A surpresa do momento

Senti o espanto se esgueirando sem expectativa

Os olhos apagaram sua luz deixando a manhã

Ás escuras emigrando sem mais narrativa

 

A surpresa do momento definhou desatinada

Deixando no ar o ultimato à esperança dilacerada

Adiando cada hora provisória desejada num fetiche

De silêncios inesperados

 

Num ápice exigi à expectativa que ela apetecesse

Esperando que as memórias deste verso ilusório amadurecesse

Habitando o fictício amor onde depois a dois tudo acontecesse

 

Frederico de Castro

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.
CPP