Que ventos Virão?

O ar estranhamente transmitea mensagem virulenta

Fazendo com que o Homem fique num dilema
Não sabe resolver o problema
Não descobriu a vacina
Não tem remédio
É cruel o tédio do isolamento
E o lamentoda vida se espreguiça
No cantochão da Missa
E o ofertório
Vira foguetório de insegurança
Espanador da esperança
Vasilha amassada.
Na mesma toda:
Que ventos virão?

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores

    Não sabemos, quais são os ventos que chegaram neste próximo ano, mas estamos esperançosos com uma vacina que devolva a paz para todos.

    Bem posto teu poema para este tempo tantas perdas humanas.

    Aplausos!

  • Gestores

    Que venham ventos de esperança por dias melhores!

    Parabéns Benedito! 

This reply was deleted.
CPP