RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
ontem
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
O que será mais intriganteMais densa e intensa e bonitaA vida a morte ou o mar? Diante do universo da vidaNos achamos imensosMas de tão bela e infinita por vezes tememos Perante os mistérios da morteNos vemos instigantesMas de tão indefesos e improv…
Sexta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Quando ouço o ventoZunir em uivo desmedidoIntempestiva palavra sibilanteCantas ao meu ouvidoSopras sentido e alento à vidaCompreendo que me tomas Sentir o ar na peleArfar o mesmo ar no peitoRespirar é pontual sentimentoDa intensa grata açãoDa certez…
Quinta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Pedi à lua queCaso ela viessePudesse vir transparenteDespida sem estar nuaDesnuda e ainda assim trajadaRevestida porém descalçaDelineada envolta em neblinaCom a luz de uma estrela branca Que chegasse acalorada com sedeAveludada em fina névoa maciaEm…
Quarta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Terça-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Ago 8
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Ago 5
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Minha boca pede beijo e saborosamente beija Sem importar-se se o beijo sente a boca Porque às vezes o alvo do beijo são os teus olhos E por outras certezas a concha das orelhasTem momentos em que quer beijar-te as pernas Outras vezes teus pés por so…
Ago 5
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Ensina-me a não estar afoitoDiante da tua belezaPois quando te percebo me sinto trêmuloComo a bandeira que tremula ao ventoPresa ao próprio pênduloDe um único fio do teu cabelo Eu sou teu artífice e vérticeTu a hélice que impulsa além da bússolaQue…
Ago 2
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Ago 1
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jul 30
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Sim, meu país tem fome e cismaPor não comerMas jamais vergonha em não partilharTuas insanas farturas Mesmo assim não é tristeApenas talvez resistaE resistir às vezes é digno e direitoPor ser difícil entenderQuão indigno é o que se assisteDesse lamen…
Jul 20
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jul 20
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Algumas sílabas teimosasNão se deixam tornar poesiaInsistem em não rimarDestoam do bojo da ideiaFogem arredias da palavra onomatopoeseNão aceitam não estar entre pontos espaços e virgulas Há mesmo quem se feche para a fantasiaDeteste o incrível figu…
Jul 18
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jul 17
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jul 16
Mais…

Meu Blog

DESENHOS

Embora  raie  o  dia  nos  tons  da  íris

Por  vezes  não  enxergo

A  cor  maior  que  azuleja

O  matiz  do  firmamento

 

Claro  azul  do  jeans  nos  retratos  das  estrelas

Azul  ainda  verde  e…

Saiba mais…

UM ABRAÇO

Desejo a sombra da árvore

De uma copa que recolha meu cansaço

Abrigue meus silêncios

Sossegue e seque o suor dos meus braços

Refaça esse ser que morre e canta

E renasce em seu próprio canto

 

Nem…

Saiba mais…

MEIAS

Pedi à lua que

Caso ela viesse

Pudesse vir transparente

Despida sem estar nua

Desnuda e ainda assim trajada

Revestida porém descalça

Delineada envolta em neblina

Com a luz de uma estrela…

Saiba mais…

DOÇURA

Hoje me roubaste pelo braço
E eu apenas barco atracado
Já nem mais quase navio
Singrei outros mares
Em tua alva companhia

Enquanto na candura levavas-me
Pela rampa e pela fonte a passeio
Eu,…

Saiba mais…

CERTEZAS

Antes ainda dos primeiros raios
Enquanto nos monastérios rezam breviários
O solitário poeta compõe piedosas poesias

Enquanto a vida acorda e se movimenta
Freneticamente para o lazer ou trabalho
O atabalhoado…

Saiba mais…

ARDENTE

Após o chope
Olhos no chão
Os pés flutuam na solidão escura
Vontade de um banho quente

O corpo envolto pela toalha macia
Feito abraço no entorno da cintura
Há sede além do lábio e da mente
Da fervura do…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldravias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


Minhas fotos

Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 9166

Minhas Discussões

Autor em tela

CPP