RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Ago 22
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jul 8
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
De repente privastes-me os lábiosAinda que estejas à minha frente É diferente ouvir tua vozSem vê-los pronunciar as palavrasEntender a gargalhadaSem poder contempla-los sorrirSentir que me querem e beijamE não olha-los franzir maliciosamente  Quando…
Jul 2
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Se eu pudesse voltava ser exploradorFaria novamente as minhas próprias trilhasPor entre matas fechadasNominando rios dimensionando lagosRecalculando estradas medindo caminhosViajando em sua companhiaE se você não fosse seguiria teimoso sozinhoPor…
Jul 1
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Certa feita adentrei um olharE lá dentro daqueles olhos dos quais nem lembro a corHavia um mar intenso aclarado e profundoTão grave como fosse um grito inconformado de escritor Caminhei devagar pelas bordas retinasAté redescobrir sob as pálpebrasO…
Jun 30
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Eu busco nas horas da tardePorque se finda tão rápido o diaE deixa em mim tanta melancoliaEnquanto arde o olhar no lusco-fusco Momentos quando a alma transcendeA linha já nem clara nem escuraTurva indecisa e atrevida misturaDe indecifráveis cores no…
Jun 30
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Jun 27
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Tenho certas vontadesQue ninguém acreditaria se as contasseTão inimagináveis que certamente surpreenderia Mas o que seriam os anseiosSenão se evidentes o viço para a imaginação fértilO alimento essencial da curiosidade alheia No entanto tudo deixa…
Jun 10
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Depois de extinta por completo a humanidade A miséria e a riqueza reconheceram suas verdades Que jamais houvera de ambas necessidade Que a necessidade extirpara pobres e fartos Agora que deixara de haver míseros e abastados Feneceram por terem…
Mai 15
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Mai 13
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Todas as vozes que te falam de mim nada dizemSe elogiam enganam-teMentem por enaltecer-meExageram quando aplaudemDetratam ao enobrecerPorque não sou nem resisto dentre padrõesQue costumas por normal ao ouvir conceber Sou a madrasta consciênciaEsta…
Abr 13
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
O mar a essa horaMais parece um lençol amarrotadoEstendido sobre imensa camaDepois que a lua espelhada deitou-se nuaBrincando libidinosa entre as pernas de quem amaEu velho timoneiro de um navio caladoQue tantas vezes deu-se aos prazeres delaHoje…
Abr 12
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Eu desarrumei a casa por completoTornei moveis obsoletas estacas e arquétiposTroquei tudo de lugarPulei todas as configurações do diaPara chegar à hora necessária de mudarDepois saí remontando os rastrosCaminhados entre cômodos e…
Abr 9
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Apesar de ter saboreado muita coisa elementarPropalo unicamente o mínimo que me sustentePor isso tão ínfima a descrição de mim Sou aquela que nada apreende e pouco ensinaQue ensimesma banalidades e fúteis posiçõesQue torce e se prende por onde o…
Abr 6
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Eu me entristecia quando uns sentavam-se em tabuasOutros em poltrona estofadaSe nas elucubrações do artistaA emoção do risoA expectativa do riscoE admiração pelo atoSão únicas na comoção da plateia A lona do grande circoFoi aos poucos rasgandoOs…
Abr 5
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Tanto vaguei pela beira do caisQue em minha veia corre agua salgadaA carne tornara-se restinga e areiaE os músculos raízes no lodaçal do mangue O coração petrificara com a menteOs poros vertem limbo e maresiaE os olhos já nem se importam maisSe…
Mar 29
Mais…

AJUSTES

Quanto mais longe pude ir

Foi o momento que pensei

Nas viagens oportunas da vida

Fui sem de nenhum lugar de partida

E por haver chegado e nem ter saído

Dei-me conta ter voltado

 

Sou nuvem densa que se…

Saiba mais…

MEUS ANTIGOS REIS

Meus antigos reis
Não traziam o sangue azul da realeza
Eram sábios como os meus pais
E inocentemente tolos como eu
Que em todos eles piamente acreditava

Os meus heróis de outrora
Traduziam suas mais incríveis…

Saiba mais…

ACOBERTO

Porque criastes nas artes a perfeição
E descansastes ao sétimo dia da criação
Achais que o mestre artista
Cujo acervo se ouse pleno e completo
Deve imprudentemente ceifado
E de uma plataforma outra acoberto…

Saiba mais…

MÁSCARAS

De repente privastes-me os lábios

Ainda que estejas à minha frente

 

É diferente ouvir tua voz

Sem vê-los pronunciar as palavras

Entender a gargalhada

Sem poder contempla-los sorrir

Sentir que me querem e…

Saiba mais…

JAMAIS AS ILUSÕES

Se eu pudesse voltava ser explorador

Faria novamente as minhas próprias trilhas

Por entre matas fechadas

Nominando rios dimensionando lagos

Recalculando estradas medindo caminhos

Viajando em sua companhia

E se…

Saiba mais…

LEITURA

Certa feita adentrei um olhar

E lá dentro daqueles olhos dos quais nem lembro a cor

Havia um mar intenso aclarado e profundo

Tão grave como fosse um grito inconformado de escritor

 

Caminhei devagar pelas bordas…

Saiba mais…

NAS HORAS DA TARDE

Eu busco nas horas da tarde

Porque se finda tão rápido o dia

E deixa em mim tanta melancolia

Enquanto arde o olhar no lusco-fusco

 

Momentos quando a alma transcende

A linha já nem clara nem escura

Turva…

Saiba mais…

PERDER-SE NO CEGO AMOR

O amor sempre acaba na hora incerta
Como botijão que seca no fazer do almoço
Como agua que falta em meio ao banho
Net que falha na transação do boleto
E Deus que ignora fazendo-se moco

Em resumo nada mais estranho eu…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldravias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Fique ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Caso possua, deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou de qualquer outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, um pequeno texto, que considere poético. Pode ser inspirado na hora. Não precisa que seja algo que tenha sido publicado. De certo modo: TODOS somos Poetas!

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 20843
Recebido:
9 de Fev de 2020
CPP