POIS É...

Quando estive lá
E procurei por ti
Qual o que, sofri
A me perguntar

Como pode alguém
Como pode ser
Com quem tanto ri
Não querer saber

Se eu iria ser eu
Ou algo a se saber
Se eu iria partir
Ou ficar pra viver

Amigo, na miúda
A vida é muito boa
Aproveita e cuida
Pra não viver atoa

O tilintar do copo
Na mesa, no balcão
Na sinceridade
Tem o mesmo som

Agora, eu duvido
Que o som do balcão
Tenha o mesmo efeito
Ao ecoar no coração

Quando a sinceridade
Vem de quem te abraça
Revelando de fato
O verdadeiro amigo
QUE NÃO SE ESCONDE NA FUMAÇA

(DE UM CIGARRINHO QUALQUER)

 

(Petronio)

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.
CPP