RESPINGOS


Certas histórias precisam ser contadas
Outras simplesmente vividas.
Trazemos um pouco da necessidade
De imitar algumas performances
E um percentual incrível de inventarmos
Os nossos próprios compêndios.
Há quem se acomode sob fantasias
Há quem daqui a pouco esquecerá
De incomodar-se com os esquecimentos.
Dirijo meus dias espaçosamente
Inspirado no protagonismo
Das coisas mais suaves, leves e simples
Afugentando furtivas contendas
Deificando as vultosas texturas
Que abrangem os desejos abundantes
Por onde somente a reflexão perpetua.
Aprendi assim a viver nos respingos
Dos fatos das novelas do cotidiano
Capítulo a capítulo, focado nas finalidades
No entanto longe, bem longe do fim.
Sou eu a maior propriedade destas escritas
O deserdado protagonista sem foco e fora da luz
Porem consciente de que tudo se torna necessário
Desde que de alguma maneira necessite.
Estendo democraticamente a mão
Para que tu me conduzas por estes labirintos
Sem calvário mas com o prazer da jornada
De juntos sermos robustos detentores
Das incontestes superações.
Tens as chamas da perseverança
Trago as garras da esperança.
Somos puros e valorosos irmãos.

O SAL DA TUA LÁGRIMA


A água pura
Quando da tua emoção desceu
Deixou rastros,
E verteu abundante
Entre cílios e poros
No entorno dos olhos teus

Mapeou o macio veludo do teu rosto
Acendeu a expressão casta da tua rosa
Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo
Encharcou com rubor tuas maçãs e brios
Fez brilhar ainda mais as tuas meninas
Marejou os rebeldes fios das tuas franjas
Renovou vontades em teu soluço
Até ver-se displicentemente acolhida
Pelas costas âmbars,  nos gestos parcos
Do enlace terno das nossas mãos
 
Tua anônima poesia, no entanto
Discreta e efêmera
Abrasou meus lábios
Ao me sentir no gosto azul
Entre o ósculo e a língua atônita
Ao provar do sal da tua lágrima
 
PSRosseto

Minhas Atividade

Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
A língua ávida passeia a cavalodestemida e solta. Lambeo pescoço em revista à bandeira;atrevida ergue a face onde o dorsocurva perplexo pelo próprio beiralsua confortável e certa trilha.Pátria-palavra nada frívolasúbita conjunção que exultao mais no…
Há 12 horas
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Bem feita terra à espera da chuva Apupos do arado depois da colheita Como quem espelhando louva De olhos cerrados a primavera Ouvindo os ventos harmoniosos Da era dos trópicos e hemisférios Brindando o solstício entre os mistérios Revelados nas forç…
Quinta-feira
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Eram frutos de uma busca indiscretaCorrigida pelo tempo abstrato.Não detinham essa plácida paciência.Cultuavam sim a perplexa vertigemDe quando checavam suas miragensCom meia dúzia de linhas levitadasDeclaradamente inibidas que por si só Astutas os…
Dez 2
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
 DIALOGUINHO- Bom dia.- Bom dia.- Como vai?- Vivo!- Qual a certeza de estar vivo?- Estar lendo este dialoguinho! PSRosseto
Nov 29
Paulo Sérgio Rosseto curtiu a foto de Paulo Sérgio Rosseto
Nov 28
Paulo Sérgio Rosseto posted a photo
Nov 28
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Na superfície virgo da terra Submundo do universo Meu coração te espera Anverso e vagabundo Desesperado de antevéspera Em qualquer buraco que seja De profundeza imensa ou rasa Instado a um esteio de casa; Na garganta dos questionamentos Nas cordas v…
Nov 25
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Quem imagina um verso e não o anotaPerde a essência de seu momentoAcontece comigo às vezes o absurdoEm passar a noite versejando soltoE após perder toda ideia remotaVer-se por ordem todo incompleto Assim são as chances que se busca e almejaPassam co…
Nov 23
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
uma incerta lua todo dia atira-se do semáforo entre avenida e rua vestida de alizarina travestida de heroína e anjosurge dentre os prédios e descalça perambula onde nenhum olhar alcança junto a poças de células vivas sobreviventes do asfalto em meio…
Nov 14
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Preciso alguns gomos para compor poncãsInserir sementes nos bagosEnvelopar delicadamente seus adocicados cristaisCostura-los então com cordões de cera e seda cítricaAcoplar tudo no hermético veludo interior das cascasPara que não se deteriorem e sup…
Nov 11
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Tem certas coisas no mundo que é bem melhor não saber Fatos que o tempo diz explicar, mas que prefere esconder Camufla no já moído peito da gente e se descobre faz doer Dói tanto que às vezes mata segredos do bem viver Ninguém procura verdades pelo…
Nov 6
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
PSRosseto
Nov 6
Paulo Sérgio Rosseto posted blog posts
Nov 5
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
A água pura Quando da tua emoção desceu Deixou rastros, E verteu abundante Entre cílios e poros No entorno dos olhos teus Mapeou o macio veludo do teu rosto Acendeu a expressão casta da tua rosa Riscou mansa a pele avelã em úmido apupo Encharcou…
Nov 4
Paulo Sérgio Rosseto agora é amigo de Angel, ZKFeliz, Marcia Aparecida Mancebo e mais 1
Adm
Nov 3
Paulo Sérgio Rosseto posted a blog post
Nov 3
Mais…

Meu Blog

ARAUTOS

Bem feita terra à espera da chuva
Apupos do arado depois da colheita
Como quem espelhando louva
De olhos cerrados a primavera
Ouvindo os ventos harmoniosos
Da era dos trópicos e…

Saiba mais…

MEU CORAÇÃO TE ESPERA

Na superfície virgo da terra
Submundo do universo
Meu coração te espera
Anverso e vagabundo
Desesperado de antevéspera
Em qualquer buraco que seja
De profundeza imensa ou…

Saiba mais…

ENTRE UM E OUTRO GRITO

Quem imagina um verso e não o anota

Perde a essência de seu momento

Acontece comigo às vezes o absurdo

Em passar a noite versejando solto

E após perder toda ideia remota

Ver-se por ordem todo…

Saiba mais…

INCIDENTE URBANO

uma incerta lua todo dia
atira-se do semáforo
entre avenida e rua
vestida de alizarina
travestida de heroína e anjo

surge dentre os prédios
e descalça perambula
onde nenhum olhar alcança
junto a poças…

Saiba mais…

INSENSATOS

Preciso alguns gomos para compor poncãs

Inserir sementes nos bagos

Envelopar delicadamente seus adocicados cristais

Costura-los então com cordões de cera e seda cítrica

Acoplar tudo no hermético veludo interior das…

Saiba mais…

ÓBVIO

Tem certas coisas no mundo que é bem melhor não saber
Fatos que o tempo diz explicar, mas que prefere esconder
Camufla no já moído peito da gente e se descobre faz doer
Dói tanto que às vezes mata segredos do bem…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Bem-vindo

  • Obrigado a todos pela acolhida!

  • Adm

    Boa noite. Seja bem vindo a Casa dos Poetas e da Poesia.

    Para postar basta clicar na palavra Publicações no menu acima. Do lado direito de sua tela aparecerá a frase, Adicionar um post ao blog, basta clicar e, apartir daí tudo é intuitivo.

    Desejamos que te sintas bem neste espaço de poetas.

  • Adm

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Abril 11


1) Qual o teu nome completo?

Paulo Sérgio Rosseto


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

11/04


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Porto Seguro / Bahia / Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Admin de Empresas - Poeta - último trabalho: O SOL DA DOR DA TERRA (1982) - MEMORINHA - Poemas Infantis (1984) - ATO DE POEMA E UMA CANÇÃO (1986) - CRÔNICAS ABERTAS - Poemas (2018) / DOCES DOSES DE POESIA - Aldrovias (2018)


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.escritas.org


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

RESILIENTE A menor partícula resistente Reside no momento Onde quanto maior for o desejo E mais ardente Efêmera será a hipótese E o receio Da palavra ser partida ao meio Ou prender-se no silêncio Do beijo velado E dado pelos lábios Num hiato entre os dentes!


Minhas fotos

Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 480

Minhas Discussões

Autor em tela

CPP