Na janela

 

 

8161072254?profile=RESIZE_400x

 

A senhora na janela tem a pele branca que destoa de todo o mobiliário antigo do salão, parece uma personagem saída de um filme noir dos anos quarenta.

Sua  sombra se estende no carpete como se quisesse se libertar. 

Tem sete meses que ela vê o mundo por sua janela ouvindo lamentos das perdas através das paredes.

 Às vezes se sente aprisionada como uma matrioska aquelas bonecas russas onde uma, esconde dentro da outra. Olha a praça vendo os contornos do salgueiro inclinando-se sobre a água de uma pequena fonte lembrando uma linda pintura pontilhista.

Ao longo da rua as sibipirunas enfileiradas parecem uma procissão de flores amarelas.

O céu de um azul luminoso tem pequenas nuvens brancas que logo somem dando a impressão que de repente um aspirador de pó passou e fez a limpeza matinal. A cidade desperta aos poucos: a rua estaria vazia se não fossem os gatos-pingados que passeiam com seus cachorros e o dono da delicatéssen que abre um fardo de jornal.

 Alguém toca um fado antigo que corta sua carne, deixando uma cicatriz de nostalgia jamais satisfeita quase uma ferida à espera que

alguém venha para abrir as portas como se fosse afastar uma pedra de uma sepultura.

Uma sirene passa, uivando aflita invadindo a luz vermelha do semáforo que parece com o olho de uma criatura malévola.

Tudo é uma fúria de cores, um tumulto de sons amenizado pela chuva que chega com seus fios lavanda e prata com o vento farfalhando as cortinas ali dentro.

Ela, com seu encantador descontentamento de harém, seus véus de infortúnios e olhos brilhando ironicamente, fecha a janela e volta a sentir-se uma matrioska.  

 

Marcia Portella_Go

07/11/2020 

 

http://www.pinterest.com/marciaportella4/

 

 

-

 

 

 

  
Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores

    Um belo texto. Os detalhes impressionam. Sente-se o aprisionar da personagem.

  • O que uma pandemia faz com a sociedade. Você conseguiu traduzir poeticamente a triste situação do confinamento social que na prática, é prejudicial. Com as devidas cautelas, devemos sair ao ar livre, sim. Beijos.

  • Gestores

    Lendo-te em um gênero/estilo diferente. Gostei da história.

    Parabéns pelo escrito.

     

    • Edith,grata por estar presente.

      Que sua semana seja de paz.

      Abraço

  • Brilhante texto. 

    ""Sua  sombra se estende no carpete como se quisesse se libertar.""" Lindíssimo verso assim como toda a prosa

    Parabéns amiga Poetisa Marcia Portella

    Abraços poéticos de Antonio

    • Antonio,grata por ser gentil e estar sempre presente.Abraço

This reply was deleted.
CPP