OS NETINHOS DO CAPITÃO 

 

Eu sei que foram os dois engraçadinhos
Que jogaram meu radinho na panela de feijão
Isso foi obra dos meus dois netinhos
Deus do Céu! Ísis, BHenrico, o vovô não aguenta não

Um dia desses, até eu fiquei com dó
Amarraram a vovó e amordaçaram o Manchinha
Foi gritaria, um tremendo reboliço
Pois jogaram pó de mico enquanto a mamãe dormia

Fora de casa fica tudo mais tranqüilo
Ah! Se fossem os meus filhos não seria tão hilário
É diabrura em cima de diabrura
Guardem suas dentaduras, lacrem o vaso sanitário

Ah, esses dois têm criptônita no corpo
Eu fiquei foi um mês torto quando puxaram a cadeira
O meu vizinho quase teve um infarto
Amarraram o cão e o gato lá no pé de bananeira

Botaram açúcar no colírio da mamãe
Jogaram cinzas no xarope do papai
Confesso, haja tanta travessura
Esses dois ninguém segura e ninguém agüenta mais

Gente, ela tem três e ele seis anos
Chego às vezes a pensar que eles não têm coração
Quando calados é certo que estão tramando
Tanto que os pais só vivem com o chinelo na mão

E os dois me lembram um gibi que eu sempre lia
Hanz e Fritz , dois pestinhas: Sobrinhos do Capitão
Onde o final da historia eu já sabia
Que depois das diabruras sempre vinha o esfregão

E que esfregão...
E eu que odiava o Capitão!

 

(Petronio)

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores

    Meus aplausos para essa obra poética linda!

  • Gestores Adm

    Se o vovô não aguenta imagina os professores em sala de aula.

    Aplausos Petronio.

    É bom ver-te aqui.

  • Tanta coisa assim só vejo nas turmas de sexto ano. Parabéns pelo poema, uma epopeia de diabruras. Abraços.

  • Linda expressão poética, e haja coração para tanta diabrura rsrs. Bom descanso.

This reply was deleted.
CPP