RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
ontem
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
As boas palavras aclaram ideiasExaltam sorrideiros pensamentosBranqueiam o alvejado esmalteEnquanto mordem a carne dos lábiosEmolduram os dentes Refinam o hálito prazerosamenteMastigam, deglutem, engolem, ruminamCospem ou vomitam toda verborreia exc…
ontem
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Estamos todos à procura da hora certaInventando estranhos costumes para usa-laE nunca a achamos, mesmo estando despertosEm constante sentinela Dizem que há esse momento exatoDe ventura ou de absoluto azarDe aguardar o fruto ser maduroDe ignorar ouvi…
Quinta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Um fim de tarde acontece todo diaMas nunca se dá sozinho e sem alarde.Mesmo após o sol ter ido de país em paísDeixa ainda costurado no tecido do céuPor bons momentos o seu prurido. Há sempre uma ultima nuvem ardendoBrandamente vermelha e até entedia…
Terça-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Ensinei minhas mãos teimosas a pouco se veremÀs vezes encontram-se, revezamCondecoram, aplaudem, e retomam seus lados As minhas mãos pouco sabem uma da outraAinda mais quando advertem, apontam, condenamCumprimentam, auxiliam ou dão adeus– Aprenderam…
Dez 8
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Dez 5
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Trago eu a ousadiaDe olhar mil vezes ao diaOs verdes olhos do marDe apegar-me a maresiaQue salga o aroma nos lábiosComo se pudesse explorarEntre os ventos arteirosOs encantos do teu olharA distância dos teus naviosNos rastos do teu andar Então levo…
Dez 3
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Nov 30
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Desconfio ter um jardim muito vulnerávelÀs vezes tem medo de mimAcredita que posso a qualquer momentoPodar uma roseiraFurtar-lhe uma florE isso seria uma grande perdaPois entende que todas as suas aveludadas pétalas sãoInsignesImprescindíveisInsubst…
Nov 30
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Nov 27
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
O que digo que digoSão máximas ditas para que reflitasE se acreditas também a outros repitas Mas se não dizes e omites refletirComo posso mais eu convencer-teDe que o que te é explícito ao ouvir-meDeixa de estar nítido e implícitoE deverá servir-te…
Nov 25
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Nov 24
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Nov 23
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Tenho guardados em estojosAlguns caminhos já percorridosDeixo-os dobrados, organizadosDentro de envelopes recolhidosE quando os quero refaze-losDesdobro-os e volto a seguirPelos mesmos itinerários A cada reinicio de caminhadaPercebo tacitamenteComo…
Nov 20
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
BENGALINHAMinha bengalinhaInjuria e às vezes saiCorrendo sozinha DISTANTEMetade de mimFalta-me por inteiraSe você não vem SEM CONTEXTONão ler teu risoSeria estar ensimesmadoFora de um livro AUSTERAO espetáculoJamais tira o brilho da rosa.Ela é quem…
Nov 17
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
OLHOS Olhos pelo mar- Nas profundezas ou à florÓleos por todo lugar!    SOBRIEDADE Desejo poesiasSobre espectros de palavrasRaptadas de alegrias    DEMÔNIO Um câncer me consome.Pelo rabo e pelo cascoDefeca-me o que come.    ÁREA COMUM Na zona rural…
Nov 7
Mais…

Meu Blog

SEDE

Na hora da sede intensa

O líquido que se desmancha em porção necessária

Anda pelo interno do copo aparentemente lerdo e lento

Por demais devagar e manso abrasa estar cheio

Tanto que a língua cansa dessa espera e ainda mais…

Saiba mais…

INQUIETO

Na areia da praia olhando essas ondas

Disciplinadas que vem e se perdem

Não se ocupam de outro afazer

Senão sucederem-se intermináveis

Independente das marés

Somente cumprem vontades dos ventos

Ou então de seus…

Saiba mais…

TEIMOSAS

Ensinei minhas mãos teimosas a pouco se verem

Às vezes encontram-se, revezam

Condecoram, aplaudem, e retomam seus lados

 

As minhas mãos pouco sabem uma da outra

Ainda mais quando advertem, apontam,…

Saiba mais…

ABNEGADO

Confesso-te que estou aquém das tuas dúvidas

Porem muito além dos teus pesares

Se desconheço as respostas que me pedes

Há tempo sarei dos males que padeces agora

E ainda que não pareça que me aflige o que…

Saiba mais…

NAVEGANTE

Trago eu a ousadia

De olhar mil vezes ao dia

Os verdes olhos do mar

De apegar-me a maresia

Que salga o aroma nos lábios

Como se pudesse explorar

Entre os ventos arteiros

Os encantos do teu olhar

A…

Saiba mais…

DIABRURINHAS

Passemos incólumes pelas diabrurinhas do tempo

Assim evitaremos que o mundo sofra

E se desgaste e dobre inútil por nossas sobras

 

Não é justo que as agruras derrubem nossos laços

Que o bagaço da impiedade sobrepunha…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldravias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


Autor em tela

CPP