DesEsperança

DesEsperança

Quando tento alcançar as estrelas

E elas ficam distantes, distantes...

Quando tento enxergar delas o brilho

E elas ficam opacas, opacas, opacas...

Quando corro atrás da esperança

E ela se afasta, se afasta, se afasta...

Quando, das flores, tento sentir o perfume

E elas permanecem fechadas...

Quando quero o sorriso no rosto estampar

E ele não vem, não vem, não vem...

É quando mais preciso de você

E você por perto não está

A distância  levou...

E levou o brilho das estrelas

Hoje é dia de estrela sem brilho

De flor sem perfume

De (des)esperança

Queria tanto que não fosse assim.

Giselda Camilo

#giseldacamilo

 27/03/2017

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Giselda Camilo

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Que belo trabalho...ainda que na desesperança o poeta

    encontre forças para suprir à sua escrita palavras de encorajamento

    Meus aplausos

    FC

    • Obrigada, amigo! Abraços.

  • Gestores Adm

    3661133?profile=original

    • Obrigada, querida Edith! Bjos

  • um encanto de poema, uma verdadiera magia

    • Obrigada, amigo! Abraços

  • Parabéns, poetisa, poema lindo, adorei. Abraços, paz e Luz!!!

    • Obrigada, amigo! Bjos

  • Gestores

    3660969?profile=RESIZE_1024x1024

    3660986?profile=original

    • Belissimas artes, amiga! Obrigada! Bjos

This reply was deleted.
CPP