Inspirações

Trigonometrias no silêncio

Reergue-se a manhã perfumando
Intermináveis silêncios tão confidenciais
Súbita lágrima caindo incólume entre ledas
Sombras obturando a luz quase penitencial

À tangente a noite triangula a escuridão
Sempre astuta…em reclusão vestindo a nudez
Da solidão tão desemparada e resoluta
Desmaiando em cada hora,ferida,marginal,abrupta

Fiz a trigonometria dos silêncios mais absolutos
Obra prima para tão matemáticos beijos onde radiantes
Repousam os senos e co-senos de um cateto tão apaixonado

Em convergência o tempo deambula por todas as
Hipotenusas bem escalonadas qual agrimensura para tantos
Desejos topografados num viril abraço bem equacionado

Frederico de Castro

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Frederico de Castro

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Destaque merecido poeta excelente aplausos 

  • Eu também destaco, além de ler um lindo poema, aprende-se trigonometria, um dos estudos da matemática.

    • Grato pela visita e constante gentileza

      Abraço fraterno

      FC

  • Fabuloso amigo FC!! EFUSIVOS APLAUSOS, beijos.

    • Grato pela visita Cristina e gentil mensagem

      Bem hajas

      FC

  • Adm

    Tão lindo e tão lírico teu poema! Momento sublime de composição.

    Parabéns!

    Destacado!

    • Grato Edith pela carinhpsa e gentil mensagem

      Dia feliz

      FC

This reply was deleted.
CPP