Inspirações

NADA

De repente sou a ponte

Onde o rio se deita

E solícito escorre

 

De repente sou a margem

Que delineia o córrego

E o líquido esbarra e some

 

De repente sou a praia

Perfeita de espumas

E a maré consome

 

De repente sou a pedra

Que esbarra as ondas

E desvia os ventos

 

De repente não sou nada

Nem ponte nem margem nem praia nem pedra

Sou apenas fonte onde a agua medra

 

PSRosseto

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Paulo Sérgio Rosseto

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.
CPP