Gestores Adm

Oficina I - Desafio Poético sobre palavras aleatórias

719441?profile=original

PROPOSTA

 

Esta oficina destina-se à composição de poemas

sobre palavras deixadas aleatoriamente.

Regras

1. Ficarão em tela 4 palavras aleatórias para composição.

2. O participante deve compor nas palavras em tela

e ao postar seu poema, deve deixar outras

4 palavras para o próximo participante.

4. Os poemas criados devem ser postados na caixa de cima.

 

Boas inspirações!

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

    • Muito bela poesia. Parabéns mil

    • Belíssimo poema Virginia.

      Parabéns!!!!!

    • Obrigada Márcia😘

  • Palavras em tela:

    Casualidade, referência, singelamente, eufórica

  • Trajetória

    A lua em surdina, longe se esconde.
    Sem pestanejar o Sol rompe lindo
    e urgente deixa a manhã radiante
    Nasce o dia claro, com aroma infindo.

    É verão e as flores exalam perfumes.
    A suavidade atrai pássaros cantores
    e a brisa entra pela janela e leva
    todo o suspirar forte e o queixume.
    Uma paz na alma vem se abrigar.
    Belo momento, sensação sublime.

    Em estesia procurando nada, vejo
    esgueirando a sacada um pé de açucena
    sacudindo as folhas, sem notado, ser.
    Sinto que a natureza parece que acena.
    Acena a Deus em louvor pelo viver.

    O dia segue quente com o céu azulado
    cumprindo a trajetória com felicidade.
    Nuvens sem asas dançam no ar o xaxado
    A noite vai adentrar trazendo saudade.

    Márcia A Mancebo
    21/02/2020

  • Gestores

    Palavras em tela:Surdina, urgente, pestanejar, esgueirando

  • Gestores

    A volúpia da lua

    Nas brumas dos meus sonhos
    Em ritmos e rimas lavradas
    Pela solidão raios lunares
    Matizados de poesia é a
    Essência que perfuma a emoção
    Esteio para a minha fantasia.

    Afastando os horripilantes pesadelos
    A volúpia da lua desce a ladeira do infinito
    E incorpora o seu aroma em meu corpo
    E derrama no chão de sua passarela
    Tornando o meu sonho tão bonito
    Com seu toque de brilho e aquarela.

    Dispersando a larva da tristeza
    Na sua fonte prateada de luar
    Que, agora, embala o sonho e a noite
    E dentro do golfo da memória
    Guarda em silêncio a pluma de teu nome
    Como marco eterno de uma história.

    E no horizonte sem chão onde caminha
    A lua ostenta sua graça e beleza
    Rodeada de estrelas, mas sozinha
    Faz e refaz o ciclo de sua natureza.

    Marsoalex – 20/02/2020

  • Palavras em tela:

    Esteio, horripilante, larva, horizonte

This reply was deleted.
CPP