RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Há 10 horas
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
ontem
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Não seria solidãoSimplesmente uma ausênciaDessas que a gente ganhaQuando se desmanchaAquilo que a gente sonha Na verdade é saudadeDessa que se instala e apossaDói e continua doendoArrasta-se por um tempo sem fimE permanece corroendo Nem dá tempo de…
Segunda-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Sábado
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jun 12
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Todas as palavras de benquerençaTraduziriam talvez pequena parteDo zelo que aprendi a dedicar-teDesde que convivemos Sigam os sonhos adianteComo tem seguido a sinaCumpra o sol o seu destinoReacendendo incontáveis dias Passaremos pela vida fortalecen…
Jun 12
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jun 11
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jun 9
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jun 6
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jun 4
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Quando ouvi os cães ladraremAcreditei que passaste solta na penumbraGanhando o vazio das solitárias ruas Também vaguei por essas mesmas viasAssim tentado a ir ao teu encontro Já não estavas láNem a tua voz nem teus olhos negros Vencemos as distância…
Jun 2
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jun 2
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Mai 31
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Mai 29
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Os meus olhos se deitamSobre tua leve belezaE dormem o sono daquele que se realizaVendo a neblina ondulando horizontesAo longeMuito longe inacessívelNo topo das serras e montes Assim distante todas as cercas somemNão existem divisasNem há limitesApe…
Mai 27
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Mai 27
Mais…

Meu Blog

PERDIDAMENTE

Viver cantando assim a toda gente

É delicadamente tatuar no peito

Todas as maneiras de ser romântico

Dividindo o amor intensamente

 

Entregar à flor o brilho de um sorriso

Recostar felicidade onde…

Saiba mais…

ESTROFES

A insistência em compor estrofes
Recolher palavras e dispor
Uma a uma em cada verso

Peneirar ideias
Externar sentimento
Desenhar emoção
Passa ligeira impressão
De que ainda haverá
Melhor poesia…

Saiba mais…

INFINDÁVEL

Minha caravela singra solta em seu mar.

Velas içadas fartam-se aos doces ventos

Passeiam destemidas em suas profundezas

Sentindo livre o suave sabor de navegar.

 

Quando cruéis noites de inverno…

Saiba mais…

DESCALÇA

Esse tapete da sala

Nessa casa tão vazia

Em que você pisa descalça

Chama suas verdades

E você entedia

 

O sofá por onde deita

A cama em que namora

Hoje vai estar sozinha

Pela vidraça…

Saiba mais…

SAUDADE

Não seria solidão

Simplesmente uma ausência

Dessas que a gente ganha

Quando se desmancha

Aquilo que a gente sonha

 

Na verdade é saudade

Dessa que se instala e apossa

Dói e continua…

Saiba mais…

DETALHES

Existem coisas que a ninguém jamais contei

Mínimas porções que parecem insignificantes

Que o tempo se encarregaria de guardar e resguardar

Em cantos mínimos da memoria

 

Mas a você digo com intensa…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldravias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


Minhas fotos

Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 5250

Minhas Discussões

Autor em tela

CPP