MÃE, COMO OUSAR FALAR

MÃE, COMO OUSAR FALAR?

                        Jurandir Argôlo

 

 

Como ousar falar da imperfeição perfeita?

Daquela eleita desde tempos memoriais

Como não olhar pra trás

E não trazer à baila os motivos

Os contos de tantos livros

A dor vivida com olhos sorrisos

Não perceber a luz emana em cada vida 

Mulher auge de toda plenitude

Vida que se doa e não ilude

E morre humilde pelo seu pedaço de eu

Como não vibrar de tanta emoção?

Quando garantido é o chão

O sentimento floresço mesmo na dificuldade

Como não sentir uma saudade

Quando ela falta, e o consolo grita em voz alta

Ao perder o que verdadeiramente era o pão

Difícil dizer não a quem sempre foi digna

Não reconhecer tanto esforço

Quando para alimentar roía o osso

Passou apertos e necessidades

Nunca se entregou a luxos ou vaidades

Sempre verdade ornou cada milímetro de chão

Como ousar falar da imperfeição perfeita?

Daquela que sempre aleita

Estende as mãos, entende mesmo não sendo sua visão

Nunca em vão chora, se desespera

Ora, com todas as forças venera

Faz de tudo quanto possível, veste-se de impossível

Invisível diante de tantos problemas

Não valoriza prêmios, não se dá a esquemas

Com amor paga o que se nega

Não renega seu papel matriz

De mãe acima de qualquer circunstância

Não importa o tamanho da infância do filho

Sempre zela pelo brilho e no trilho mantém sua herança

Como não olhar pra trás

E não trazer à baila os motivos

Os contos de tantos mortos ou vivos

Sobre a luz que se traduz mãe

Mãe sob todos os aspectos

Mãe 

Mulher auge de toda plenitude

Vida que se doa e não ilude

E morre humilde pelo seu pedaço de eu

Não existe o perdeu

Sempre verdade ornou cada milímetro de chão

Como ousar falar da imperfeição perfeita?

Daquela que sempre aleita

A eterna eleita

Mãe mulher sempre matriz

Tudo que sempre se quis, guerreira

Esteira, esteio

O início de um fim alinhavando o meio

Semeio e fruto

Como ousar falar da imperfeição perfeita?

Daquela eleita desde tempos memoriais

Justiça seja feita àquela imperfeita perfeição enrustida

Mulher

Mãe

Lida

Porta de entrada e saída

Para todos sem distinção

Como não olhar pra trás

E não trazer à baila os motivos

A dor vivida com olhos sorrisos

Não perceber a luz emana em cada vida 

 

 

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • A imperfeita perfeição

     8946117089?profile=RESIZE_584x

    Poderá haver frase mais correcta mais perfeita

    para nos classificar, a NÓS, Pais e Mães??!

    e que grande e belo poema ...MAGNIFICO!

     8946117089?profile=RESIZE_584x

    "O início de um fim alinhavando o meio"

    AMEI de coração!

    Espero vir a ler mais poemas

    tão sentidamente escritos Querido POETA

    8946055097?profile=RESIZE_710x

    PS: mae RARA= tenho uma doença rara!! e então como tinha que tapar uma coisa ali escrita dum outro site, resolvi usar este "botão" porque tambem sou uma mamãe!!!  :D ;)

  • Lindo

  • Gestores

    Lindíssimo!

  • Muito Prezadío Jovem MESTRE Poeta/escritor e muito mais: Jurandir Argôlo! Também por aqui, agradeço muitíssimo por esse mais do que honroso e incentivante compartilhamento! Inspirado nas coisas belas que por aqui compartilhamos, sigamos, por essa nossa quarentena', deles desfrutando e cuidando-nos e cuidando de todas as pessoas, com as quais temos a satisfação de, de forma constante ou esporádica, seguirmos interagindo! Philia e Namastê!

This reply was deleted.
CPP