Poesias

Munduri - Teoria

Então vamos primeiro a um poema Munduri:

O Triângulo não Morreu

Quem viu não se esqueceu
Daquele bloco infantil
O Triângulo não Morreu

Olha o Periquito aí!

Armando Holanda nos deu
Uma lenda que subiu
O Triângulo não Morreu

--------------------------------------------------------------
Armando Holanda foi um carnavalesco de Porto Velho que criou e conduziu por muitos anos um bloco infantil carnavalesco chamado "O Triângulo não Morreu", de cuja pessoa tive a honra e o prazer ser amigo.
Periquito era seu apelido popular e por ele era mais conhecido que por seu próprio nome.

Chico Chagoso

Agora vamos à teoria


Munduri

Um estilo de poema
Criador: Chico Chagoso
Data: Dez/2013

O nome:
Munduri, além de ser uma espécie de abelha, era o apelido do meu avô paterno, que considero o patriarca da árvore genealógica que conheço. Na verdade era mais que um apelido, quase um sobrenome, pois todos seus filhos, inclusive meu pai recebia a denominação. Meu avô era conhecido apenas como "João Munduri". Era comum referir-se aos membros da família como "Zé Munduri", meu pai; "Antônio Munduri", etc. Homenageio pois meu avô que era Vaqueiro e tinha lá suas poesias cantadas nas boiadas...

Inicialmente o estilo foi idealizado para ser divulgado apenas entre nós, da família "Munduri". Mas acabei por me empolgar e extrapolar para o Recanto das Letras...

Estrutura:

Título
[Linha em branco]
Terceto
[Linha em branco]
Monóstico
[Linha em branco]
Terceto

Métrica:

Todos os versos com 5 sílabas poéticas (redondilha menor)
ou
Todos os versos com 7 sílabas poéticas (redondilha maior)
(a contagem das sílabas segue a poética portuguesa.)

Rima:
Preferenciada, mas não exigida
Sugestão: abA b abA, abA x abA, abC X abC.
Obrigatorio para sem rima: xxA x xxA

Mote: Único:

Sugestão de desenvolvimento:

Verso I - Introdução
Verso II - Desenvolvimento/Argumentação
Verso III - Conclusão

Verso IV - Contra-senso/ponderação/dedução

Verso V - Introdução da Reflexão/Réplica.
Verso VI - Argumentação da Reflexão/Réplica
Verso VII -Conclusão da Reflexão/Réplica

Pontuação e capitalização: Normal, seguindo a praxe do Português: Ponto Parágrafo, final, exclamação, interrogação, ponto e vírgula, etc, etc... Bem como Letras maiúsculas no início da cada frase.

Particularidades:

Repetição de verso:
O último verso, o VII, deve ser a repetição do III.
Ao ser declamado ou cantado:
O Verso III deve ser mais enfático que os dois anteriores.
O Verso IV deve transparecer susto, surpresa ou descobrimento.
A última estrofe deve ser intensa, mas lenta, com desfecho enfático no último verso, que deverá ser bem mais convincente que seu idêntico III. Inclusive, desde que a grafia seja idêntica, pode haver conotações diferentes entre esses dois versos(III e VII)

Este estilo já está bem definido, mas sugestões que visem melhorias (não mudanças estruturais) serão consideradas. Na condição de leigo, aceito também contribuições científicas.

Exemplos:
"Sobre os abismos" - Chagoso - RL - 23/04/2014

"Ayrton Senna" - Chagoso - RL - 03/05/2014

outros - veja aqui aqueles com a descrição (Munduri), no título.

Chico Chagoso

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Chico Chagoso

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Obrigado por compartilhar conosco sua teoria! 

This reply was deleted.
CPP