Poesias

Vestal dos Mares

                         

                   Vestal dos Mares

          

          Naveguei infinitas ondas

          Por corais de lua

          Em  leito salgado

          Seminua

          Singrando espumas

          Sangrando o peito

          Onde guardo

           Infindos segredos

           Escondidos ou desaguados

           Como vestal dos mares

           Que numa noite  

           De danças serpentinas     

           Envolta em sedas e purpurinas

           Sonhei que era tua

           Abraçada por suaves brumas

           No ruflar de asas voláteis

           De azuis profundos

           E silêncios abissais

           Renascida das águas  

           Em cauda de sereia

           Aguda voz soprano

           Ares de bailarina

           A flutuar em direção  

           Dum vento contralto

           Na lua de opala

           Que reflete seu rosto

           Gelado – face que

           Não se mostra–

           De Narciso afogado.

 

           Elzana Mattos

          

 

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Inspiração divina Poetisa Elzana Mattos. Aplausos, aplausos. Um abraço.

  • Nossa! Que maravilha! Que sorte tem quem chega a esse poema: extasia-se!

    Ele vem se desenvolvendo com lindas imagens e termina de modo absolutamente apoteótico.

    A vestal fluida, a lua de opala, o rosto afogado... Que maravilha, Elzana!

  • destacexcelenciaaportealarte.jpg

  • Poema que nasce das flores dos teus olhos brandos. Um verdadiero encanto onde as palavras se enltecem

  • Gestores

    Relendo essa beleza de poema. Bjs

  • Maravilho poema. Aplausos de pé para

    esta obra primorosa

    FC

This reply was deleted.
CPP