Poesias

VOLÚPIA

 

 

 

 
Entregue à volúpia planetária
dos zodíacos,
galguei por planetas álacres,
microscópicos e sucedêneos,
até estancar com sucesso e senil
no meu hemofílico e lúgubre
e refratário e santo calvário;
de onde passei a contar estrelas
como o pastor seu rebanho.
 
Ronnaldo Andrade

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores Adm

    Belíssimo poema. Parabéns!

  • E nessa viagem planetária, perscrute as estrelas, pise no solo lunar

    e que o teu retorno seja triunfal, como o foi no santo calvário! Bjs.

  • Espero que quando você sair da atmosfera terrestre, não estacione por lá numa órbita eterna, mas que volte numa aterrissagem perfeita, onde não seja preciso ser resgatado...E que a sua volta seja triunfal, no planeta Terra, com uma bagagem de composições, estrelares, brilhantes e cheias de energias...

    • Obrigado, Sandra, pela leitura e belas palavras. O poeta/ escritor viaja por onde sua imaginação permite, não é mesmo? Abraço, amiga!
  • Obrigado, Marso e Sam, pela leitura e comentário. Fraterno abraço

  • Observo que o nobre poeta navega por vários mundos, captando missivas e nos passando o melhor delas.

  • Quão infinita é a imaginação do poeta. Lindo! Bjs

This reply was deleted.
CPP