Adm

I Oficina de Rondó simples sobre um estribilho

Rondó simples

 O rondó é um poema de forma fixa, também de origem francesa. Há rondós de vários modelos.

O Rondó simples tem três estrofes, sendo duas quadras e uma sextilha, com metade do verso inicial a se repetir no final da segunda quadra e da sextilha.

As rimas devem ser cruzadas nas quadras, com uma terceira rima na sextilha, pontuada no verso 4 e 6. Os dois versos iniciais da sextilha obedecem à rima inicial na condição emparelhada, o terceiro e o quinto verso obedecem à segunda rima na condição cruzada.

Assim, o poema segue o esquema rímico: ABAB/ABABd/AABCBCd, onde o d representa o refrão. Segue, como exemplo, um Rondó de Manuel Bandeira, bastante conhecido.

RONDÓ DE COLOMBINA

           De Colombina o infantil borzeguim    (A)
           
Pierrot aperta a chorar de saudade. (B)
      
O sonho passou. Traz magoado o rim,  (A)
     
Magoada a cabeça exposta à umidade. (B)

     Lavou o orvalho o alvaiade e o carmim.  (A)
       
A alva desponta. Dói-lhe a claridade    (B)
 
Nos olhos tristes. Que é dela?… Arlequim (A)
        
Levou-a! e dobra o desejo à maldade  (B)
                         
De Colombina.                    (d)

          O seu desencanto não tem um fim.    (A)
      
Pobre Pierrot! Não lhe queiras assim.   (A)
  
Que são teus amores?… — Ingenuidade  (B)
        
E o gosto de buscar a própria dor.       (C)
     
Ela é de dois?… Pois aceita a metade!  (B)
     
Que essa metade é talvez todo o amor  (C)
                              
De Colombina…              (d)

Manuel Bandeira, in Carnaval.

Regras

1. Todos os membros podem participar, a oficina propõe-se ao aprendizado;

2.Permite-se comentários sem imagem

3.Os textos devem ser postados no formato escrito;

4. Cada participante, após compor seu Rondó, deixará um pequeno verso que, servirá como estribilho à composição do próximo participante.

Boas composições!

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Adm

    Próximo estribilho

    Ficou olhando...

  • Adm

    Modelo

    A estrela veste um brilho de beleza,
    Quando desfila pelo palco da magia
    No seu rosto não há traços de tristeza,
    E uma luz dos seus olhos irradia.

    Pelo palco ela caminha com destreza,
    Recebendo os aplausos de alegria.
    Ela sabe o que faz e com leveza,
    Vai girando e se mostrando, rodopia
    A estrela...

    Toda esbelta ela sorrir, mas com certeza,
    A dor da fome lhe corrói a natureza.
    Quem a vê nem de longe desconfia,
    Do que tem que abdicar pela carreira.
    Ela sofre pela fama e todo dia
    Vai pra luta sem dar pausa pra canseira,
    A estrela...

    Edith Lobato - 09/01/19

  • Próximo estribilho
    A estrela veste um brilho...

  • Como melodia

    Na força de um sorriso de alegria
    Vertem versos, frutos da inspiração,
    Chegam suavemente co'o melodia,
    É a poesia a aflorar no coração.

    O vento menino emudece o dia,
    A mão em movimento de atenção,
    Com esmero tecendo uma poesia
    Aumenta, no coração, a pulsação,
    Na força de um sorriso.

    Dando fim a cruel melancolia,
    Trazendo pro papel a fantasia
    Que corre pela veia em profusão,
    Transbordado a alma de infinito amor,
    Corando a face toda de emoção,
    Ao viver traz luz, aroma e calor
    Na força de um sorriso 
    Márcia A Mancebo
    09/01/19

    • Trouxe calor à minha alma o seu poema. Parabéns! 

      Estão todos de parabéns. Adorei estes ´´Rondós``

      Abraços poéticos e um resto de semana em paz

  • Adm

    Próximo estribilho

    Na força de um sorriso

  • Adm

    Canção pra vida

    O som quando afinado tece mantos,
    Embelezando o ar de extesia.
    Nas almas gotejando terno encantos,
    Tecendo as amanhãs, fiando o dia.

    Uma canção traz certos acalantos,
    À vida que se esvai no dia a dia
    E até mitiga a dor que gera os prantos,
    Se o fardo pesa e a paz se esvazia,
    O som afinado tece mantos...

    Assim, pra atenuar os desencantos,
    Quebrar a hoste de tantos quebrantos
    É bom se ouvir suave melodia.
    Deixar fluir do imo os sentimentos
    E não perder de vista a alegria,
    Se mudam, vez por outra, alguns momentos,
    O som afinado tece mantos...

    Edith Lobato - 08/01/19

This reply was deleted.
CPP