Minhas Atividades

Frederico de Castro commented on Angélica's blog post Resquícios
"Brilhante poema Angélica
Meus aplausos
FC"
Jul 10
Frederico de Castro replied to Angélica's discussion ENCERRADO TEMA POESIA PARA O PERÍODO DE 03/07/22 A 30/07/22 - 21 HS BRASÍLIA/DF in TemaPoesia
"Homilia para a solidão
Lá fora a rua vazia chora e nos bueiros da vida flutuamPalavras vazias, sem…"
Jul 7
Frederico de Castro replied to Angélica's discussion RESULTADO TEMA POESIA PARA O PERÍODO DE 01/06/22 A 30/06/22 in TemaPoesia
"Faminto silêncio
Faminto denegrido e requentado por um felino eco exaurido lá vai o silêncio Tirano…"
Jun 20
Frederico de Castro commented on Eudalia Alves Martins's blog post SIMPLES ASSIM!
"Da vida e da poesia restam apenas as coisas tão simples e belas
Bem haja Eudália
FC"
Mai 25
Frederico de Castro commented on Geraldo Coelho Zacarias's blog post SÚPLICA ...
"Sensacional trabalho a dois, caros poetas
Bem hajam  e um abraço fraterno
FC"
Mai 25
Frederico de Castro commented on Márcia Aparecida Mancebo's blog post Lágrimas da nuvem
"Parabens pelo trabalho poético tão esbelto
Bem haja Márcia
FC"
Mai 25
Frederico de Castro commented on Márcia Aparecida Mancebo's blog post Flor de algodão
"Sim Márcia, que seja o amor a rechear e fartar cada verso
seu escrito com destreza e mestria.
Bem…"
Mai 17
Frederico de Castro commented on Lilian Ferraz's blog post Poética
"Belissimo trabalho poético Lilian.
Meus aplausos e um abraço fraterno
FC"
Mai 17
Frederico de Castro commented on Márcia Aparecida Mancebo's blog post Aurora
"Que belissimo soneto Márcia. Estou aqui lendo e relendo
para degustar cada palavra
Bem haja
FC"
Mai 17
Frederico de Castro commented on Meire's blog post Uma canção de Amor
"Uma bela e inspirada canção de amor
Meus aplausos Meire, Bem haja
FC"
Mai 17
Frederico de Castro commented on MARGARIDA MARIA MADRUGA's blog post MINHA HOMENAGEM AO SAM
"Linda homenagem Margarida
Um poeta e um amigo de sempre
Bem haja
FC"
Mai 17
Frederico de Castro replied to Edith Lobato's discussion Nota de Pesar! Falecimento do poeta SAM MORENO! in In Memoriam
"E ainda custa a acreditar depois de ler esta noticia.
O silêncio agora ainda me dói mais...agora o…"
Mai 16
Mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Os comentários estão fechados.

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

1) Qual o teu nome completo?

Frederico Henriques de Castro Fernandes


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

20-06-1961


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Loures - Porutgal


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

A poesia tem sido ao longo do tempo o meu suporte adiantado de vida. Nela me exponho, recrio e embrenho sem conflitos. Ao escrever cada palavra,cada verso,apenas escuto o sentir que esculpo no silêncio onde descortinar sei desta vida todo meu sonhar tateia e regurgita.


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?

Edith Lobato


8) Está ciente que poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

Sim,claro


9) Concorda em participar e interagir conforme puder, com outros membros nas atividades da Casa?

Sim


12) Caso possua, deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou de outro site onde possamos saber mais de você.

https://www.facebook.com/FF.1441


13) Publique neste espaço, uma poesia ou texto de sua autoria (que não seja muito extensa).

MUSICANTO Na pura plumagem do dia aguardam pelo voo imóvel dos silêncios o canto das aves sossegando o rumor dos timbres silvestres poisando na calmaria do tempo que paira acariciando a luz despertando em romaria Frederico de Castro DEIXA-ME IR... Deixa-me ir vestir-te a noite com véus de seda iluminando teu sono dormitando à toca da eternidade Deixa-me ir descrever-te como sorris unindo os vazios que se apressam a engolir todos os silêncios madrugadores adocicados e tão primaveris Deixa-me ir esvaziar o tempo que resta escorregadio deixado ali na lápide da vida onde se enterram lívidos cânticos dissimulados evaporando mais uma noite que se distancia feliz enamorada nos ventos com teus perfumes ornamentados disponíveis e tão sedentos Deixa-me ir percorrer todo o infinito e no fim de todo além alienar todos os sussurros quer trazes esteticamente descritos em teu ser revelado em versos sinuosos que a mim se alojam tão sorrateiramente Deixa-me ir espraiar-te meu mar navegar-te à vista sempre com marés ondulantes e impetuosas Abrigar-me dos temporais num acto sereno a ti comuflado Arribar contigo até a plenitude das manhãs se irmanarem em existências felinas que se desnudam, vasculhando minuciosas tuas digitais tatuando-me assim repentinas Deixa-me ir… pintar-te como rima eculpir-te em monumento escutar-te com instinto fintar-te com palavras hermeticamente transformadas num canto selecto de açoites Deixa-me ir percorrer uma vez mais todas as avenidas onde endereçámos os abraços vagueando no carrocel dos mesmos costumes gritando em folia incrustada neste pensamento onde de prazer na calada da noite te velo, recrio e invento Deixa-me ir… Frederico de Castro


CPP