Posts de Jilmar Santos (107)

Meu desejo de te amar.

Hoje, eu acordei cedo com vontade de escrever
O mais belo poema que ela pudesse ler.
 Falar da proporção do quanto penso nela no decorrer do dia
E do meu carinho em forma de poesia.



Não sei explicar cada verso que escrevo, mas expresso aqui o
Meu desejo de te amar.
Não tenho nada de mais a lhe oferecer, no entanto, 
O que tenho, dinheiro nenhum compra, pois o amor não tem preço a pagar.


Embora, eu não venha ser correspondido, nada  disso está perdido
Porque o que importante é amar.
Com alegria, aqui, deixo registado, um poema  selado
A quem quero amar.

JIlmar Santos 03/09/2016

Saiba mais…

À Espera do Seu Amado

À Espera do Seu Amado
Ela anseia à minha volta todos os dias da porta de casa,
Fita os olhos no mais profundo horizonte, aguardando
Ao meu retorno.


Ao me avistar, ela abre àquele sorriso imenso
Cheio de amor por dentro, que cativa, encanta e
Revigora a chama do nosso amor.


Quando eu aproximo-me da porta de casa, ela,
Com todo carinho e cuidado, tira o meu chapéu e enxuga o suor
Do meu rosto e beija-me a testa.


Retribuindo o sorriso, ponho o meu braço em seu ombro e
Entramos cantando a nossa canção favorita
Desde o tempo na nossa mocidade.


Ela pede que eu sente à mesa e põe uma deliciosa
Xícara de café fresquinho, fatia um pedaço de requeijão e
Corta um pedaço de pão caseiro.


Sinto-me o homem mais feliz por encontrar nela,
Uma mulher com tantas qualidades, que seja
Capaz de perfazer todo meu ser.

Jilmar Santos 02/09/2016

Saiba mais…

Noites de Solidão

Embora a solidão seja algo que maltrata e
Invade a minha mente em noites de solidão,
Busco em meu silêncio encontrar a
Paz interior que aqueça meu coração.

Em volta do meu quarto, cigarras e grilos cantando,
A chuva caindo forte lá fora e as árvores chacoalhando.
Esses são os sons que me acompanham em
Noites de solidão

Tiro proveito da insônia para escrever
Tudo aquilo que sinto e penso.
Sentado à mesa, um cafezinho e um pouco inspiração,
Escrevo poemas que saem da minha imaginação.

Jilmar Santos 28/08/2016




Saiba mais…

Amor de Pai

Imaginei o teu rosto durante toda gestação,
Sem saber como seria me causava inquietação.
Pedia a Deus para que viesse saudável
E que trouxesse imensa alegria,
Não importaria se fosse menino ou menina
Quanto a isso pouca importância faria.

Um nome já tínhamos caso fosse uma menina bonita,
Tua mãe eu chamaríamos de Anita.
Mas, para a nossa surpresa e sem nenhum medo
A ultrassom deu menino que colocaríamos o nome de Pedro.

No ventre a tua mãe, tu ias desenvolvendo,
A cada chute que davas o nosso amor ia crescendo.
À medida que íamos esperando a tua chegada,
Cada objeto colocado no quarto de maneira delicada.

Chegou o dia do teu nascimento e ansioso eu fiquei...
Esperava ver seu rosto, e quando o vi,me emocionei...
Um filho com minhas características,  isso
É gratificante para um pai...
Ter você em meus braço de tanta
Alegria as lágrimas caem.

Assim, eu agradeço a Deus pelo presente que ele me deu,
Ser o pai do Pedro foi coisa mais  importante que já me aconteceu.

JIlmar Santos 20/08/16
Saiba mais…

Encontrando um Sorriso

Corro atrás de um sorriso
Que encaixe no meu coração
Busco sempre cultivá-lo
Mantendo a manutenção

Não é fácil encontra um sorriso
Que complete o meu
Mas sorrisos de lábios esticados
Foi você quem me deu

Contagiados ficamos com
Tamanha dimensão
Foi através do sorriso que
Uniu nosso coração

Jilmar Santos

Saiba mais…

Castanheira Bertholletia excelsa

Há mais de quatrocentos anos germinei este chão
Crescia lentamente de galho em galho,
Folha em folha de inverno a verão

No outono usava estratégia derrubando
Minhas folhas para suportar manhãs e noites frias
Assim reduzia ao máximo o gasto
Da minha energia

Aos poucos fui ganhando espaço e
Fortalecendo as minhas raízes com muita dedicação
Enfrentei sol, enfrentei chuva, também
Raio e trovão

À medida que ia me desenvolvendo ia
Ganhando espaço nas alturas
Já produzia frutos com tamanha
Fartura

Ali, alimentava os roedores, os micos e
Até mesmo o homem
Com tantos frutos de qualidade
Ninguém ficava com fome

Fui condenada à morte sem
Ter nenhuma culpa
Na estatística da extinção isso
Muito me preocupa

Ao meu redor foram construídas habitações
Sem analisar a minha presença
Hoje sou uma castanheira idosa
Que só me restou uma sentença

Há centenas de anos estive por aqui
Mas nunca era notada
Hoje até em forma de poema estou
Sendo citada

Nos meu últimos dias de vida
Fiquei famosa com tamanha repercussão
Entrei até pra redes sociais que causou emoção

Sei que viveria ainda cem anos a mais
Porque é a idade da minha espécie prevista
No entanto a vinha existência será ceifada
De maneira egoísta

Hoje estou sendo arrancada da minha terra e triste deixo um recado ao homem

Aproveite o que tem de mais belo da natureza
Ao seu redor de forma abundante
Não espere o fim das plantas, dos animais e das
Pessoas para perceber o quanto somos importantes.

Jilmar Santos

Saiba mais…
CPP