George Floyde

Negros são 75% entre os mais pobres; brancos, 70% entre os mais ...

 

 

George Floyde

 

Quando reviras a cabeça cabeçuda 

E te mantens com o corpo parcialmente 

Voltado para mim em desprezo

Teus olhos vertigem

Teus olhos verdes esbranquiçados cataratas

Tua sensação de tontura e raivas aristocráticas 

Como uma labirintite patológica e parcial

Teus olhos embaraçados, embaralhados, embaçado

Tua feiura de ser feito de feiuras, tu és feio

 

Tu vês também enxergas endemicamente

Ora, tu oras sem fé e respeito, a despeito de outrem

Traseunte Estrutural animalesco animal cor de neve

 

 

A claridade me tem, minuto a minuto

 

Se tropeço ao atravessar uma rua

Tu ries em disfarces de risos insolentes

Contido no rosto falso

De forma incontida no coração

 

Tua abjeta alma, alma pobre de extrume

 

Tu és Mandrak do mal

De cabelos loiros lisos

Amarelados por claros escuros não solares

Seus códigos são do demônio

 

Do teu mal a mim e meus semelhantes

 

Na porta giratória do Banco

Que pobreza da nobreza

Tu és inerte

Como entrar no Banco 

Se revistado chamo a ti e a todos de insensíveis

E sem provas, não é doloso nem culposo

É cor

 

Não te reconheço tampouco te considero de verdade

Mas não carrego ódios

 

Apenas sou negro...

De pele preta...

 

sem final

antonio domingos 

12/06/2020

  

Despeito - Dicio, Dicionário Online de Português

 

 

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gratissímo amiga Márcia por sua deferência em ler e carinhoso incentivo.

    abraço de antonio

  • Maravilhoso...... parabéns!!!!

    Um abraço carinhoso

This reply was deleted.
CPP