A REFUTAÇÃO DE UM CIDADÃO

 

8047528677?profile=RESIZE_710x

Queria escrever sobre certas coisas que preenchem o meu coração,
Porém, esses versos não seriam o aspecto mais viável
De se estabelecer um contato crítico.
Mesmo assim, tudo que eu queria
Era apenas ter em mente um termo que definisse o que sinto
Neste momento em que olho para o céu.

E contemplo, a lua na sua representação enigmática
Em meio a escombros e violências decorridas
De uma má distribuição de renda,
E uma desigualdade em cogitação.

Enfim, isto não é uma escrita usual
Do que adianta relatar sobre estas coisas
Que parecem que nunca terão uma resolução?
Sendo estagnadas com o tempo,
E corroídas pelos egoísmos salafrários
Que vemos todos os dias pelos noticiários.

Na qual, os meios midiáticos se responsabilizam pela informação
Mas não pela transmissão de conteúdo de uma forma efetiva
Adequando um padrão oculto que poucos veem,
E são considerados como loucos
Numa sociedade destinada a pão e circo.

O fato social não é definido por um aspecto teórico
Pois, a interação social na prática
Vai muito além do que um simples diálogo sofista
Ela se expande ao caráter de sobrevivência,
Dentre uma exclusão derradeira.
Levando esdrúxulos da penúria a fama.

E os indivíduos que possuem visões concretas disto,
Partem para o esquecimento e a lama.
Fazendo com que eles sejam omissos em meio ao tempo,
Sem ter o predomínio de uma equidade.

Porém, fica no ar uma interpretação sem conclusão,
Com um forte apelo iluminista de resolução ao caso
Enquanto isto, o alastro do caos é revelado desde os períodos mais remotos
Ao qual não houve solução até hoje.

Na atualidade, de modo infeliz
A sociedade é dividida entre o crime e a empregabilidade.
Onde o ofício é algo raro e árduo,
E a delinquência é achada a cada esquina,
Lucrando sempre as custas de um viciado
Que se perdeu em seus sonhos e regalias.

E logo após, fico me questionando
Onde a disciplina sociológica
Se adequa nesses casos de inanição racional, cultural e social
Desde os tempos segregacionistas.

 

 

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Escrito por M.Dantas

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Não há como não ver, o que está literalmente visível... não há como não sentir, o que está queimando a pele... não há como... Questões vem na nuvem da iniquietude, respostas urgem na chuva que chora, solução é uma pequena semente na terra das incertezas, mas ela não deixa de querer acreditar no seu crescer...  Meus parabéns pelo seu reflexivo compor. Tenha uma ótima noite e uma semana abençoada. Paz e luz!

    • De fato Glaucia, as soluções surgem em meio a uma margem nebulosa de incertezas. Mas a impossibilidade de praticá-la na exterioridade é o que provoca a inquietude numa alma, ao qual se expressa na arte a fim de apaziguar as suas dores. Lhe agradeço pela leitura e o comentário, muito obrigado!

  • Gestores

    8048534052?profile=RESIZE_584x

    • Muito obrigado Angélica!

This reply was deleted.
CPP