RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
As tuas mãos desenham coisas tão bonitasLinhas infinitas que se completam em cada pontoQue me põem tonto admirando as habilidadesDa tua preciosa e discretamente arte Olhando os teus rabiscos sinto sedeSonhando teus riscados tenho medoVelando os teus…
Fev 1
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
No pequeno alpendre, a mesa e seis cadeirasUns bancos malfeitos com restos das madeirasReaproveitadas das destocas do terreiro.Sobre a mesa maçãs, folhas, flores e jarrosDesenhados na toalha plástica cheia de poeira.Lembro ainda dos palitos queimado…
Jan 31
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
De seu coração tudo espero- Desde a sublime paciênciaEm compreender minha esperaAté mesmo a complacênciaPor entender o desesperoCuja tormenta me desespereCaso a saudade conflite, admoeste, debiliteE atormente esta alma aflitaRepleta de bem querência…
Jan 30
Paulo Sérgio Rosseto atualizou o perfil
Jan 29
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Essa ideia íntimaResiliente colada a tiQue gemina quânticaAinda que aos olhos vãosTraduz-te santa e pérfidaMesmo aos pudicos apiedadosEntendes putíferaPropositalmente lisa e lúcidaParalisada à sílaba diásporaDe uma legião convictaDe débeis alucinado…
Jan 29
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jan 24
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jan 21
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
 Ela gosta dos acordes menoresTão mínimos quanto os apelosQue adormecem por entre as teclasDe um brando piano alvo recém-aberto Ritma pelos suaves dedos dos artistasQue brilham humildes em sandicesUsando ágeis frases nos trastes das violasAbalroadas…
28 de Dez de 2018
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Esse amargo embaraço que turva as vistasExalta aflita falta de carinho e abandonoNoda de reminiscências ocas imprevistasCalma adormecida pelo desleixo do sonoManchas de carvão nas vestes da almaQue podam e apontam o contorno do corpoDesmancham a ind…
20 de Dez de 2018
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Sou um mercador de sementes Não somente um semeador ou reles sementeiro.Sou eu a verdadeira pureza Que deteriora o fruto, arrebata o bago Estala a vagem, decompõe a polpa Resseca o talo, carcome a carne E oferece aos homens, ventos e pássaros As ch…
19 de Dez de 2018
Paulo Sérgio Rosseto e Marcia Aparecida Mancebo agora são amigos
3 de Nov de 2018

Meu Blog

GAIOLAS

No pequeno alpendre, a mesa e seis cadeiras
Uns bancos malfeitos com restos das madeiras
Reaproveitadas das destocas do terreiro.
Sobre a mesa maçãs, folhas, flores e jarros
Desenhados na toalha plástica cheia de…

Saiba mais…

ESPERA

De seu coração tudo espero
- Desde a sublime paciência
Em compreender minha espera
Até mesmo a complacência
Por entender o desespero
Cuja tormenta me desespere
Caso a saudade conflite, admoeste, debilite
E…

Saiba mais…

AUDIÊNCIA PÚBLICA

Essa ideia íntima
Resiliente colada a ti
Que gemina quântica
Ainda que aos olhos vãos
Traduz-te santa e pérfida
Mesmo aos pudicos apiedados

Entendes putífera
Propositalmente lisa e lúcida
Paralisada à…

Saiba mais…

NO LADO OCULTO DA LUA

Deus agora está morando
No lado oculto da lua
Aonde no princípio descansou
Após a criação do firmamento
Onde guardou as armas peculiares
Usadas na composição do universo:
O verbo,…

Saiba mais…

COMUNHÃO

Do pão que reparti
Também comi
Servi a ti e aos teus irmãos
Alimentou-nos
Aclarou a calma
Unificou, reuniu, purificou e afiançou a fé

Por menos que se creia na perfeição da alma
A força que fala ampara…

Saiba mais…

OS DIAS VIVIDOS

Quando puder reconte os dias vividos
Refaça o tempo de frente para trás
Regresse, regrida, reverta, retorne, retome
Tente voltar
Passe novamente cantando por onde precisaste ir
Com outros olhos onde foi desnecessário…

Saiba mais…

O TEMPO EXPIRA

Fecha a cortina para diminuir o sol
Retrair a luz
Tornar opaca a mera visão do dia

Cochila recostada à cadeira
Cerra os olhos
O instante congela quando fecha a janela

A nuvem densa esconde a lua
Depois…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Bem-vindo

  • Obrigado a todos pela acolhida!

  • Adm

    Boa noite. Seja bem vindo a Casa dos Poetas e da Poesia.

    Para postar basta clicar na palavra Publicações no menu acima. Do lado direito de sua tela aparecerá a frase, Adicionar um post ao blog, basta clicar e, apartir daí tudo é intuitivo.

    Desejamos que te sintas bem neste espaço de poetas.

  • Adm

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldravias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


Minhas fotos

Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 870

Minhas Discussões

Autor em tela

CPP