Gestores Adm

II Oficina de poema que não tem fim - CPP

Regras

1. Todos os membros podem participar;

2. O membro participante compõe, sempre, no ultimo verso do poema que está na frente da página ( em primeira vista);

3. O participante deve postar sua resposta na caixa de texto acima, e nunca em resposta.

4. É vetado comentários sobre os trabalhos para não quebrar a sequência;

5. No caso de haver duas postagens ao mesmo tempo, permanece aquele que postar primeiro, o segundo deve ser excluído.

6. Vetado o uso de imagens.

7. Permitido formatação dos poemas

8. Os poemas dispensam títulos na sequência.

Cumpra-se!

Verso para começo

Calando a voz da minha razão

Boas composições!

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Poço de emoções

     

    Regando o viver com  grã fantasia

    vou eu vivenciando meus conflitos

    Ora com alegria, ora com melancolia

     

    Uso das letras para pincelar a vida

    Num misto de cores quentes e frias

    Usando os tons de cada emoção

     

    Me permito sonhar ,festejar e chorar

    Amar sem do meu querer abdicar

    Sendo eu, este poço de emoções a transbordar

     

     

    Lilian Ferraz

    17/03/2020

     

  • Ao sabor do vento

    Ser livre é ser leve qual uma pluma!
    Ser livre é pelo espaço flutuar;
    É poder alcançar, do mar, a espuma
    E nela em devaneios deslizar...

    A liberdade traz sensação
    Que as horas passam despercebidas
    Que o sol brilha na noite e a escuridão
    não traz solidão para minha vida.

    E, eu me permito o tempo abraçar
    fazendo dele meu único aliado.
    Esqueço a tristeza e sem mais chorar
    me ponho a lembrar que estar a seu lado
    é embriagar – se de tanto amar.

    Nesse pensar sigo ao sabor do vento
    levando nos lábios a fiel alegria
    Percorro a estrada do pensamento
    regando o viver com grã fantasia.

    Márcia A Mancebo
    01/03/2020

  •  

    LEVE QUAL UMA PLUMA
    Eri Paiva

    Meus olhos procuram a liberdade
    Na esperança de encontrá-la já
    E me livrar de tamanha saudade
    Que vive disfarçada a me machucar.

    Livrar-me não é fácil, mas insisto.
    Algum dia dar-se-á o meu intento.
    No percurso que faço sempre avisto
    A jogar fora todo este tormento...

    Não quero imaginar sentir-me só,
    Não quero guardar lembrança alguma
    Quero da saudade desatar o nó,

    Que me prendeu a quem não me queria
    Que me tirou da vida a alegria...
    Ser livre é ser leve qual uma pluma!

    Parnamirim/Rn - Em 28. 02. 2020

     

  •  

    Reflexão

    Mas é a liberdade travestida de degredo
    Que me relega a sentir, ser nada.
    Refém do próprio segredo e do medo
    Escondendo – se nas curvas da estrada.

    Ninguém merece esse destino cruel;
    Ninguém precisa viver enjaulada.
    Embora viver, não tenha gosto de mel
    Meu degredo é amar sem ser amada.

    Calada, na minha própria prisão
    Para refletir onde estou errada
    Sem lamentar e sem ter ilusão
    Aprendi seguir minha jornada.

    Vejo amanhecer longe e radiante
    Minha alma suspira de saudade
    Se a noite tem estrelas brilhantes
    Meus olhos procuram a liberdade.

    Márcia A Mancebo
    15/02/2020

  • Gestores

    Total compreensão.

    O esquivar-se perene dos deslizes
    Vamos pela vida acertando os passos
    A razão nos dando as diretrizes
    E o amor ritmando o compasso
    Nos momentos felizes e infelizes
    Vamos reforçando os nossos laços.

    Nas variadas estações da vida
    Vivemos entre partidas e chegadas
    Entre lutos e renascimentos
    O ontem e o amanhã fazem a jornada
    Mas, quando atingimos o discernimento
    Vemos que só temos um ponto de chagada
    Quando entendemos que a morte
    É nosso último estacionamento
    Compreendemos que o tudo leva ao nada.

    E essa total compreensão
    Tira a névoa que envolve o segredo
    De nossa última etapa da ascensão
    Que, infelizmente, nos causa tanto medo
    Que  nos parece sempre uma condenação
    Mas é a liberdade travestida de degredo.

    Marsoalex – 09/-02/2020

  • Semeadura

     

    Na espera da colheita do amanhã

    minh’alma precavem e se prepara,

    amo a vida e a trato feito irmã

    com ela divido minha seara.

     

    Com esmero e amor semeio meu quintal

    e aos meus jardins dou sempre vida nova,

    bem longe mantendo-me do mal

    todo o dia minha vida se renova.

     

    Não me apego a passados infelizes,

    e ao futuro insondável, meu respeito.

    No hoje é que concentro minha atenção.

     

    Equilibro a razão com a emoção

    pois só se leva da  vida o bem feito

    no esquivar-se perene dos deslizes.

     

    Francisco Ferreira

    (08/02/20)

     

     

  • Talismã

    Somos um composto de alma, vida e coração.
    Ungidos de bençãos celestiais
    Essa aliança que sela nossa paixão
    Me dá força pra entender cada dia mais
    que te amar é atingir o ápice da emoção.

    Esse amor que sentimos é profundo
    Livre de ciúme e desilusão
    Completamos – nos nesse mundo
    Mesmos sós, não nos atinge a solidão.

    Tua ausência, deixa ,da brisa o frescor
    Tenho a certeza que te conheço bem
    Por onde fores sentirás meu amor
    Pois, pensas em mim também.

    Caminhamos pelo infinito alados
    Polindo esse querer como talismã
    Semeando frutos, meu bem amado,
    Na espera da colheita do manhã.

    Márcia A Mancebo
    08/02/20

This reply was deleted.
CPP