BRUMADINHO E MARIANA, ATÉ QUANDO?

 

3833051845?profile=RESIZE_710x

BRUMADINHO E MARIANA, ATÉ QUANDO?

Mais um crime ambiental
Pessoas, casas, objetos e animais
Será que passará a ser normal
Esses desastres em Minas Gerais?.

Há mais de três anos em Mariana
O rompimento da barragem de Fundão
Mais uma tragédia, submersa na lama
Em Brumadinho, no Córrego do Feijão

Quantos ainda terão que morrer?
E o homem continue a enriquecer?
São cruéis, vivem de atrocidades
Basta de tanta irresponsabilidade

O que realmente é importante?
O que para alguns é o bastante?
O que pra eles é uma vida perdida?
Apenas o luto, e a dor de quem fica.

Senhor por favor, sara a Tua nação
O homem insano, age sem noção
Sem uma boa liderança e pulso forte
Estaremos entregues a própria sorte

Sandra Leone

P.S.: Há um ano, nesta mesma data, acontecia a tragédia de Brumadinho.

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Sandra Leone

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores

    Infelizmente, tragédias como essa continuarão a contecer porque vivemos em um país onde o dinheiro vale mais do que a vida humana.

  • Teu texto é forte e nos convida a reflexão sobre a questão ambiental

    Quanta tristeza ....

    Quantas vidas se perdendo pela ganância e inconsequência de muitos 

    Meus parabéns

    Grata pela visita em minha página

    Abraços

  • Gestores Adm

    Enqunto a lei não exigir ressarcimentos às vitimas com peso de ouro e com urgência, essas tragédias vão continuar acontecendo. Enquanto houver subornos nas inspeções que são medidas para se evitar uma tragégia dessas, esse crimes continuarão acotecendo.

    Aplausos, poetisa.

  • Uau! Estimada poetisa, um lindo texto/poético/protesto/alerta! Amei! Deus abençoe e proteja a todos nós. 

  • Cara Sandra Leone, a verdade é que tristes acontecimentos como a tragédia de Brumadinho estarão sempre nos rondando e acredito que sempre acontecerão... isso porque está na raiz do nosso povo ser por demais indulgente, ser pouco exigente com o que é certo e errado, acreditar que cabe aos outros responder por nossos problemas. Sim, é verdade mesmo que temos governantes ruins, inaptos, displicentes, corruptos, desonestos mas... temos de lembrar que foi a nossa sociedade quem os criou, quem os colocou na posição de governo através do voto e, pior de tudo, é a nossa sociedade que age em conivência na medida em que não os cobra de maneira mais incisiva de seus mal feitos e desmandos... Empresas gigantes como a Vale do Rio Doce, são sim um patrimônio do nosso país na medida que geram muitos empregos e movimentam a nossa economia, garantindo a sobrevivência de milhares de famílias mas, este fato não pode ser usado como pano para encobrir as suas responsabilidades sobre os acidentes ocorridos e, cabe a justiça fazer como que isto realmente não aconteça. Quiçá um dia este povo acorde e olhe para o seu próprio umbigo, sinta que precisa ser mais presente, mais atento, mais responsável pelo seu voto, mais cobrador de seus governantes e juízes... só neste dia poderemos ter uma esperança que tais fatos tristes não se repitam.
    Peço desculpas pelo texto longo, e parabéns pelo poema crítico... me alinho aos teus versos na indignação pelo ocorrido e pela falta de presteza de nossa justiça em cobrar os responsáveis.
    Beijos, Marcos.

  • Lindo clamor de ajuste ambiental, Sandra Leone!

  • Estimada Sandra.

    O sofrimento não é somente daqueles que morreram e seus familiares e amigos.

    A catarse é para todos, os de Brumadinho, de Minas e do Brasil.

    Está tragédia vai além das fronteiras conhecidas.... O Mundo ficou de luto...

    Parabéns por seu consciente texto onde apontas os desmandos e a crueldade humana... Ganância, riqueza, descasos.

    Abraços.

    Antonio

    • Obrigada Antonio

  • Gestores

    Infelizmente o luto persistirá por muitos e muitos anos e nada será feito. 

    Excelente texto Sandra!

    DESTACADO! 

    • Grata querida. Abracos.

This reply was deleted.
CPP