Poesias

Cavalgando pelo silêncio

Descalço e vadio o tempo cavalga pela madrugada
Solitária e atrevida, desnudando-se em gomos de
Uma sensualidade quase inescrutável

Nas veias do tempo descarrila minha solidão
Sempre inadiável abraçando-se a uma saudade
Que tanto, tanto anseio assim insaciável

Foram estas cruéis ausências que desmemorizaram
Minha clemente fé qual confidência de todos os actos
De amor que lavro nestes sedentes versos marginalizados

Neste bailado de finas consoantes reverbalizo um verbo
Apaixonado, seduzido, embalando o hiato silêncio palatizado
Pelas vogais que conjugo neste tempo passivo, infinitivo…sincronizado

Os aromas que nos são fiéis jorram agora da noite perdida
Numa alegórica solidão, antítese de um inconsolável desejo
Altruísta que fermenta e leveda seduzido por um beijo quase inescusável

Frederico de Castro

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Frederico de Castro

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Simplesmente exuberante, belo

  • Adm

    • Mais uma das suas soberbas formatações Edith

      Bem haja por teu lindo trabalho

      Abraços

      FC

  • Encantada com os versos, meus aplausos,

    Luly.

    • Grato pela visita Luly

      Bem haja

      FC

  • Belos versos poetaFrederico,aplausos!

    Bjs

    • Obrigado Ciducha pela visita e comentário gentil

      Abraço poético

      FC

  • Deslumbrante amigo FC! riquíssimos versos, efusivos aplausos de pé, um abraç.o

    • Obrigado Cristina pelas gentis palavras

      Votos de dia feliz

      FC

  • Quando o poeta cavalga no silêncio a poesia segue, em versos, os seus passos. Lindíssimo, Frederico!

This reply was deleted.
CPP