Todos os dias olho para a tristeza.

Todos os dias olho para a tristeza.

Eu vejo a tristeza todos os dias, 

Ao espelho, durante o luar, 

Sinto nas minhas, as suas mãos frias, 

Eu vejo a tristeza, para mim a olhar. 

**

Fita-me com olhos, iguais aos meus, 

Fico a pensar, que eu, sou ela, 

Vi a tristeza ao espelho... meu Deus! 

Nunca pensei, que eu fosse aquela. 

**

Aquela tristeza que nasceu com ela,

Que só sorria, enquanto dormia, 

E não sabia o quão era bela. 

**

 Insana foi a tristeza que me via,

E nada fazia para me dar alegria, 

No rosto que também era dela. 

**

Cristina Ivens Duarte 3/07/2019 

 

 

  

 

 

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Cristina Ivens Duarte

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Estava eu aqui a contemplar,
    Tamanha beleza que emana,
    Destes vossos versos sem par,
    Nascidos da mão de uma dama,
    Grande poetisa de além mar.

    Meus aplausos querida amiga Cristina.
    beijos, Marcos. 

  • Que lindo Cristina... Eu adorei... Parabéns! Um abraço.

  • Gestores Adm

    Crisitina, querida que privilégio te ler nesta noite.

    Que lindíssima poesia!

    Meus aplausos a você e meu Destaque!

    • Querida Edith, feliz por a ver por perto e, ao mesmo tempo tão longe. Muito grata pela sua presença. Beijinhos grandes. 

  • Gestores

    3187904052?profile=RESIZE_930x

  • Gestores

    Que maravilha de poema, Cris! E que bom tê-la aqui! Meus aplausos!!!

    • Muito grata Marso, vou voltar aos poucos. Gostei muito de a ver tb. Saudades de vcs todos, bjs. 

This reply was deleted.
CPP