Posts de Carlos Manuel Correa da Silva (95)

Colibris e andorinhas

Quantos de nós cruzam o dia temendo a noite?
Perdoe-me Pai por todas as vezes que assim o fiz
Nossas atitudes não devem ser reguladas por medo
Muito menos por desprezo desrespeito ou
Simplesmente convenção
Que acreditemos em nossa própria oração

Fé e coração não se resumem ao primeiro dia
A valsa que nasce com o sol se estende triste ou alegre
Adentrando a madrugada
E cabe a nós buscar a felicidade ao final dessa jornada

Observemos o simples o óbvio o que de tão próximo
Eventualmente chora com o esquecimento
Senhor obrigado pela terra que pisamos e sujamos
Ignorando que ela precisa diariamente se manter firme
Para que possamos continuar pisando e humilhando no dia seguinte
Até que aprendamos a agradecer

Obrigado meu Pai por nos ensinar diariamente
Por não desistir nunca de nenhum de nós
Alegres e depressivos
Fortes e fracos
Bons e maus
Instantes apenas de cada espírito na eternidade do universo

Obrigado colibris e andorinhas
Voem
Obrigado pela capacidade de amar e de sonhar
Voem também junto às aves cada sonho que brota à nascente
Fluido único que nos dá vida que nos faz gente

E no centro de tudo se encontra a magia
E o que seria então esse encanto que rodeia que invade cada lugar
Que parece surgir do nada e embeleza o mundo em cores e estrelas
Magia nada mais é do que a Fé
O que chamam de milagres vejo como a força de Deus em cada um

Obrigado Pai por entender que conectar-se nada tem haver com converter-se
Agradeço por cada aula ofertada através da frustração
Foi assim que consegui crescer um pouco mais
Momentos em que confundi sonhos desfeitos com desilusão
Que seja feita a Sua vontade aprendamos de vez essa lição

Perdoe-me por cada verso que escrevi e não segui
Perdoe-me pelos momentos que não pude sorrir
Perdoe-me pelas estrelas das quais esqueci
Perdoe-me pelas mágoas que causei
Pelas desculpas que eu não pedi
Pelas vezes que não encontrei outra opção em meu coração
Por todas as vezes que não tentei..
. ... e falhei

Obrigado a cada um de vocês.
Fiquem com Deus

Carlos Correa

Saiba mais…

O fio das luas

Sabe eu queria te trazer um presente
De repente percebo seria um passado?
Algo que pudesse de uma forma... tocar
Uma lembrança algo além do olhar

Então chamei o vento veio de longe cansado
Suave ainda que ofegante alcançou minha face
Permiti que entrasse e num sopro ele se foi
Senti que ele aguardava mas só consegui ali dizer oi

Não sabia com certeza precisava antes
Encontrar o caminho do mar e
Longe era a distância do meu deserto
Até que o vento me mostrasse o que era certo

Clamei pela noite onde as sombras se encontram
O fio das luas conectando planos e desejos
Decidi então que toda aquela poeira e todos aqueles gravetos
Deveriam seguir rio abaixo encher de vida meu esqueleto

Nas mãos tenho a chama que aquece a mistura
Reúno as letras desconexas e as direções erradas que tomei
Por entre pequenos pedaços de respiração acrescento a melodia
Não a noite nunca chega enquanto não se der por afogado o velho dia

Na madrugada de outro sonho
O vento toca outra face
Tinha aspecto de uma criança aprisionada ao chão
De olhos fixos e sorriso aberto ao giro de seu peão

E foi já quando o dia se deu por vencido
E o vento já saía de dentro de mim
Que pude ouvir aquilo que te deixo como recordação
Um presente um passado algo insano que o vento me disse ser uma canção

Deus nos abençoe
Carlos Correa

Saiba mais…

Fios dourados

https://www.youtube.com/watch?v=wb7GcDiXpbg

Na minha corte não há baixelas ou diamantes
Meus cavaleiros caídos já perderam suas espadas
Quando eu só queria em cada batalha travada na madrugada
Fazer a diferença no minuto de alguém mesmo que distante

Ah Guinevere venha esteja perto fique ao meu lado
Em sua presença meus soldados se refazem em confiança
Em sua ausência torno-me um bobo sequer engraçado
Do fio de teus cabelos tece em meu peito a esperança

Seu amor transforma campos sangrentos
Em vastos verdes coloridos por nuvens de borboletas
Seu corpo e apenas ele transforma canhões e baionetas
Em lindas canções e seus adorados instrumentos

Deus nos abençoe
Carlos Correa

Saiba mais…

Poesia amarelada

https://www.youtube.com/watch?v=VExLG8E6tMA

Numa época antiga chamada medieval
Haviam castelos feudos e magia
Merlins e suas varinhas na ousadia da poesia
Lembro de Arthur mas também daquele olhar sem igual

Enquanto o rei era coroado
O coração de um jovem triste chorava
Enquanto a távola era formada
Ele se despedia ajoelhado sobre a cava

O tempo impassível transformava cavaleiros em soldados
Varinhas mágicas se tornavam teclados
Aquele jovem antes soturno e ajoelhado
Hoje conta estórias de corujas um bardo

E assim como Arthur da bigorna retirou sua espada
O menino menestrel acreditava que um dia a encontraria
Colocou seu coração no fundo de um lago
Tinha a certeza de que um dia ela o resgataria
....com uma canção ou poesia...

Fiquem com Deus
Carlos Correa

Saiba mais…

Na trilha da noite

https://www.youtube.com/watch?v=LHptB-BVemE

Estarei aqui esta noite nesta trilha só para você
Voarei nas asas deste solo como se não houvesse refrão
O malte ainda que amargo me parece tão doce
Talvez seja apenas um delírio entorpecido por esta canção

Posso apenas lhe dizer agora neste exato momento
Que cada verso cada caminho que sai do meu coração
Vai carregado de amor esse que é meu único sentimento
Algo que salta em mim que faz seguir meu norte minha paixão

Que Deus nos abençoe

Carlos Correa

Saiba mais…

Baila comigo

https://www.youtube.com/watch?v=Bcs-VVLhNBs

 Ah o mar palavras espumadas que molham minha boca
Juntam-se as cordas suadas do sol de uma paixão
Nasce no momento daquele movimento do ritmo da canção
Na mira do olhar antigo das gaivotas o perfume de sua nuca

E quem disse que sensualidade
Não comporta no colo a suavidade?
No balanço dos ombros a malícia inocente
E devagarinho você vai surgindo bem à minha frente

E se a mente mostra uma letra complicada
O ritmo sem pressa desata os nós
Dedilhando as cordas de seus cabelos por entre os lábios
E a respiração segue passo a passo ao ventre da madrugada

No final da noite seu corpo todo escrito por minhas mãos
Em versos firmes escondidos mantendo toques selvagens
Numa alternância de natureza viva entre praia e vulcão
Que tal ensinar-me a bailar ao brilho da beleza de sua imagem?

Deus nos abençoe

Carlos Correa

Saiba mais…

Andarilho

Venho caminhando faz algum tempo
Há pouco com minhas próprias pernas
Desobedeci e nem imaginava que o vento falava
Caí fiz cair saí de meu bando e aticei manadas

Não por maldade apenas não sabia como ser diferente
Nem que eu de fato poderia ser assim nem sei ao certo
Acho que já era apenas não percebia porque apesar de tudo
Sempre doeu e dói ainda e não entendia que poderia aprender
Mas fui aprendendo o que nos diferencia é como lidamos com ela

Enquanto andarilho fiz paradas algumas moradas
Perdão nunca foi intenção machucar qualquer um
Quando o egoísmo e o orgulho nos manipulam
Brincam de forma cruel e insensata
E sei que não nos isenta de nossa responsabilidade

Mas quando nos é revelada a realidade de “céu e inferno”
As visões e reações ao mundo tem que ser alteradas

Nisso tudo eu só queria aprender a tocar um instrumento
Quem sabe escrever uma canção...

Não quero que as quedas se repitam e por isso aprendi ( não ainda não)
Que tenho de fazer sorrir e de algum modo também o fazer

Passei a ouvir o vento
E se ele pode alterar a direção das marés
Imagine o que pode fazer comigo e minha fé

A vida segue em ciclos
Entramos e saímos por aquela estação
Deixando aqui em cada passagem versos reescritos
Alteramos nossa cor aprendemos o sentido da dor

Chegamos a um planeta com tanto a aprender
Que os que vivem na interseção parem de brigar entre si
Que se valorize acima do saber dos livros
A prática de estender as mãos de alimentar com o bom pão

As palavras que trago não são frutas maduras
São ainda ácidas e precisam de fé para alterar o sabor
Eu sinto o calor do vento
Lamento por quem ainda não o faça
Sinto a noite e seu abraço porque
São nesses momentos que inspiro fundo e agradeço

Agradecer pelo e ao corpo que vestimos
Esse que feio ou bonito seja de qual cor
Nos permite trabalhar pelo licor da vida
Por existirmos graças a uma família que nos aceitou
Pelos girassóis libélulas e borboletas
Pelo que não podemos ver agora
Mas iremos ser amanhã nesses mundos que Ele criou

Se eu voo atrás das estrelas?
Sim eu voo e vou assimilar tudo que inspirar
Durante o balançar de minhas asas porque
Quando acordamos ao mínimo de nossa Fé
Abre-se um caminho de luz à nossa frente
E não vou desperdiçar dessa vez ( assim espero)

Somos responsáveis por encontrar
O trajeto até nossa felicidade
Isso não se chama egoísmo
Por mais que tentem nos cegar com a ideia

Se não estiver satisfeito comigo
Não poderei ajudar qualquer um
Para que eu possa ser uma usina magnética
Transmitindo energia através de minhas mãos e olhar
Terei que transformar cada ferida aberta em nova cicatriz

Perdão pelas longas palavras
Mas longo também será o aprendizado
Abençoado seja o ciclo da vida
Abençoados sejam cada um de nós
Fiquem com Deus.

Carlos Correa

Saiba mais…

Pelas letras do silêncio

Em algum momento se vão os aplausos
Assim como um caminho chega ao fim
E uma canção se encerra em um beijo
Fica o silêncio som agudo dentro de mim

Lembro com a certeza de que cada manhã encontra a tarde
De que costumava sonhar ainda que acordado como uma criança
Que havia uma pureza uma inocência algo que acho ainda arde
Um sentimento perene onde a ousadia sobrepujava a segurança

E no atrevimento de não enfrentar esse silêncio
Mas aprender a ouvi-lo com todo carinho torná-lo amigo
Foi que aprendi que os caminhos não nos levam a um lugar vazio
Que as canções nunca se encerraram em beijos fiz dele meu abrigo

Eu me lembro que meus passos meu norte
Eram guiados pelas batidas de meu coração
E sei que hoje o que me torna um Homem forte
Foi nunca deixar fugir aquele sentimento de minhas mãos

Fiquem com Deus e aprendam a partitura de seu próprio silêncio

Carlos Correa

Saiba mais…

Ouça seu coração

https://www.youtube.com/watch?v=rn6NXRG3t1o&list=RDrn6NXRG3t1o&start_radio=1

Você deveria escutar seu coração
Não sei apenas quem sabe uma chance
Entenda há um caminho além da razão
Mas se continuar assim talvez não o alcance

Há vozes suas amigas que lhe ensinam através da canção
Feche os olhos esqueça as legendas é tão simples o amor
Seus fantasmas seus medos tudo isso vem de sua criação
Ouça seu coração ele é o único que pode calar sua dor

Fiquem com Deus

Carlos Correa

Saiba mais…

Ave de Rapina

Nas paredes brancas se espalhavam
Imagens tão vívidas que delas
Quase podia se sentir os sorrisos
Ícones de gargalhadas do passado
Afunilando-se todas na certeza
Das pequeninas mãos em quase
Tocar os sonhos além da vidraça

Estações passaram e o mundo lá fora
Não se preocupava mais em esperar
A vida corria desviando-se de seu quarto
E nem notou quando as paredes já não
Tão alvas emolduravam cada imagem
Desenhando a escuridão até que sua
Própria existência tornara-se uma tela

De fato um belíssimo painel que
Todos sem exceção admiravam
Boquiabertos em elogios e graças
Mas ao final do dia quando as
Luzes se acendiam era apenas um quadro

E naquela noite a coruja pousou no beiral
E as mãos agora não tão pequenas puderam
Sentir sua presença inquietando a parestesia
Que já tomava cada parte de seu corpo
Delicadamente baixou as pálpebras
E sincronizou-se ao coração da ave

Sem sair de seu quarto
Ela conseguiu sentir o vento em sua face
Lá do alto percebeu a escuridão
Ganhava velocidade cruzou as nuvens
Que assustadas reclamaram de sua ousadia
Girou em rasante riscava os lagos
Não, pousar nem pensar
E subia novamente, plainava

Fontes, tulipas, planícies, lenços
A vida no seu todo apreciava seu voo
E ao horizonte sonhos já velhos e seus netos
Chamavam-na em direção
Mas inconformada pousou em seu quarto

Porque me trouxeste de volta?
Não precisa de mim para voar
Tem suas próprias asas
A escolha é sua, reescreva este espaço
Transforme sua poesia e voe
O poder da palavra vai muito além

E no pio da coruja quase obedecendo
As molduras hoje grades se partiram e
A luminosidade invadiu o ambiente
Pode ouvir o som das asas indo embora
E daquele dia em diante
Reescreveu o poema

Já com as mãos sulcadas
Pelos sonhos conquistados
Tendo os netos que vira no horizonte
Implorando-lhe por mais histórias
Lembrava do pio da ave de rapina
Aquela que raptara a dor e a escuridão
...a escolha sempre será sua...

Fiquem com Deus
Carlos Correa

Saiba mais…

Estrela nua

Em algum lugar a noite esconde o segredo da eternidade
Aproveite este momento então ainda que fugaz apenas sinta esse instante
Venha nestas asas talvez cheguemos onde a vida contorna a esquina da sensualidade
Abra os olhos sinta teu corpo junto ao meu até que brilhe ofegante

Aprecie o aroma da melodia que invade o coração
Sem teu sorriso sou tão somente um cantor de música instrumental
Sigamos viagens pelos mistérios da escuridão escrevendo em seu corpo o que me é natural
A magia está aqui nesta noite e te trago o prazer em gotas de carinho e toques de canção

Dance comido como se hoje fosse sua última chance de amar
Sim é verdade há romance espalhado pelo ar
E é isso que as estrelas vêm nos mostrar
Eu preciso do seu olhar desse jardim de sentimentos onde quero estar

Peço licença à lua e lhe deito sobre as nunvens
Percorro o sabor de seu corpo agridoce cada nota vai surgindo
Estrela nua da umidade de sua boca me deleito em colinas
Provoco o rio a represa se rompe e minha boca se enche de mel

Agora o luar ilumina teu corpo e cintila uma lágrima
Impossível saber de quem talvez da lua que assiste comovida
A valsa desprovida de pudor de relance percebi que ela até sorria
Momento celestial de amor e magia

Te trago de volta às minhas asas
Antes que o sol derreta o sonho desta noite
Te entrego de volta à tela em versos que deixaram rastros de rimas
Com esperança de nesta noite ter dado vida à poesia

Fiquem com Deus 

Carlos Correa

Saiba mais…

Toques de cetim

Eu vi por instantes que você sorria
Chamou-me atenção o modo que olhava naquela direção
Fiquei intrigado o que seria?
Me assustei quando vi que aquele era meu coração

Então corri e tentei calar aquele estranho sentimento
Maroto o vento ri de sua própria estripulia
Menino acredite em você faça feliz o seu dia
Faça deste o melhor de todos os tempos

Então olhei envergonhado e parei de correr
Peguei meu coração e coloquei ali dentro
Bem dentro da letra desta canção
Onde a melodia seria meu chão o meu centro

Ficamos ali sentados então toques desejos e lembranças
E a noite mágica avança mesmo após amanhecer
Eu e você conquistamos ali muito mais
Ultrapassamos o tempo sob os sóis e mais lençóis
O mundo como vejo nunca irá passar para nós

Fiquem com Deus
E um fim de semana de muita luz

 Carlos Correa

Saiba mais…

Aquarela

E você se vê frente à imensidão dos mares
Não há cor sequer movimento
Um desenho rabiscado esperando as mãos do artista
O único brilho, eterno e magnífico advém das estrelas
Há quem as chame de fadas
Ou seriam fados?

Do colo do vento observa-se o caminhar da noite
Alguns tentam quase que desesperadamente
Colorir o mar e os rochedos
Acreditam que nos lápis de pontas finas
Que ao longo da vida conseguiram adquirir
Farão nascer a mais bela pintura

Mas vêm as ondas e
Com extrema facilidade apagam a tela
E levam embora as cores

E o vento me leva aqueles outros que preferem
Sentar-se à areia e apenas avistar o que desejam
Julgam não saber ou pior ainda
Não ter o direito de pintar
Aceitam o sofrimento e assim permanecem
Abraçados em suas dores
Confortados pelas mãos das lamentações

Se esquecem que a maior arma da infelicidade
É usar o tempo em favor dela própria
E não devemos nunca lhe conceder essa vantagem
Ter tempo de ser infeliz

Se por um lado temos sim que nos resignar
Sem choros e lamúrias
Pelas facas que giram e nos apontam suas ameaças
Por outro as estrelas nos mostram
Que nos foi dada a dádiva da inteligência
Resignar-se não rima com desistência

Mas se os lápis são apenas ingenuidade
E ficar sentados nos torna covardes
O que fazer então?

Ora, se deseja colorir o rabiscado
Misture-se a ele
Levante-se e caminhe em direção ao mar
Através de suas atitudes você dará vida às cores
A cada passo, a cada braçada de fé e determinação
Surgirá o som das ondas ao seu redor
E veremos um mundo bem melhor

Peça desculpas, perdoe... mesmo que seja difícil
Use a vantagem do tempo em favor do amor
Não percebe?
Você é o próprio lápis de cor

E eu digo isso com lágrimas nos olhos
Mas gotas de agradecimento e alegria
Por um passado que dobra o tempo
E me revela o futuro através do presente

E assim acredito
E assim devemos acreditar
E assim devemos utilizar nosso tempo
Aprendendo a amar-nos uns aos outros
Acreditando e confiando
Que a única maneira de tornar
O desenho colorido
É sendo a própria aquarela.

Deus nos abençoe

Carlos Correa

Saiba mais…

Em flor

Olha só você agora já não lhe cabem mais
Os laços de fita e borboletas
Já não lhe servem mais
As pequenas rodas enfeitadas da bicicleta

Aquele pequeno quadro de céu
Hoje com suas estrelas desbotadas
Substituído num êxtase encontro da madrugada
Sorri saudoso ao boné virado que se veste de véu

Não importa o que aconteça
Perdoe-me pelas palavras infundadas
Frutos amargos do que passei nesta estrada
Pensamentos azedos que romperam minha cabeça

Ei tem algo que eu preciso lhe dizer
Se em alguma hora seus olhos forem abafados pela dor
Não se esqueça que estarei aqui e ali para lhe proteger
Lembre-se que em minhas mãos haverá sempre uma flor

Então vá vá logo vá correndo
Preste atenção no que seu coração está dizendo
Não permita que o futuro se torne passado
Sem que no presente você tenha vivido sentido e amado

E não precisa olhar para trás
Porque estarei em seus ouvidos como cantiga
Sempre soube um dia abriria suas asas
Meu coração está com você minha irmã minha amiga

Vá voe ao lado de seu sonho
Cruze montanhas sinta o carinho do mar
Só não se esqueça de que nasceu para amar
Você é o verso mais doce da canção que componho

E ainda sem encontrar uma forma de dizer
Procuro o vento e a ele reclamo
Que você nunca deixe de saber
O quanto minha irmã eu te amo

(Para minha irmã aquela que nunca tive mas que sempre viveu em meu coração)

Carlos Correa

Saiba mais…

E por falar em amor

Pessoas se perdem por entre palavras e sentimentos
Acreditam que momentos mágicos serão apenas momentos
Pois com toda a certeza que o vento pode me trazer
Eu lhes afirmo que a magia quando fruto dos elementos
Segue o caminho na direção do infinito e nunca nunca lamenta

Brisas e tempestades já me ensinaram que as estações que se foram
Retornam no ciclo seguinte disfarçadas de folhas flores ou trens
Mas ainda assim não conseguimos olhar além das estrelas
E perceber que foram-se as sombras mas fica sempre a luz

E por entre lágrimas cacos
Saltos partidos e gravatas em nós desfeitos
Ainda se acredita que o amor escorre por becos úmidos
Como se fosse um sentimento descartável egoísta e fraco

E você olha por sobre seu próprio ombro
E percebe que seu coração bate além do limite
Que lágrimas e sorrisos criaram pouco a pouco uma fortaleza
E descobre que o coração que ama não se parte

Paixões seguem aquelas estações
Retornam em trens simples ou trovões
Passam levantando as folhas rabiscadas de batom
Promessas que se foram e disseram adeus

Mas o amor enquanto não mais um vulcão
Mas trazendo a eternidade das ondas do mar
Acariciando e protegendo a costa
Compreendendo suas fraquezas e retirando da areia
Tudo que poderia esconder sua beleza
Permanece vivo por entre dimensões
Este não acaba não morre não termina

Digam o que quiser
Que se foi a paixão
Que a carne tornou-se insípida
Ou até mesmo acre para seu paladar
Mas não digam em momento algum
Que o amor passou

Pessoas se perdem por entre palavras e sentimentos
Cometem erros instantes de fraqueza e egoísmo
Acreditam que os momentos mágicos se foram
Pois com toda a certeza que o vento pode me trazer
Eu lhes afirmo que a magia quando fruto dos elementos
Segue o caminho na direção do infinito e nunca nunca lamenta

Descobre que o amor nunca se renderá às sombras
Que sobreviverá por ser parte de algo muito maior
Assim disseram as estrelas
Assim diz meu próprio coração
O amor nunca morre para aqueles que já estiveram lá
Fiquem com Deus

 

Carlos Correa

Saiba mais…

Recomeçar

Não importa que você não lembre
Admiro essa sua particular capacidade
Estivemos próximos desde sempre
E desde lá conseguiu se erguer na adversidade

Então resolvi te trazer suas próprias orações
Porque me guiaram quando fraquejei na dor
E sei o significado intenso dessas canções
Quando reacenderam nos olhos esse antigo calor

Não preciso lhe dizer sobre o que é esperança
Muito menos da importância de acreditar
Vim aqui só para te lembrar de olhar o mar
Daquele mesmo jeito que o fazia quando criança

Quando corria e desafiava o vento
Quando o gosto salgado vinha das ondas
E não das lágrimas escapando do pensamento
Vai não tente disfarçar sei que sabe não esconda

Definitivamente não te falarei sobre confiança
Foi você que me trouxe à esperança
Então é claro e muito certo que irá se levantar
Enquanto isso ficarei por aqui gosto da música
... E a ouviremos quantas vezes for preciso recomeçar

Fiquem com Deus

https://www.youtube.com/watch?v=dxpeQTUBTeQ

Carlos Correa

Saiba mais…

Um lugar chamado solidão

https://www.youtube.com/watch?v=uYoT8U9dbz0

 

Há momentos em que qualquer um
Que já tenha estado naquele lugar sombrio
Aquele chamado por alguns de solidão
Simplesmente para e pensa

Eu não consigo mais
Não consigo mais levar as madrugadas
Ainda que tão minhas
Não consigo mais levá-las sobre meus ombros

Não encontro o caminho de volta ao dia
Nem sei ao certo se quero mais
Eu acho que isso será talvez para sempre
Aí chega esse Poeta chamado Oswaldo
Vem dizendo que sempre não é todo dia

Esta tal de solidão é tão contraditória
Que ela mesma não consegue permanecer sozinha
Tenta ser a guia por entre copos e pílulas
De seus parceiros e parceiras em mil esquinas molhadas

Então sem perda de tempo
Agora estamos convencidos
Minha dor será para sempre
Afinal é tarde para mudar

Mas e se a gente der uma chance
Uma oportunidade às palavras do Poeta

Escolhemos um dia
Uma trégua mesmo que forçada
Após pedir licença ao espelho
Só hoje eu não vou sofrer

Hoje só hoje eu vou dar um sorriso
Um beijo no rosto de quem me irrita
Ouvir uma música diferente
Um caminho outro qualquer para o trabalho

Vou colocar os pés na areia
Molhar as barras da calça
Fazer qualquer coisa que seja engraçada
Vou fazer uma Oração minha ainda que descontraída

Amanhã eu voltarei a sofrer
E a cada mês eu aumento um dia
Mas se esforce
Afinal esse será seu dia

Sabe a solidão é um lugar escuro
Uma rua abandonada e você tem as lâmpadas
Só você apenas você sabe o caminho
E ninguém mais poderá ir até lá

Mesmo que mil e uma vozes tentem
Só você pode ir até lá
E transformar esse lugar chamado solidão
Em um lugar de luz a luz que ilumina o seu dia

Então sorria
Mesmo que seja por apenas um dia de cada vez
Olhem!!!
Amanheceu...

Fiquem com Deus

Saiba mais…

Recontando estrelas

 

https://www.youtube.com/watch?v=aI6_9D2iRx4

Eu costumava contar as estrelas
Cantar às Estrelas
Eu costumava ouvir suas gargalhadas
Hoje sei que riam docemente de meu desafino
Talvez de meu desatino

Eu costumava acreditar
Tinha a certeza de que faria o certo
Eu costumava encontrar nas canções
Todas as sementes que seriam necessárias
Eu costumava molhar minhas mãos
E do mar vinham todas as respostas

Então eu sentei e observei

Eu costuma sorrir
Corria e brincava
Eu sonhava e por mais absurdo fosse o sonho
Ele vivia dentro de mim
No meu coração ele era real

Mas o mar foi embora
E me vi perdido sem suas respostas
Me encontrei acuado sem sua presença
E adormeci

Ao acordar sequer tinha perguntas
Só a certeza de que foi minha culpa
E esqueci que um dia ele esteve ali
O único navio que por ali navegava
Com ele se foi o único navio que eu amava
Que eu amei

Então eu sentei e observei
Eu esperava que dali
Onde a terra seca se encontrava
Com o tom azulado do que sentia
Talvez quem sabe ele retornasse

Sentei e observei
Na profundeza da noite
Eu tentei reaprender a recontar as estrelas
Cantar às Estrelas e chorei
Chorei tanto que minhas lágrimas salgadas
Atraíram de volta o mar
Mas tive que levantar
Levantar e Caminhar

E o coração acelerado desafinado e desatinado
Chorava de ansiedade
Acreditava novamente que do mar teria as respostas
Que do mar viria o perdão

 Não! emoção maior não existiria
Quando pude ver ao longe
Quando voltava no caminho traçado pelo luar
O Navio que não sabia mais por onde estava
O único que amava o único que amei

E ainda posso lembrar como agora
Éramos apenas dois navios
Lado a lado
Navegando juntos novamente
Nas mais longas distâncias

Eu sonho e por mais absurdo seja o sonho
Ele vive dentro de mim
No meu coração ele é real
Porque nunca vou esquecer
Que eu costumava acreditar
Que eu costumava contar as estrelas

Fiquem com Deus
Confiem

Deus nos abençoe

Carlos Correa

Saiba mais…

Das estrelas da noite

Num olhar entorpecido contemplo
O imenso gramado escuro
Onde cintilam sonhos
Encantamentos disfarçados de
Estrelas oferecendo-se em confiança

Imensa planície no espelho da terra
Constelações de desejos que emanam
De prantos e magias proferidas
Em varinhas, carícias, letras ou sussurros
Alguns chamam de poesia

E sem medo recolhemos com a delicadeza
Que só um coração pode expressar
Um ou outro brilho batizado de anseio
E os ofertamos à mente que o adota
Em canção chamada propósito

Mas não há certeza
E quantas vezes percebemos
A luz se apagar no breve toque
Da atmosfera redesenhada em realidade

Não é simples a tarefa de fazer florescer
No solo de nossa verdade
Os sonhos que fulguram
Tão perfeitos no imenso gramado
Das estrelas da noite

Mas eu insisto na loucura
De acreditar que eu posso sim
Ter em minhas mãos o mesmo brilho
Que eu vislumbro olhando ao alto

E que os céticos me perdoem
Mas eu julgo que posso mudar o mundo
Com minhas palavras mesmo que em silêncio
Mudar o meu mundo e o dos que me rodeiam

E se cada um mantiver aceso
O próprio brilho escolhido em sua mão
Quem sabe amanhã
Olhar ao lado será o mesmo

Que contemplar o imenso gramado escuro
Onde cada sonho chamado estrela
Agora rodopia em chamas de paixão
Vivos e iluminados em cada coração

 

Deus nos abençoe

Carlos Correa

Saiba mais…
CPP