Inspirações

Rosa fria- I

A boca que outrora o amor apregoava
passou de um aparente belo botão de rosa
a uma agressiva e malquista rosa brava
mostrando-se manipuladora e mentirosa.

Reencarnou a velha e desconfortante teimosia
possuída por um apetite voraz por discutir
maltratando com a boca, outrora doce, agora fria
o amor que ao mundo, apregoava sentir.

Mas e do outro lado, quem existia?
Silencioso, cabisbaixo o que sentia?
Quem se deixava atingir por tanto furor?

Alguém que pensou que amar
é deixar-se atingir, é deixar-se usar
por uma rosa brava que desconhece o amor!

Fernanda R-Mesquita

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Está maravilhoso seu trabalho, cheio de emoções.

  • Que beleza de soneto. Obra-prima. Um grande abraço fraternal Poetisa Fernanda.

  • linda poesia amiga parabéns 

  • Muito obrigado por todos os comentários e também pela ilustração Safira! Guardado, com carinho, no meu blog pessoal. Desejo a todos um bom ano!!!

  • cid_8042C0B10570415E85D3AA3E30B79BF2home.gif

  • Forte e tocante. Há rosas e rosas... Há até, em meu jardim, uma "ROSA PRETENCIOSA".

    Amar e desamar, amar e odiar, amar e tornar-se indiferente,... são facetas do tão antigo e perene amor, com seus paradoxos, suas antíteses que tão bem falou Camões...

    Gostei demais de seu trabalho poético.

    Beijos!

    Nina

  • rosafria1fernandamesquita5.gif

  • parabensbellaobradest.gif

  • Lindo poetar, gostei de ler..

    Bjos.........

    Luly

  • Às vezes, somos tão atraídos pela singela beleza que nãos nos precavemos de seus espinhos ferinos... Maravilhosos versos, Fernanda!

This reply was deleted.
CPP