Inspirações

De volta ao piano

Aqui estou então
Onde pediu que estivesse
Você sabe que não me sinto bem aqui, não sabe?
Ao menos não como antes
E qual o motivo dessas flores sobre ele?

Não eu não preciso estar aqui por que deveria?
As teclas não são mais sensíveis aos meus dedos
E nem eles à elas sem sentido
Não há mais espaço para canções de amor

Precisa ativar suas memórias
Relembrar que foi exatamente aí
O local onde atendeu ao chamado do vento
Foi exatamente aí que prometeu aprender a voar

Não compreendo ainda essas palavras soltas no ar
Acredito que outros também não
Assim como aconteceu com as flores
O piano secou parece você não entender

As flores secam em três situações
Quando da terra são retiradas à força
Quando não são regadas
Ao chegar seu tempo de voltar a ser terra

Em qual delas se encaixa?

Mas aprendi que para minhas flores não secarem
Teria de regar o jardim do vizinho
E aprendeu bem
Mas como regará as dele se as suas secarem?

Seu canteiro sua responsabilidade
Terá de molhar o deles sem esquecer do seu
Ainda que seja com suas lágrimas

E qual a relação disso com o piano à minha frente?
Porque traz de volta as teclas até mim?

Sua inocência me faz sorrir
Mas também traz-me impaciência
Também tenho que aprender parece
Te agradeço por essa oportunidade

Seu canteiro é o piano
O regador as teclas
As flores suas canções de amor

Mas eu não lembro mais como fazê-lo
Isso que faço não é uma canção!
Como não?
A voz do Homem ao levar palavras de força
De esperança de conforto e Fé
Essa voz sempre será uma canção de amor

Preste atenção tape os ouvidos e ouça
Cada um deverá amar o jardim dos vizinhos
Isso é básico um papel semelhante para todos
Cada um tem esse dever apesar de não o saber

Agora para regar o próprio terreno
Fazer com que cresçam suas próprias flores
E que as novas sementes sigam ao critério do vento
Cada um se utiliza de instrumentos diferentes
Ainda que temporariamente adormecidos

Levo você de volta ao piano
Quem sabe para entender que sofrer por sofrer
Não cria música não há vocal não há melodia
Transformar sofrimento em algo útil
Está aí a canção consegue ouvir?

Perdoar meus queridos é perceber onde falhamos
Em permitir que alguém tenha nos ferido
Nossa dor só irá aumentar
Enquanto aos outros continuarmos a culpar

Agora comece a teclar
Atendeu ao chamado do vento
Então comece de uma vez a canção
Aprenda logo a voar

Fiquem com Deus
Nos vemos em breve

https://www.youtube.com/watch?v=jzjOu4Pz5UM

Carlos Correa

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Prezado amigo escritor e poeta Carlos Correa,

    - O Título do texto já é um convite a leitura.Uma concordância exata em todos os versos.

    - A primeira estrófe, um suspense,que desperta curiosidades do leitor.

    - Na 2a estrófe me veio a memória o grande pianista brasileiro João Carlos Martins. 

     E qual a relação disso com o piano à minha frente?
    Porque traz de volta as teclas até mim?

    -Lembra o suspense da 1a estrófe, claro que, em outra circunstância.

     

    - Mas aprendi que para minhas flores não secarem
    Teria de regar o jardim do vizinho
    E aprendeu bem
    Mas como regará as dele se as suas secarem?

    -Esta dubieadade mostra um ato de reflexão, poético e até diria de certo pragmatismo.

    Seu canteiro é o piano
    O regador as teclas
    As flores suas canções de amo

    Extremamente poético.

    De esperança de conforto e Fé
    Essa voz sempre será uma canção de amor

    Confirma a Fé do Poeta que provavelmente é um Homem de Fé e de religiosidade,como é observado em outras de suas obras.

    Cada um deverá amar o jardim dos vizinhos

    Filosófico ,toda a estrófe.

    Levo você de volta ao piano
    Quem sabe para entender que sofrer por sofrer
    Não cria música não há vocal não há melodia
    Transformar sofrimento em algo útil
    Está aí a canção consegue ouvir?

    -Argumentos propositivos, em consonância do que virá adiante...

    Perdoar meus queridos é perceber onde falhamos
    Em permitir que alguém tenha nos ferido
    Nossa dor só irá aumentar
    Enquanto aos outros continuarmos a culpar

    Demonstra a Fé do Poeta com estes versos até diria, bíblicos.

    Agora comece a teclar
    Atendeu ao chamado do vento
    Então comece de uma vez a canção
    Aprenda logo a voar

    O arremate bem realizado do poema.Uma advertência, uma proposição de vida, um ensinamento Não vi uma conclusão efetiva de que tudo afinal terminou com um The End

    Amigo, o que vale para nós leitores é a beleza da poesia em si por ela mesma e pela obra do autor.Um seu estilo onde você dá belos passeios,

    Parabéns amigo

    abraços, antonio domingos

     

    • Cara...eu fico boquiaberto, ainda que sem palavras, pois não consigo perceber de fato o que traz alguns textos...como disse antes, eu apenas "escuto o vento" e deixo que venha. Li cada pedacinho do que escreveu e fiquei contente...por sua atenção, por sua paciência e disposição de me trazer estas tão importantes linhas, por saber que os textos trazem algo de bom no coração de quem lê...acho que essa é a maior intenção...adorei, viu? E não se acanhe em trazer palavras duras quando achar necessário, são sempre bem vindas ...Muito obrigado, mas obrigado mesmo por estar aqui. Fica com Deus 

  • Estava lendo Raquel de Queiroz e, com olhos marejados d'água pulei de lá para cá e cá me deparo com estes maravilhos versos - parabéns meu nobre Carlos.

    • Boa tarde João..uma honra enorme e sincera receber suas palavras, te agradeço de coração. Fica com Deus.

  • Gestores Adm

    882609417?profile=RESIZE_710x

  • Que lindo, muito bom. Parabéns! Boa noite.

  • Beleza de texto, Carlos!!!

    Parabéns.

    Abraço

This reply was deleted.
CPP