O mar

Hoje o mar serrou
Como se a serra fossem as suas ondas,
E o teu olhar me olhou
Como se as tuas pestanas me acarinhasem com o olhar que me apontas.

Respira-mos o mar sem nos afogarmos..
E nos abraçámos sem nos tocarmos
Fui a tua maresia sem o mar ser
De tanto nos sorrirmos sem querer.

Afinal, tu foste tu e eu fui eu
E ali brincamos junto ao mar...
Que junto a ele e da areia e do céu
Fomos nós sem nos cortár-mos.

Eu fui eu e tu foste tu
Sem o mar querer entender. 
E nisto tudo numa onda comum
O mar nos molhou sem querer... 

Bruno Alves

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Bruno Alves

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Que lindo!

    Parabéns,  Bruno.

     

    • Obrigado. Bom ano

  • Gestores

    Bonito poema!

    Meus aplausos!

    • Muito obrigado Edith. Eu tenho andado atento aos teus poemas, nem sempre tenho tempo, mas vejo que andas inspirada, e isso é bom! Desejo-te um óptimo ano 2021. 

  • Gestores

    De tantas tragédias eu pensei que o mar os afogassem.

    • Pois mas não, nós estamos felizes e a salvo talvez por sabermos medir o amor e medir o sentimento

    • Gestores

      Está certo Bruno.

This reply was deleted.
CPP