RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Ainda tem um pouco mais de hojeAntes que a manhã volte e amanheça São as artes das horas ocultasQue se mostram em partes Assim se torna mais precioso o que se apreciaIntenso e evidente seu claroMansa e macia essa espera arredia E ainda que soubesse…
Quinta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Do amor que te faloNão é o infinito e simEsse que descuidadoDesmancha-se num gritoDesmesurado de dorNão é o divino por não ser absolutoMas sim humano pois caso desvelaGera desengano onde não caiba estarNem abstrato nem concretoPor não ser secreto en…
Terça-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Passo por tantas portas durante o diaEntro e saio vou e venho nada me seguraDe um cômodo a outro buscando o futuro Penso que nada me surpreendePorem insatisfeito com a estruturaDesse indescritível labirintoReclamo tua ausênciaA essa troça que arde o…
Out 11
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Não gosto de fazer poemas que remetam à mortePorque detesto que os meus amigos lembrem-seQue um dia também poderão morrer Prefiro que cantem as melodias alegresE leiam sobre amores e saboreiem as dádivas da vida Instigo para que brindem as alegorias…
Out 10
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Toda vez que perco o horizonteCreio haver um mar a minha frenteTão longe de mim equidistanteComo as rosas de um jardimOu uma nuvem passanteQue se desmancha insanaPor entre respingos de lamaOu alvas fronhas de algodão São aguas verdes revoltasRemexid…
Out 8
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Out 7
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
A doçura da tua vozÉ feitiço colado em mimCanção que tanto desejoTempestade em minha veiaSuor denso da libidoVendaval de vermelha areiaRemoinho no desertoDo coração em devaneioEu sou destemido andarilhoIncerto andejo sem eiraSertanejo inseparávelDa…
Out 2
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Olhos vivos amendoados
Delicadamente redondos assombreados
Prontos para o brilho e para o choro
De repente para a lástima do instante
Encharcados de fina lágrima
Lacrimejados de enciumada doçura
De repente para o riso delirante
Quando os lábios esca…
Set 28
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Sou vizinho da praia sozinha Onde desenho de manhazinha Junto às desapegadas ondas Meu caminho de areia molhada Sentindo o vento inquieto sorrindo Ziguezaguear em paralelo Por entre as mechas do meu cabelo E os pés  mansamente lambidos Entre os lábi…
Set 27
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
A poesia perde o encantoQuando não há fantasiaVira roupa suja num cantoBrinquedo arrebentado de parquePlataforma de embarqueSabendo que ninguém vemLinhas sobre dormentes sem tremVento que não mais arejaFruto que não se deseja O encanto sem poesiaNão…
Set 25
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Set 23
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Set 20
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Evito as profundezasTenho medo dos maresMesmo assim toco meu barco Nele embarcadoSurfando estranhas águasVivo a vida à flor da pele Enquanto remo essa galéDesbravo meu mediterrâneoAinda que por rumo errôneo Mas o que é o certo senãoUm conceito mero…
Set 17
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
A moça quando meninaAcreditava que a pedra da marinaTodo dia emergiaE lhe vinha dizer bom diaE depois de secar-se ao solDourar seus musgos e arrefecerMergulhava de vez e se escondiaAté novo tempo acontecerEssa mulher conta agora à filhaQue a pedra d…
Set 16
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Este poema que ao acaso chegaDiante dos olhos teus Nada é senão mera espuma ilusória  Embarcada em falsa onda em movimento Espuma desnecessária que circundaOs cascos das embarcações aos gritosEspuma fictícia que explode da raiaQuando a agua lambe os…
Set 15
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Peço um abraçoE se concordar não disfarceAbrace O abraço pode ser o alvoroço do pecadoPorém inefável é a versão mais plural de DeusEle alcança dois corações em estado de graçaE os molda e zela como se a sorte os selasse Mas se houver ausênciaDeixa q…
Set 14
Mais…

Meu Blog

PROCURA

Passo por tantas portas durante o dia

Entro e saio vou e venho nada me segura

De um cômodo a outro buscando o futuro

 

Penso que nada me surpreende

Porem insatisfeito com a estrutura

Desse indescritível…

Saiba mais…

TEMPORAIS

Toda vez que perco o horizonte

Creio haver um mar a minha frente

Tão longe de mim equidistante

Como as rosas de um jardim

Ou uma nuvem passante

Que se desmancha insana

Por entre respingos de lama

Ou alvas…

Saiba mais…

TATEAR

Não se sabe se são os pensamentos

Que conduzem os dedos

Ou as mãos acostumadas sozinhas

Aos intensos dos carinhos caminheiras

 

Certo é que os tatos se desprendem

Despindo dos segredos

Por singelas ruas…

Saiba mais…

DESLUMBRE

Quando duas línguas se tocam

O mundo de quem deseja o beijo

Torna-se oração perfeita

 

Sabores ardem sedentos

Nesse encontro de saliva e espasmos

Extraindo dos lábios molhados

Aceites inaudíveis das vozes…

Saiba mais…

FURTIVO

Olhos vivos amendoados

Delicadamente redondos assombreados

Prontos para o brilho e para o choro

De repente para a lástima do instante

Encharcados de fina lágrima

Lacrimejados de enciumada doçura

De…

Saiba mais…

SOZINHA

Sou vizinho da praia sozinha
Onde desenho de manhazinha
Junto às desapegadas ondas
Meu caminho de areia molhada
Sentindo o vento inquieto sorrindo
Ziguezaguear em paralelo
Por entre as mechas do meu cabelo…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldravias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


Minhas fotos

Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 13112

Minhas Discussões

Autor em tela

CPP