RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Eu desarrumei a casa por completoTornei moveis obsoletas estacas e arquétiposTroquei tudo de lugarPulei todas as configurações do diaPara chegar à hora necessária de mudarDepois saí remontando os rastrosCaminhados entre cômodos e esqueletosReaprende…
Há 17 horas
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Apesar de ter saboreado muita coisa elementarPropalo unicamente o mínimo que me sustentePor isso tão ínfima a descrição de mim Sou aquela que nada apreende e pouco ensinaQue ensimesma banalidades e fúteis posiçõesQue torce e se prende por onde o ven…
Terça-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Eu me entristecia quando uns sentavam-se em tabuasOutros em poltrona estofadaSe nas elucubrações do artistaA emoção do risoA expectativa do riscoE admiração pelo atoSão únicas na comoção da plateia A lona do grande circoFoi aos poucos rasgandoOs pan…
Segunda-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Tanto vaguei pela beira do caisQue em minha veia corre agua salgadaA carne tornara-se restinga e areiaE os músculos raízes no lodaçal do mangue O coração petrificara com a menteOs poros vertem limbo e maresiaE os olhos já nem se importam maisSe aind…
Mar 29
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Senhor, nesse momento de incertezas vãsPiedade primeiro aos teus servos desoladosAbandonados pelos teus propalados pastores Estes, trancafiaram-se em suas mansões e paláciosIsolados nas catedrais, reclusos pelos mosteirosRetidos nos templos, escondi…
Mar 27
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Mar 24
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Há de vir a qualquer tempo e de qualquer lugarGrafado em letras garrafais ou mesmo entrelinhasAlgum pingo num i da consciência sincera e justa  Que releia todos os seres inclusive o homem Conforte no enlace da solidariedade cada criaturaAplaque se n…
Mar 19
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Há momento de rudez assim emborcadoUm copo liquidado sobre o mármore frioLiso corpo transparente e sem vértice e caboQue nós mesmos o deixamos quieto e vazio Nem jarro nem taça nem cálice ou xícaraApenas comum instrumento sem alçaQue as mãos o levam…
Mar 18
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Mar 13
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
O que deseja o ser senão a vidaCotidianaEm plenitude e soberana! Por isso o universo movimenta-seNo entorno do perfeitoRespeitando os limites e ciclos de cada espaço E tudo o que há disforme, saraCura senão pela mão do homemSob a luz do divino Melho…
Mar 10
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Eu me encanto quando ouçoTodo tipo de canto Há momentos no entantoQue simplesmente a voz embargaPor não saber ouvir ou não poder cantarOu se solta entorpecida no acalanto dos tons Talvez eu não me veja tão alegre cantarolandoNem esteja triste quando…
Mar 8
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Mar 7
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
A boca molha e clama ardentementePela outra bocaCobiça, profanaDeseja o absolutoDeclama o encanto, recita e cantaCala enquanto a outra falaFala de si quando a outra calaPasseia os lábios, ri da interlocutoraSonha com o beijo arteiro que a quer beija…
Mar 5
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Tua idade desconhece que a tens.Acha-te criança com olhos de mãe,Deita-te adulta certas horas por dia,Debela as tuas orelhas e menina te põeSempre que teus desejos Rechaçam e tua consciência folia,Rebobinando íntimas imagensDentro da tua retina.Assi…
Mar 4
Paulo Sérgio Rosseto commented on Paulo Sérgio Rosseto's blog post A SENSAÇÃO DE TOCAR ESTRELAS
"Obrigado Jennifer pela generosidade!
Bom dia
 "
Mar 3
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Estou tão desacostumado de olhar horizontesQue é como se estivesse desaprendendo de navegarNenhuma direção de vento me demoveNenhum balanço de embarcação me faz assustarNão sinto mais o salgado sabor dos respingosEstou sem rumo, vou para onde o barc…
Mar 2
Mais…

O CIRCO

Eu me entristecia quando uns sentavam-se em tabuas

Outros em poltrona estofada

Se nas elucubrações do artista

A emoção do riso

A expectativa do risco

E admiração pelo ato

São únicas na comoção da…

Saiba mais…

RESILIÊNCIA

Tanto vaguei pela beira do cais

Que em minha veia corre agua salgada

A carne tornara-se restinga e areia

E os músculos raízes no lodaçal do mangue

 

O coração petrificara com a mente

Os poros vertem limbo e…

Saiba mais…

CONTRIÇÃO

Senhor, nesse momento de incertezas vãs

Piedade primeiro aos teus servos desolados

Abandonados pelos teus propalados pastores

 

Estes, trancafiaram-se em suas mansões e palácios

Isolados nas catedrais, reclusos pelos…

Saiba mais…

ESCRITURAS

Há de vir a qualquer tempo e de qualquer lugar

Grafado em letras garrafais ou mesmo entrelinhas

Algum pingo num i da consciência sincera e justa  

Que releia todos os seres inclusive o homem

 

Conforte no enlace da…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldravias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Caso possua, deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


CPP