Inspirações

E. Rofatto

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Oi Poeta.

     

    Fico agradecida com as palavras e deixo aqui meu carinho e apreço. Fico honrada com o Dueto. Serei eteranamente grata

  • Olá poeta

     

    Seu belíssimo poema me inspirou a escrever um poemeto que acabei de postar(Apologia). Claro,que não possui o rico lirismo do teu ,nem a magistral ressonância poética,mas ficaria agraciada com sua apreciação do mesmo. Meu Abraço

    • Fui ler seu texto, Lilian, e me encantei: palavras, imagens e mensagem que poderiam ficar marcadas a ferro e fogo tal a intensidade com que revelam paixões norteadoras do seu eu lírico. Deixei meu comentário na sua postagem. Aqui deixo minha gratidão pela sua apreciação do meu escrito e minha alegria pela interação! Um forte abraço, minha amiga!

  • Gestores

    Ah Poeta Sorriso Edvaldo...

    Sorriso??? - Seria o "Sorriso" entre aspas (" ") o indicador do Poeta Asceta?

    Onde poderia o sorriso qual o "Ascetismo" dos Palhaços nos Picadeiros das Vidas - sorrirem externamente enquanto por dentro choram?

    Asceta de mim - que teu Leitor - que unindo um "AB ao que SINTO" ingiro tal ABSINTO - apenas pelas suas cores verdes d'ua Esperança que nunca nasce??

    Asceta será CADA UM de Nós que diariamente se suicida aos poucos, bem sabendo o que não devia fazer - mui bem - porém o faz???

    ...

    Ah - Quantos Não Seis que se somam ao meu Não Sei Maior... - Deixe-me tomar mais um trago de meu verd'Absinto!!!

    NOSSOS APLAUSOS E ADImiração crescente por tuas Poesias que em Ascese falam per Ti!

    gaDs

    • Grato, Zeka, meu amigo! Mais asceta é quem tira do limo do texto o sentido a que chega por força de ser quem é. Vocè é valioso, Zeka! E ainda me deu ocasião a essas palavras (e mais agradecido lhe fico!):

      À FRANCESA

      Sob qualquer efetiotr que tenha "ab",

      Sinto que provei do que não vivi.

      Segui esverdeando cores

      Que, já bastante desbotadas,

      Vestiram o tom do que não seriam,

      Pois todas as fadas evaporam-se

      Num segundo olhar – ímpio!

      Mas sempre fica nas retinas

      A lembrança do que é bonito

      De ver com pálpebras descidas:

      Corpo azul-verde beija flor

      Em pleno voo de pavão em sonhos.

      Por isso, se detrás do falso riso,

      O palhaço em silêncio chora,

      Dentro do oculto, sua própria alma

      Só um sorriso é o que mais deseja

      – E esta é sua maior verdade:

      Todo palhaço que ri mente,

      Mas só pela metade à mostra,

      Porque seu rosto feliz é saudade

      De tudo o que já não sente.

  • Gestores

    Expressando magistralmente desde a imagem até a expressão final do derradeiro verso, a sensibilidade.

    • Grato, Sam! Sua consideração do meu texto me chega confirmando, mais uma vez, sua generosidade!

       

  • BRAVO!... É MAGNÍFICA!

    • Grato, Nieves! Sempre um carinho se me desenha quando a vejo em minha página!

       

  • Disciplinaste a mente para obter teu ofício mesmo sob os piores ardores, porém, com a alma escorreita! Parabéns pela monumental obra, amigo e poeta Edvaldo Rofatto!

This reply was deleted.
CPP