Posts de Paulo Sérgio Rosseto (351)

MEUS ANTIGOS REIS

Meus antigos reis
Não traziam o sangue azul da realeza
Eram sábios como os meus pais
E inocentemente tolos como eu
Que em todos eles piamente acreditava

Os meus heróis de outrora
Traduziam suas mais incríveis ocultas forças
Em ternuras de brinquedo e armadilhas de enganos
Lutavam compulsivos não como imortais
Porem como decentes humanos

Aqueles ídolos da infância
Deram-me as chances de acreditar no próximo
E não única e propriamente neles
Não eram perversos e nem cultuavam
As desigualdades mundanas

Foram meus professores confessores
Flanavam pelo meu imaginário
E deixavam-me ciente de que nem tudo
É singular página ilusória
E nem a realidade eternamente sórdida

Ainda hoje continuo pela mesma estrada
Nessa íntima viagem que me atravessa a vida
E em cada estação ainda os identifico
Povoando meus anos por essa lida
Repleta de castelos escudos feitos e anjos

 

PSRosseto - psrosseto.com.br

Saiba mais…

ACOBERTO

Porque criastes nas artes a perfeição
E descansastes ao sétimo dia da criação
Achais que o mestre artista
Cujo acervo se ouse pleno e completo
Deve imprudentemente ceifado
E de uma plataforma outra acoberto
Contemplando a própria obra como fizestes
Dormir sob o sopro insigne da eternidade

Assim ainda na flor da idade
Levastes Vinicius, Cecília, Guimarães, Leminski
E tantos bons mestres
Que nos deixaram legados imprescindíveis
E importantes transcendentes a esta dimensão

Quanto a mim
Pseudo autor de torpes versos e pobre verve
Peço-vos perdão por ousada e displicentemente
Haver me propalado poeta
E que de mim vos esqueçais por esta vênia
Permitindo-me seguir adente nesta escola
Teimando de aprender por algum tempo mais
No precípuo ensaio de escrever poemas tão ruins
Que a minha morte por ora jamais vos valha a pena

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

A IRMÃ GÊMEA DA MINHA IMAGEM

A irmã gêmea da minha imagem
Caminha em forma de sombra em mim grudada
E a cada gesto meu transfigura-se tão rara
Que ninguém percebe de tão comum
E se apercebe nem repara

Por vezes retém dedos e traços
Esconde braços, confunde o dorso
Camufla o esqueleto
Deturpa os reféns detalhes da face
Em face ao que de mim se amolda e sobra

Mas ela, a minha sombra, não é meu lado ruim
E sim o retrato oposto à luz que me alumia
Que nem ofusca, enaltece ou contradiz

Por não ser translúcido o frasco
Não significa o desenho que o povoa
Esquivar-se sem forma e beleza
Deixar de ser intenso ou grato
Nem fantasma, opaco, nem ser nada

A minha sombra vai por mim
A cantos etéreos onde a alma iria sozinha
Mas não se assombra, apenas desalinha

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

MÁSCARAS

De repente privastes-me os lábios

Ainda que estejas à minha frente

 

É diferente ouvir tua voz

Sem vê-los pronunciar as palavras

Entender a gargalhada

Sem poder contempla-los sorrir

Sentir que me querem e beijam

E não olha-los franzir maliciosamente  

Quando a língua os umidifica

Sibilar por entre os dentes

 

Escondem-se do batom

Daquele tom que tão feliz te põe

Ficaram ocultas as maçãs da face

Que aspiravam meus olhos no relance

Pelo contorno da tua insinuante boca

Semicerrada quando me ouvias atenta

Balbuciante e de mim faminta

 

Perdestes o balanço da cara

Assoprando fios rebeldes do cabelo

Que compõe a tua morenice doce  

 

Que saudade de quando mentias

Insinuantes e disfarçados caprichos

Expressões e segredos sem máscaras

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

JAMAIS AS ILUSÕES

Se eu pudesse voltava ser explorador

Faria novamente as minhas próprias trilhas

Por entre matas fechadas

Nominando rios dimensionando lagos

Recalculando estradas medindo caminhos

Viajando em sua companhia

E se você não fosse seguiria teimoso sozinho

Por longas viagens invernadas de moço

Em terras distantes e estranhas massas

Como quem aventura e inicia um romance

 

Mas já não saio daqui da rua e calçadas

E a cada dia vou diminuindo ainda mais

Todos os meus mínimos mesmos espaços

Procuro nos meios-fios os fáceis acessos

Não pulo mais degraus nem saltito tanto

Diminuindo sempre o quanto posso

A distância do entremeio de cada passo

Nem lembro mais certos endereços

E apetece-me permanecer em casa

 

Não que esteja envelhecendo não é isso

Apenas preservando o coração acomodado

Das emoções de alguns impróprios percalços

Longe dos riscos incertos de efervescentes paixões

O tempo matura a idade e até nos faz perder as forças

Jamais as ilusões por isso nos põem mais sábios

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

LEITURA

Certa feita adentrei um olhar

E lá dentro daqueles olhos dos quais nem lembro a cor

Havia um mar intenso aclarado e profundo

Tão grave como fosse um grito inconformado de escritor

 

Caminhei devagar pelas bordas retinas

Até redescobrir sob as pálpebras

O relicário das imagens resguardadas

 

Então desabotoei as cortinas que ofuscavam a mente

E como se abrissem torneiras e portas e janelas

Surgiram impagáveis linhas

Em quintais sem reservas e muro

 

Retornei espalhando gotas enroladas em luzes

Que espanavam do lado escuro de incríveis paisagens

Douradas e raras coleções de palavras lidas

Escritas sobre as paginas de um livro a minha frente

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

NAS HORAS DA TARDE

Eu busco nas horas da tarde

Porque se finda tão rápido o dia

E deixa em mim tanta melancolia

Enquanto arde o olhar no lusco-fusco

 

Momentos quando a alma transcende

A linha já nem clara nem escura

Turva indecisa e atrevida mistura

De indecifráveis cores no horizonte

 

Seria esperança saudade ou ânsias

Ausências ou mera inconstância

Desse peito de amor ardente

 

Ou nada seria além do decadente

Estado do sol que esmorece cruel

Largando esse rasgo de lembranças?

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

PERDER-SE NO CEGO AMOR

O amor sempre acaba na hora incerta
Como botijão que seca no fazer do almoço
Como agua que falta em meio ao banho
Net que falha na transação do boleto
E Deus que ignora fazendo-se moco

Em resumo nada mais estranho eu
Nem acho ser desprezo a chama que apaga
Nem relaxo a omissão em lavar-se
Ou pretexto deixar de quitar a dívida
Ou Deus postar-se indiferente e tolo

Porem o amor esvair-se não perdoo
Quisera que voltasse acondicionado
Em capsulas compactas ou compressas
Ou que o usássemos como pomada
Para cicatrizar tantas fissuras abertas

Quisera que o amor fosse ainda pano
E suportasse os ventos nas velas
Sem importar-se com a textura do tecido
E as tatuagens riscadas nas rusgas
Da pele falseada pelos tantos tempos idos

E que não pudéssemos enganar-nos da perda
Dilaceradora da alma putrefata moída
Desenganar-se da própria dor sofrida
Ao sustentar que amar é o maior dom da vida
Porem perder-se no cego amor é uma merda

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

GENEROSIDADE

Se o cotidiano causa-te melancolia
Repense tua trajetória
O que fazes dia a dia
Depois reverte as máximas
Dos gestos que pedem sem que apregoe
Para tudo o que aprece e agracia

Estende as mãos à frente do teu corpo
No maior possível esticar dos braços
Para que nem saibas ou veja
Une os dedos nas palmas em conchas
E deixa que de bênçãos se encham
Depois emborque-as e abençoe
E com os olhos ternos agradece

Não guardes para ti
Nem desperdice
Apenas deixe que a chama inunde
E derrame por si

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

A CAUSA DA QUAL MORRI

Põe-me longe sepulto retirado dos amigos

Distante dos parentes

Em cova rasa de condomínio

Cercada de estranhos vizinhos

Onde se desconheça o bom-senso

E não reconheçam a causa da qual morri

 

Sempre vivi muito próximo ao apego

Religado à exacerbada bonança

Descomunal à pequenez do meu mundo

Não será justo que se perpetue

Quando o tempo e os dias

Não farão mais sentido

Atreva conviver a eternidade

A engana-los com a índole de boa gente

 

Pois se assim tivera sido os teria amado mais

A ponto de não ter partido sem tê-los deixado

Com as certezas de que não duvidaram jamais

 

Por isso que seja erma minha ultima morada

E nada e ninguém no extremo derredor

Conheça as insalubres trapalhadas de um ausente

Que nem mortos auferidos ou vivos mortais

A meu gosto e pedido nem se lembrem ou arrependam

Terem me posto ali sob a alcunha de indigente

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

CERTAS VONTADES

Tenho certas vontades

Que ninguém acreditaria se as contasse

Tão inimagináveis que certamente surpreenderia

 

Mas o que seriam os anseios

Senão se evidentes o viço para a imaginação fértil

O alimento essencial da curiosidade alheia

 

No entanto tudo deixa de ser desejo

Quando calo as suas possibilidades

Ao primeiro pasmo que sobeja

 

Fervilha em mim qualquer coisa razoável

Dessas que instigam e incendeiam

Pelo simples fato de tornar-se exposta

 

Ante ao que sonho e vivencio

Há um abismo de considerações falhas

E é por elas que vivo buscando respostas

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

DEPOIS DE EXTINTA A HUMANIDADE

Depois de extinta por completo a humanidade
A miséria e a riqueza reconheceram suas verdades
Que jamais houvera de ambas necessidade
Que a necessidade extirpara pobres e fartos

Agora que deixara de haver míseros e abastados
Feneceram por terem impróprios se tornados
O planeta retomara seus brios e do caos se livrara
Como se refaz reconstrói e se renova o inabitado

De todos os insetos fora ele o mais nocivo
De todos os animais fora ele o mais perverso
De todas as tormentas fora ele a mais devassa

O mundo sim voltara a ser o centro do universo
Não mais aquele protótipo de deus chamado homem
Que sequer soube de si nem a origem da própria raça

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

BEIJO

A face à espera do lábio
O lábio procurando a testa
Duas caras que se tocam
Repartem o ósculo
Encontram-se e oram
Rezam
Atestam selando cumplicidade
À estampa em forma de afago
Do fraterno apego que rasga
Escancara e desvenda o segredo
Da comunhão fraterna

Um beijo é um ato completo
Repleto de sentimento
Sem rusga
Conexo

Um beijo é um momento exato
De coragem
Entre o amor e o medo

 

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

UNIDADE

São únicas as nossas vontades apesar de diversas
Nós procuramos
A falta dela é como se queimássemos a língua
E perdêssemos o paladar
Ninguém usurpa da liberdade do existir

Pisamos todos sobre mosaicos de pedra
Uns acolchoados
Outros nos granitos em pelo
Tantos na batida terra e torrão
À baila do realejo que regula o pensar

Em algum canto mora o encanto da unidade
Mesmo que andemos em paralelo
Ainda que às cegas buscamos o porvir

 

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

ENTRE COLUNAS

Venerável tempo
Eis-me absorto por entre colunas
Descalço
Nem vestido nem nu
Revestido de contemplação
Com a chama da alma na palma da mão
Longe dos deuses e nobres
Junto aos justos imperfeitos
Puxando as balsas pelas roldanas
Nem ao norte nem ao sul
Exatamente onde os astros me põem
Distante do gradil onde dormem
Todas as situações das eras vincendas

Eu subo os vossos degraus
Desço ao subterrâneo da lógica e dos defeitos
Passeio no entremeio das consciências
Onde se misturam destino e sorte
Quando a fome manifesta
O calor e a luz das sarças
E a morte a vida apresta

Sob a abóboda que o aço arca
E a foice corta se a carne é fraca
Junto os meus pés no arquétipo esquadro
E voo até as vossas alças
Aprendendo a ser forte puro e bom
Como devem ser lapidados
Os passageiros desta barca
Esses homens meus irmãos

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

ESCRITAS

Todas as vozes que te falam de mim nada dizem

Se elogiam enganam-te

Mentem por enaltecer-me

Exageram quando aplaudem

Detratam ao enobrecer

Porque não sou nem resisto dentre padrões

Que costumas por normal ao ouvir conceber

 

Sou a madrasta consciência

Esta que te finge entender

Portanto não ouças de mim

Apenas leia-me o que puder

E terás a fiel noção de teu ser

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br -

Saiba mais…

VELHO TIMONEIRO

O mar a essa hora
Mais parece um lençol amarrotado
Estendido sobre imensa cama
Depois que a lua espelhada deitou-se nua
Brincando libidinosa entre as pernas de quem ama

Eu velho timoneiro de um navio calado
Que tantas vezes deu-se aos prazeres dela
Hoje assisto da areia os arrepios do lastro
Mas sem pretensão de segui-la a nado
Ao aguardar que me venha insólita a madrugada

Aprendi que nada há de mais insensato que a fartura
Há tanto peixe e não mais sei busca-los
Tantos rumos sem outra vez persegui-los
Tantos amores entre lua e aguas e não torná-los
Tantos dias colhidos sem retoma-los

Vejo o tempo tecer suas historias
No anseio da amante um marujo que volta
Nos braços do pescador um risco de navalha
O almejado descanso de quem navega
Sobre a tabua das marés os frutos da batalha

Permaneço assim em silêncio e sóbrio
Sensato entre o futuro e os dias pregressos
Observando o curso dos barcos sem lastimar meu norte
Ciente da certeza de que a lua me tomara ainda moço
Pois antes de me beijarem a boca eu já lhe fazia versos

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br -

Saiba mais…

REPENSAR VOCÊ

Eu desarrumei a casa por completo

Tornei moveis obsoletas estacas e arquétipos

Troquei tudo de lugar

Pulei todas as configurações do dia

Para chegar à hora necessária de mudar

Depois saí remontando os rastros

Caminhados entre cômodos e esqueletos

Reaprendendo reconhecer o que modifiquei

Para comigo se convier voltar a conviver

 

Apreendi pelos armários algumas dores

Predispus em gavetas alegrias e prazeres

E deixei sobre a mesa nostalgias passadas

Pois é sempre bom reler momentos idos

 

Falta-me agora destrancar portas e janelas

Reavivar os ares e repensar você

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br

Saiba mais…

NO LÁBIO DA BOCA QUE LHE BEIJA

Apesar de ter saboreado muita coisa elementar

Propalo unicamente o mínimo que me sustente

Por isso tão ínfima a descrição de mim

 

Sou aquela que nada apreende e pouco ensina

Que ensimesma banalidades e fúteis posições

Que torce e se prende por onde o vento determina

Que usa do pensamento a consorte mais leve

 

Sou a mesma medida que o tempo me deve

Porem muito aquém das boas chances que tive

Sou por fim essa complexa completa ociosidade

Ocupando os espaços que a vida me mede

 

Porquanto a aparência que você me inveja

Veja-me como infundada abrupta e banal

Sou a úmida língua no lábio da boca que lhe beija

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br -

Saiba mais…

O CIRCO

Eu me entristecia quando uns sentavam-se em tabuas

Outros em poltrona estofada

Se nas elucubrações do artista

A emoção do riso

A expectativa do risco

E admiração pelo ato

São únicas na comoção da plateia

 

A lona do grande circo

Foi aos poucos rasgando

Os panos erguidos

Deixaram evidente palco picadeiro

Camarim camarote e arquibancada

 

Então compreendi que viver é ser partícipe

Do mais lúgubre ou alegre espetáculo

Depois de ser todo pouco importa ser parte

Se não estiver nua e transparente e repleta

Nada será arte

 

PSRosseto - www.psrosseto.com.br -

Saiba mais…
CPP