Proposta do grupo

9212006?profile=originalProposta do grupo

9212006?profile=original

O grupo de Entrelace Poético destina-se para o enlace de poemas. Enlaçar um poema de um autor é agregar seus versos entre os versos do poema tomado para enlace, de tal modo, que ao serem separados, ambos os poemas tem sentindo e significação completo.

9212006?profile=originalRegras

1. Os duetos saídos deste tipo de composição podem ser postados, como contribuição no grupo de duetos em discussões separadas.

2. Os poemas para serem enlaçados devem ter o máximo 12 versos.

3. O poema que não obedecer a regra dois será excluído, automaticamente.

4. É permitido formatações dentro dos entrelaces.

5. Não é permitido imagens nos comentários.

6. Os poemas para entrelace devem ser deixados no espaço destinado para tal.

7. Os poemas enlaçados devem ser postados dentro da oficina clicando-se em resposta do poema que se enlaçou.

Cumpra-se!

9212023?profile=RESIZE_480x480

15 Members
Join Us!

Deixe aqui o poema para enlace

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores

    Para enlace

    Normal

    Hoje, eu amanheci desconexa
    Meio assim;
    Meio assada;
    Meio lógica;
    Meio anormal;
    Meio concreta;
    Meio abstrata;
    Meio lúdica;
    Meio louca;
    Meio eu;
    Meio não eu;
    Meio irracional.
    Depois eu percebi
    Que estar assim
    É o que me faz normal.

    Marsoalex – 22/10/2015

    • Gestores

      Normal/Mortal

      Hoje, eu amanheci desconexa
      Submersa
      Meio assim;
      Mas não submissa
      Meio assada;
      Inaudível
      Meio lógica;
      Mas não muda
      Meio anormal;
      Emotiva
      Meio concreta;
      Mas não nostálgica
      Meio abstrata;
      Humorada
      Meio lúdica;
      Mas não caricata
      Meio louca;
      Transparente
      Meio eu;
      Mas não invisível
      Meio não eu;
      Num tempo ermo
      Meio irracional.
      Mas não desterrada
      Depois eu percebi
      Que eternamente
      Que estar assim
      Sobrevivendo
      É o que me faz normal.
      Porque sou mortal

      Marsoalex – 22/10/2015
      Marsoalex 09/01/2020

       

  • Gestores

    Para enlace.

    Caminho de estrela.

    Aquela estrela que me olha
    Do horizonte
    Tem todo o brilho
    Que havia em teu olhar.
    É como se ela fosse uma ponte
    Um caminho para te encontrar.

    Se, um dia aquela estrela
    Se tornar cadente
    Eu vou seguir seu rastro
    Pra onde ela for
    E onde ela estiver
    Será, provavelmente
    O lugar certo
    De encontrar o meu amor.

    Marsoalex – 13/09/2017

    • Gestores

      Caminho de estrela/Renovando a esperança

      Aquela estrela que me olha do horizonte
      Quando a noite invade a minha rua
      Tem todo o brilho que havia em teu olhar.
      Traz, com ela, a lembrança de nós dois
      É como se ela fosse uma ponte
      Que transpõe a minha vida e a tua
      Um caminho para te encontrar.
      Vai além do que pode ser depois...

      Se, um dia aquela estrela se tornar cadente
      Renovando a esperança de te encontrar
      Eu vou seguir seu rastro pra onde ela for
      Vou até os confins da eternidade
      E onde ela estiver será, provavelmente,
      Sem ter medo de me perder e não achar
      O lugar certo de encontrar o meu amor.
      Aquele que se fez minha saudade.

      Marsoalex – 13/09/2017
      Marsoalex – 12/12/2019

       

  • This reply was deleted.
    • Gestores

      Tristeza///Infelicidade

      A cada hora que passa sinto
      Aquilo que me diz o pensamento
      Uma apunhala no peito doer
      Curtindo como mártir em sacrifício
      Não reclamo, me calo, pressinto
      O que me vem como sofrimento
      Ninguém vai entender meu sofrer
      Como se sofrer fosse o meu ofício.

      Assim sigo nessa correnteza de pranto
      Em névoas de deilusões me oculto e vivo
      Sem ninguém pra me acalentar,
      Fugindo sutilmente a realidade
      Recolho-me, cubro- me com o manto
      sem ver e sem ouvir ponho no arquivo
      Da agonia por muito delirar.
      O amargo cara a cara com a verdade.

      Ate quando hei de suportar, não sei.
      De há muito em meu ser gera-se um crivo
      Não consigo da memória apagar
      Mágoas que a minha alma invade 
      O amor que vivemos, eu doei.
      A condenar-me ao sofrer sem lenitivo
      Hoje sozinha estou a mendigar
      Carregando a cruz da infelicidade
      Pois, essa tristeza quer me matar.
      E eu não sei  o que fazer pra ficar vivo.

      Márcia A Mancebo - 29/08/18
      Marsoalex – 15/09/2018

       

  • Gestores

    Para enlace.

    Caminho de estrela.

    Aquela estrela que me olha
    Do horizonte
    Tem todo o brilho
    Que havia em teu olhar.
    É como se ela fosse uma ponte
    Um caminho para te encontrar.

    Se, um dia aquela estrela
    Se tornar cadente
    Eu vou seguir seu rastro
    Pra onde ela for
    E onde ela estiver
    Será, provavelmente
    O lugar certo
    De encontrar o meu amor.

    Marsoalex – 13/09/2017

  • Gestores

    Para enlace

    Espiral de poesia

    Eu te vejo em tudo, Ó, poesia.
    Para qualquer ponto o meu olhar
    Mergulha em teu mar de fantasia,
    Desperta minha ilusão, o meu sonhar.

    E no mergulho encontro a inspiração
    Em ondas maroladas em sentimentos
    Espumadas pela minha emoção
    Me dando versos como argumento.

    E as palavras vêm em espiral
    Num rodopio que a rima lança
    E o poema nasce original
    Pousa na folha em passos de dança.

    Marsoalex  09/12/2014

    • Gestores

      Espiral de poesia//Onde me diluo...

      Eu te vejo em tudo, Ó, poesia.
      Busco-te diariamente dispersa em muitas faces
      Para qualquer ponto o meu olhar
      No meu cotidiano de há séculos
      Mergulha em teu mar de fantasia,
      O menino guardado na saudade
      Desperta minha ilusão, o meu sonhar.
      Altiva imagem vestida em alegria.

      E no mergulho encontro a inspiração
      Alimentando o verso e a vida
      Em ondas maroladas em sentimentos
      Nos horizontes onde me diluo
      Espumadas pela minha emoção
      Fragmentado e absoluto
      Me dando versos como argumento.
      Em ti, me completo, me concluo.

      E as palavras vêm em espiral
      Na liquidez de puro sentimento
      Num rodopio que a rima lança
      Traduzindo o meu risco de ser
      E o poema nasce original
      Do amor, eterno pensamento,
      Pousa na folha em passos de dança.
      A imagem concreta de você.

      Marsoalex  09/12/2014
      Marsoalex – 02/05/2018

       

  • Gestores Adm

    Para enlace

    Solidão

    Vivo sem viver o sonho sonhado,
    Já não tenho mais prazer,
    Pois tudo se foi sem dar-me conta.
    Zombam de mim os filhos do meu amor.
    O meu único amor!
    Resta-me o ócio e o tédio
    das horas que escoam
    desertificando cada dia mais
    o meu eu, disforme, aos olhares dos que amo.
    O tempo secou meus sonhos
    Não dei-me conta!
    Mareou minha caminhada
    E hoje?
    Resto-me só.
    Solidão!


    Edith Lobato - 9/07/17

    • Gestores

      Solidão// Deserto visceral

      Vivo sem viver o sonho sonhado,
      Neste deserto visceral que me consome
      Já não tenho mais prazer,
      Sou o retrato de velhas lembranças
      Pois tudo se foi sem dar-me conta.
      No percurso desenhado pela solidão
      Zombam de mim os filhos do meu amor.
      Escuto os ecos da desesperança
      O meu único amor!
      Sonho que, aos poucos, eu vi morrer
      Resta-me o ócio e o tédio
      Resumindo a nada a minha vida
      Das horas que escoam
      Cada momento cruelmente revivido
      Desertificando cada dia mais
      Desarticulando todos os sentidos
      O meu eu, disforme, aos olhares dos que amo.
      Vivo fora do mundo num mundo perdido
      O tempo secou meus sonhos
      Sigo pegadas de quem não tem passos
      Não dei-me conta!
      Estou fora de mim, em mim, morrido
      Mareou minha caminhada
      Sinto a solidão da morte em seu abraço
      E hoje?
      Cortado pelo amor e pala sorte
      Resto-me só.
      Sou pó de sonhos no abismo derramado
      Solidão!
      Sem direito nem a paz da morte.

      Edith Lobato - 9/07/17
      Marsoalex – 27/07/2017

This reply was deleted.
Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Espaço tira dúvidas

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores Adm

    O que achaste, Marso?

  • Postei aqui um poema para enlace. Se o fiz no lugar certo, não sei. 

    • Gestores

      Gilnei, quando você for postar para enlace vá em fórum e procure entrelace 01. Os poemas para enlace ficam lá. Bjs

  • Para Enlace:

    COLHER AMOR

     

    Nos braços do amor

    Encolho-me

    Num abraço fugaz

    Toda noite me recolho

    Em teu corpo repouso

    Refaço-me em teus ais

    No calor do beijo

    Desbravo novos tesouros

    Encontro minha paz

     

    Gilnei Nepomuceno, 11/01/2017

    • Gestores Adm

      Gilnei, criei uma forma dos textos ficarem a vista dos participantes. Peguei teu poema e deixei em tela para ser trabalhado,

      O poeta que o enlaçar deverá clicar em resposta e postar abaixo do teu. Em seguida deve deixar um outro texto na caixa acima do teu poema.

      Desejo que entendam!

  • Gestores Adm

    ATENÇÃO: os poemas para serem entrelaçados serão deixados aqui nesta parte do grupo, logo abaixo das regras. Eu estava olhando o grupo e vi que o tópico que criei para este fim ficou para traz e quase ninguém ver, então vamos tentar aqui. Só deve haver um poema por vez em tela. Quem chegar entrelaça e deixa outro poema para ser entrelaçado. Atenção, poemas quilométricos serão automaticamente excluídos.

  • Gestores Adm

    Gente todos podem comentar os entrelaces, está a cosia mais linda as pastagens aqui.

  • Gestores

    Nossa!!!! Eu adorei este grupo!!! Demais!!!!

  • Testando : Onde diz FOTOS, deveria dizer BLOG.

     

  • Gestores Adm

    Testem por favor. Ja tem barinha

This reply was deleted.
Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –
CPP