                                                                                         se me faço entender.                                                                                                                                                                                            Mas de ternuras...                                                                                                                                                                                        Regaços do amanhecer.

                                                                                                                                      Paolo Lim

Saiba mais…

VIRTUAL

Doces são palavras mastigadas 
num leito de amor perfeito,
em madrugadas enclausuradas
pelo clima causa e efeito,
de fidelidades obrigadas,
papeis passados e direitos
há muito arruinadas,
pela exposição dos defeitos,
nas fotos amareladas
dum amor pelo tempo desfeito.

Febril é a paixão imaginada
que lhe aperta o peito,
tem hora marcada,
adjetivos, sujeito,
pernas embaraçadas,
caricias ao jeito,
profundezas encharcadas
pelo virtual eleito...

                                                                     Paolo Lim

Saiba mais…

INTERROGATÓRIO

Não teria nexo, tampouco sentido,
se no anexo do texto lido,
um perplexo indivíduo,
manifesto enrustido
por complexo de diminutivo,
como reflexo obtido,
me desse um amplexo agradecido.

Desconexo, mas acontecido.

                                                                                    Paolo Lim

Saiba mais…

PENSAR

Penso no riso

e na piada,

em velhos carnavais,

na minha amada,

no rosto borrado

a pó de arroz e pomada,

penso nisso

e dou risada,

no negro corvo,

tome a bengala,

risco a parede,

da tua sala,

sinto a gengiva

anestesiada,

lavo tua roupa

toda manchada,

beijo teu rosto,

a deixo marcada,

meditando, encucada,

vou para rua

enluarada,

comer cuscuz

e rabanada,

olho à mão

toda melada,

sento no chão 

de qualquer calçada,

piso com força

àquela barata,

voo de tapete

até Jacarta,

vou de Berlin

até Praga,

comer angu,

beber limonada,

espalhar pelo mundo

aquela piada, 

coçar o saco

de madrugada,

saborear uma torta

capixaba,

me devorar

em camadas,

compor melodias

descompassadas,

lamber a bebida

derramada,

devorar o quindim

da empregada,

colar sentimentos

no nada,

tiritar na montanha

gelada,

tocar a viola

emprestada,

zombar da onça

enjaulada,

comer mosca

na parada,

estranhar o

cabeça raspada

na areia da praia

ensolarada.

Dizer, dizer

e não falar nada.

                               Domingo de carnaval,2016

Saiba mais…

INSÕNIA

A hora noturna da compensação

despe o dia, recorda humores,

negócios tolos, alguns sabores,

a conta virada, algumas falas

e o vazio do coração.

O travesseiro mole

que a cabeça acolhe,

confidencia segredos,

abriga medos,

refaz segredos

de solidão.

Coladas na pele,

recordações da vida que segue,

afugenta o sono

com pensares insanos

e a verdade agônica

da insônia. 

Saiba mais…

ARRUFOS DE CARNAVAL

Quero morrer daqui a pouco -

mas se não der, não quero mais -,

podem achar que sou louco,

mas vivo bem entre os normais.

Tem hora que a vida enche o saco,

aporrinha, dói, arma barracos,

dá vontade de sumir, ir pro buraco,

mas logo passa ao nos proporcionar baratos...

Morte e vida são Severinas -

já dissera João Cabral -

e até a morte da camélia

virou marchinha de carnaval.

Portanto, essa vontade de morrer,

se bem você quer saber,

é um barato filosofal

de se chegar logo ao final.

Amamos mesmo são os entrementes,

sejam com dores - até mesmo de dentes ! -,

aporrinhações, etc e tal...

Viver é nosso barato total !

Saiba mais…

AMOR XII

- Coração. Confesse sua derrota,

parta para outra, abra novas portas.

Tudo será igual, não importa !

O velho que parece novo se suporta.

O amor não é eterno, apenas intenso;

Quando o percebemos é imenso,

mas arrefece com o tempo;

Torna-se pesado, lento...

Não faz dieta, é pachorrento;

Reclama a todo momento;

Não sente dor, mas é ciumento;

Displicente com outros sentimentos.

Tem que morrer prá renascer;

Abatido, torna crescer...

Regue-o ao amanhecer

para tê-lo viçoso e viver.

O amor inunda tudo,

faz lambanças, sabotagens, mas contudo

segue sendo a esperança e salvação do mundo !

Saiba mais…

RESOLUÇÃO

Fugirei das horas fatais e viverei no raso.
Sentirei a brisa, esperarei o acaso.
Me permitirei ao simples, serei grato.


Alcançarei mistérios nos sorrisos,
auscultarei terríveis prantos e nem por isso
me contaminarei com falsos risos.

Conheço teoremas complexos,
fórmulas geométricas,
côncavos e convexos...


Mas questionarei hipóteses comuns,
puras incógnitas para alguns.

Escancararei retratos passados,
deletarei todos os recados,
pisarei no chão, está acabado.

Tomarei café, apagarei o cigarro -
este meu vício aferrado -
seguirei completamente integrado.

- Marginal ou cooptado ?
- Sei lá... Não enche o saco !

Saiba mais…

ARRUFOS MATINAIS

                                         (Para Mônica Pamplona)

Pelas ruelas no escuro,

apalpadelas encostados ao muro.

- "Vai prá cama, vagabundo !

É o melhor lugar do mundo !

Nada é novo, nem o ôvo

que veio antes da galinha.

Cerro o sobrolho

e fico na minha.

Não critico nem ataco,

não faço cara de tacho...

Morrer, não é novo.

Mas o bom é estar ativo,

                  viçoso.

                        Fevereiro/2016

Saiba mais…

REALIDADE

Homem suposto, sociedade entendida,

entediada, confortada pela crítica das medidas pretendidas,

ideologia básica, filosofias de vida.

Rejeição quase unânime

à política pusilânime

que se espalha, equânime.

Não há Apolos nem Atlas,

apenas trombeteiros de ideologias baratas e

um sacerdote de bravatas, cheio de cachaça.

O homem virtual esconde a miséria,

manifesta-se na Rede que considera séria,

fantasia status, palavras inúteis, prosopopeias.

 

                                                                                                          Paolo Lim

                           

Saiba mais…

PONDERAÇÕES I

- Olha !... Dá para enxergar ?

É a vida sem surpresas,

plena de horrores e belezas

para você desfrutar.

Vá... Escolha o lado,

persista, insista,

creia e será premiado.

Invista ! Você verá.

A recompensa tarda, é adiada...

Pena quando você descobre tardiamente,

que ela já lhe fora dada.

- A vida é uma aposta diariamente premiada.

Saiba mais…

CONTRADIÇÕES

Falar da vida é poesia;

De conflitos, tragédia;

Belezas são primazias;

Do jocoso, comédia.

Houve um homem morto na cruz;

Uma mulher na fogueira queimada;

Muitos que nos trouxeram luz

e alguns heróis pela espada.

Criaram-se vinhos, uísques e cachaças -

Turbinantes para alegrar as massas,

pois encarar a real de cara limpa

consideravam não ter nenhuma graça.

Do puro amor escreveram dramas -

Alegorias universal ! -,

pois os homens temem a dor

para buscar a vitória final.

Estranho... Pois é deitado na Praia,

sob o azul e o brilho do sol,

que dizem que a vida é bela

e têm felicidades afinal.

Saiba mais…

DÚVIDAS

Dias e anos passam...

Passam bois, passam boiadas,

brisas leves em lufadas

e o aroma branco das acácias.

Resta-nos guardar migalhas.

-Quais migalhas ?

- Pedacinhos do nada ?

Eita vida complicada.

Saiba mais…

ARRUFOS PÓS JANTAR

Um dia inócuo, sem brilho ou cor,
assim como pregas de panos rotos
ou como comer sem sabor:
- Provoca apenas náuseas, arrotos.

Amo a vida com suas encrencas,
mais das vezes puras, sem maledicências,
germinadas e floridas as pencas,
desafiando mentes e ciências.

Quando o número de vogais medem os versos,
fico perplexo com tamanhas regras...
Prendem como policiais perversos,
inocentes palavras de entrega.

O fato da "morte da bezerra" -
por si só, uma asneira -
expõe o cocho do formalismo
que envolve a vaca leiteira.

Soa o violão, liberta o mundo
e, como dizia Drummond -
"Eu não me chamo Raimundo" -
mas é do meu rasinho que sei do profundo.

Saiba mais…

INSIGNIFICÂNCIAS

No espaço dum passo
refaço o laço,
traço o aço,
estilhaço.

No andar do caminhar
vejo o mar,
boiar, singrar,
navegar.

Franjas do anoitecer,
esmorecer do ser,
rever o ter,
renascer.

 

                  

   Janeiro/2016

Saiba mais…

CANTO Á PAIXÃO

Preciso estar apaixonado,

me sentir carente,dependente, abobado;

Envolto por sensações e eminências,

por esperas, ânsias e falta de paciência;

Tomado do amor pela urgência.

No frio, sentir calor;

Imaginar o Paraíso

sem temor ou juízo,

sorrir das desgraças,

sentar nos bancos das praças,

contar carneirinhos,

imitar passarinhos,

me importar com pobres velhinhos.

Preciso estar apaixonado,

me deixar ser levado,

andar sorrindo para todos,

zombar da multidão de tolos

que não reconhece o verbo amar -

caso sim, não quer declinar.

Preciso ver cores,

curtir sabores

duma louca paixão

que estanca o tempo,

acelera o coração,

nos faz criança,

nos leva à dança,

renova esperanças,

liberta

e me faz poeta.

Saiba mais…

OLHOS D'ÁGUA II

                                           Nas lamas espalhadas em minh'alma,                                         

muitas flores afogadas,

azuis perdidos, olhos d'água

se encruzilham nas madrugadas.

A vida em alto contraste

oxidou meu coração

com carícias e velhas máguas

azuis intensos, olhos d'água.

Antes que tudo definitivamente se abata

com absurdas saudades - chibata,

resgatarei a imagem mais lembrada :

- Azuis profundos, olhos d'água.

Saiba mais…

OPINIÃO

Observo, olho, analiso;

Questiono fatos, contextualizo;

Rechaço boatos, ouço relatos,

conjecturo, faço uso, busco furos;

Pergunto, atualizo.

Sou repórter, é preciso...

Na poesia sou participativo;

Apenas emoções e sentimentos utilizo:

- Dores, amores, sabores tidos...

Como repórter ou poeta,

o que me afeta, verbalizo.

Todo ponto de vista é crítico;

Contraditórios, lícitos !

A comunicação é complexa -

ora apazigua, ora flecha -,

tem público e autor,

caça e caçador,

mestre e impostor.

-"Quem não se comunica,

se trumbica" !

PS.: Ao Chacrinha com louvor !

                           Piratininga, 24/10/2015

Saiba mais…

CONSELHO IV

I

No palco do point

a menina ajeita o top,

põe-se à mostra,

aprofunda o decote,

expõe o ventre

e a bunda malhada,

sob a saia apertada,

intimidades depiladas...

O salto é alto,

fortemente maquiada -

cuidado ao toca-la

para não ficar todo borrado.

O primeiro apelo é recusado,

busca alguém determinado,

sorri a esmo,

desfila seu corpo sarado.

De mesa em mesa se exibe,

sorri quando tocada,

sente-se princesa

em meio aos súditos da balada.

Basta exibir-se, mais nada...

II

A música ruge,

embala sua juventude,

assanha-lhe o libido,

o tesão contido,

a perspectiva do gozo -

tudo bom, tudo gostoso:

- Vodka que solta,

mão que lhe toca

no escurinho, na "maloca",

agarradinho, meio torta,

beijo de língua,

a saia lá em cima,

o dente que a morde,

a sensação de choque !

Tudo em perfeita cena -

coisa de cinema -

agradável aos espectadores

que aplaudem os atores.

Faz de conta, apenas...

III

- Escute, ó moça:

Não me chame de careta,

pois não censuro liberdades,

modas e, muito menos, novidades...

Chamo-lhe atenção para a imagem

que, sem prazer de verdade,

é apenas imprópria,

frustrante e queima a qualidade.

Mude o palco e o cenário -

muito confuso e contrário...

Vá para o proscênio da cama,

se ilumine apenas com a própria chama,

performatize comédias e dramas,

faça rolar o verdadeiro prazer

que inflama... 

Lá será uma verdadeira dama !

                                                               13.11.2015

Saiba mais…

PANACÉIA

A manhã sequer insinuara sua face mais rosada

na paisagem cotidiana varrida pelo vento leste

duma primavera cujas flores costumeiras

homenageavam mortos pelas barbáries recorrentes

- insepultos mártires dum mundo demente.

Tento gritar e não consigo.

Minha voz empaca pela dor dos dias perdidos.

Cubro meu rosto - vergonha por minhas mãos vazias

- no negro do cenário, estapafúrdias imagens se projetam,

risos ecoam no ambiente...

Mortos não sentem,

não há saídas nem preces,

viúvas mentem,

o claro escurece,

todos carecem.

Tento avisar e não consigo.

Não tenho armas nem munição,

resta-me o medo contagiante, a aflição.

Não há sinal no celular,

câmeras apenas registram,

não têm ação,

produzem indícios

sem som.

Tecnologias se expandem -

Salvam e produzem banhos de sangue -,

sinos centenários dobram,

inocentes sucumbem, iniquidades sobram.

No palco da tragédia repórteres narram...

Somos atores e plateia,

reclusos do medo,

sem saídas ou ideias.

Resta-nos sorrir como panaceia...

                                     Dezembro/2015

Saiba mais…
CPP