Inspirações

LITÍGIO

Sei que existo,
Finitude infinita,
Solícito firmamento que me abriga,
Andejar revoltosa fuga,
Sombra de outras sombras,
Louco disfarce de humanidade.
Mira o poente minha ilusão cansada,
Beijo o pó meu manto,
Quando abro a janela,
E abro a porta,
Destino incógnito vício,
Caminhar entre as alcateias,
Sorrateiros amigos entre sorrisos.
Tantas mãos empunhando facas,
Entre perfume e morte,
Pés vacilantes tal vaidade,
Casamata de estranhos,
Irmãos sem rosto,
Ouro de tolo trazem,
Vil pecúlio da solidão.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Sirlanio Jorge Dias Gomes

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Infelizmente o homem cria o seu próprio abismo transformando em inferno o que deveria ser um paraíso... Meus aplausos!

  • Um poema que grita os momentos vividos de dor onde a tristeza  se traduz

  • Adm

    É nessa sociedade conflituosa, onde os valores andam bem esquecidos que habitamos e vivemos pedindo paz entre os homens, estes que são os mesmos que incitam a guerra.

    Maravilhoso poema.

    Parabéns!

    Destacado!

This reply was deleted.
CPP