Prelúdio de canção alucinada

 

Prelúdio de canção alucinada

J. A. Medeiros da Luz

 

Veja-nos de novo, cara sombra,

A excursionarmos pelos confins,

Naquela vilegiatura em demanda de

Ignotos desafios a Golias virtuais.

Na hipnose desse ofício áspero,

Estas pupilas se estampam

Pelos matizes do deserto verde,

Brincando de infinito com o azul,

Para além das malhas de inox de uma tela

A peneirar a luz que jorra da janela

Deste despovoado e imaginário bangalô.

 

E por aí vamos que vamos,

Navegando de borbulha na memória,

Dentro de canoinha de guapuruvu,

Meio adernada, mas remando...

A remar pausada, incansavelmente.

 

Importa-nos lá, amiga sombra,

Que ouçamos já, magicamente,

O marulhar de corredeiras e rápidos avante,

No igarapé da vida?

  4241650131?profile=RESIZE_710x

 

Ouro Preto, março de 2020.

 

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

J. A. M. da Luz

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores

    3746075800?profile=RESIZE_710x

    • Cara Angélica:

      Não entendi por que, o aviso de seu comentário foi-me parar na pasta de "spam"; por isso só o vejo agora. Obrigado pelas ternas palavras, que só a empatia dita. Abraço; j. a.

  • Pessoal:

    Longe de mim querer me arvorar linguista, mas aproveitei para refrescar a (para mim) provável origem da expressão do caboclo amazônico, quando se refere a coisa ou pessoa que navega à deriva da correnteza do rio, isto é: "ir de bubuia". Daí se explica meu verso: "Navegando de borbulha na memória", a modo de borbulha, flutuando à deriva...

    Abraço do caboclo (embora dos campos cerrados do Planalto Central,  um tanto enraizado nas dobras alterosas da província das Minas Gerais).

    j. a.

  • Uau...! Meus aplausos caro poeta. Deus te abençoe. 

    • Caro Zacarias:

      Agradecido pelo incentivo. Os microcosmos apresentam-nos geografias múltiplas. As viagens interiores, ainda que catalisadas por período de isolamento em quarentena, nos fazem cogitar sobre o que nos espera para além das curvas do rio. Abraço.

       

      j. a.

    • Amigo, não há de que agradecer... O que é bom merece ser valorizado! Deus te abençoe. 

  • Gestores

    4241810854?profile=RESIZE_710x

    • Oi, cara Safira: Muito obrigado pelo turbinamento visual do poema, potencializando seu alcance. Abraço.

      j. a.

This reply was deleted.
CPP