RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Há 1 hora
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
ontem
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Sábado
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Sexta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Quinta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Quarta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Abr 16
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
A pele aqueceA mão suaA boca secaA língua umedeceA garganta tosse mas não bastaPorque o calor brotaAflora dos poros dos pelosDas ideias que indecentesExploram explodem reviram e descemPela porta e janelas fechadasOnde se tem a impressão e aparênciaD…
Abr 15
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Abr 14
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Um ultimo gole me persegueNo copo transparente das intençõesQue arfam e ardem no peito de tequila Melhor dormir antes que a tarde findeSenão endoida a palavraE nada mais me controlaPendurado naquilo que desejoE que me falta e falha Uma eternidade pr…
Abr 13
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Então agora sou mestre!No entanto impressão que tragoÉ a de que nada tenho e quão pouco deiDe mim, pois poderia ter feito maisDessas jornadas intensas por onde fuiCruzando de sul a norte pelo ocidenteAs primorosas estradas por onde andeiSeguindo ord…
Abr 11
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Raramente sei quando durmoPor onde ando.Às vezes lembro os sonhosDevem ser indíciosDas fugas que cometoQuando acordo e venhoDe qualquer outro espaçoOu diferente mundo Então me fico perguntandoPor que ter idoPara lugar tão estranhoA ponto de ver perd…
Abr 10
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Abr 10
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Abr 8
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Abr 7
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Meu menino aduaneiroMistura de propósito as conversasE eu avô experienteMais propenso a ser criançaSem noção fazemos o dia Ferver às avessasServimo-nos das mesmas travessasO alimento que permeiaEspremer-se pelo leitoAlimenta nossa vida travessaE a h…
Abr 6
Mais…

Meu Blog

JURAS, SONHOS E SAUDADES

Deita comigo enquanto há desejo
Os meses passarão junto aos dias de maio
E logo a libido acaba
Tudo se tornará relativo
Pouco adiantará se houver oportunidades
Nada significará ainda que exista
Depois um resto de…

Saiba mais…

VIVA A LIBERDADE

Quando te aparento ridícula

Mal sabes tu que não regresso

Vivo das gerações que se sucedem em seus ciclos

Construindo meu progresso.

 

Sou macro, muito além da pequenez dos insensatos.

 

Vivo da…

Saiba mais…

ATABALHOADO

Perco você como quem se atrapalha nos vagões do metrô

Em plena metrópole

Perco você como quem se embrenha no cerne oculto

Da mata espessa escura

Perco você como quem desaparece repentinamente

No meio da…

Saiba mais…

NEGLIGENCIADOS

Como se faz com os segredos

Quando já está evidente

Que se não cuidar explodem

 

A mente é esse disfarce que pode

De repente causar prazeres

Mas vive das evidências no medo

 

Vivemos…

Saiba mais…

COMO FICO EU

Diariamente por dois momentos

O dia torna-se loiro alaranjado:

De manhãzinha quando o sol arde

E à tarde quando resolve cair

 

O firmamento colore-se assim

Em santo louvor a quem o fez

E eu poeta…

Saiba mais…

STREET VIEWS

(Pesquisei pelo lugar onde nasci; a conhecida e gentil voz do Google Maps
pausadamente assim descreveu):

“ - Subir devagarinho a Nossa Senhora da Aparecida
Vai-se a casa sete nove cinco.
Existe muita história ali!…

Saiba mais…

COLARZINHO AZUL

Hoje fui à praia roubar

Alguns clarinhos de sol

Pra fazer um colarzinho azul

Pra ela usar

Pra ela usar

 

Também resolvi recolher

Umas conchinhas do mar

Pra enfeitar o colarzinho…

Saiba mais…

CRUEL

Tento fazer poemas

Com as armas que tenho.

Algumas ideias banais

Uns conceitos ligeiros

Antigas normas gramaticais

Quase adormecidas.

 

Fico olhando olhando

A pagina em branco na…

Saiba mais…

A ARTE DE SER AMIGO

Canto só

Onde ninguém possa

Me ouvir cantar.

Canto assim na solidão do meu canto

Somente porque gosto de toda canção

E eu mesmo de mim sou meu fã.

 

Penso se me ouço e amo meu som

Que me…

Saiba mais…

UM LADO DA RUA

A cidade essa noite ficou diferente

Apagaram-se as luzes, se acenderam as estrelas

E da varanda contando longínquos relâmpagos

Entre nuvens severas, pudemos vê-las

E enquanto as contávamos falamos das…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldravias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


Minhas fotos

Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 2910

Minhas Discussões

Autor em tela

CPP