Adm

Oficina I - Desafio Poético sobre palavras aleatórias

PROPOSTA

Esta oficina destina-se à composição de poemas sobre palavras deixadas aleatoriamente

Regras

1. Ficarão em tela 4 palavras aleatórias para composição.

2. O participante deve compor nas palavras em tela e ao postar seu poema, deve deixar outras 4 palavras para o próximo participante.

4. Os poemas criados devem ser postados na caixa de cima.

Boas inspirações!

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Palavras em tela
    Insistentemente/ Abrolhos/
    Vate/ Soturno

  • Escrava da tua insensatez

    Sob grilhões me mantém condenada.
    Pois, há alguém que me ama com loucura,
    Retribuo esse querer com doçura,
    É muito bom, amar e, ser amada.

    Pretendes que eu seja da morbidez
    refém e, enclausurada, seja tua.
    E, tuas mãos toque-me toda nua,
    seja escrava da tua insensatez.

    Quanto mais me deseja, mais desprezo
    esse vozear constante e voraz.
    Queres ensurdecer-me… tanto faz,
    posso morrer, mas teu amor, não prezo.

    Quanto mais me maltratas, mais eu sinto
    acumulando forças pra eternidade
    ouvindo de anjos com sonoridade
    u'a canção que me leva ao labirinto.

    Podes me fazer de gato e sapato,
    Continuo a pensar em outro alguém
    Que ao me abraçar leva-me longe, além.
    Sinto êxtase somente com seu tato!
    Márcia A Mancebo
    (11/01/19)

    • Adorei amigaaaaaaa

      Obrigada!!!!!

  • Palavras em tela: sonoridade, morbidez, vozear, grilhões

  • Paraíso.

    Um pequeno Cambuí me chama atenção
    Não sou botânico, mas gosto das mirtáceas
    Ou de qualquer planta que exista nesse chão
    Das frutíferas, das murtas, das glumáceas.

    Eu sou assim porque nasci no mato.
    Caipira eu sou com muito orgulho!
    Embora esquecido, em anonimato,
    Mas, minha vida, direitinho, eu debulho.

    Não tenho patrão nem sou empregado
    Vivo do da terra, dela eu tiro meu sustento
    No meu pedaço de chão estou plantado
    Sou coronel do meu próprio alimento.

    E esse namoro que há entre a terra e eu
    Que qualquer um que olhar vai perceber
    Que essa terra é meu mundo é meu céu
    Que alcancei o paraíso antes de morrer

    Marsoalex – 10/01/2019

     

    • Desisto!!!

    • Não desista, professor! Nada melhor do que um bom desafio.

  • Palavras em tela: Cambuí; Caipira, Coronel, Namoro

This reply was deleted.
CPP