“Canção de recordações”

 

A guisa de uma linda canção.

Dentro do meu terno coração.

Insistentemente está a soar.

Na Minh ‘alma sem cessar.

 

Belíssimos cânticos de amor.

Trazem-me à memória o que passou.

Alhures em outras ocasiões.

Momentos de muitas paixões.

 

Consternar-me-ia este sentimento.

Antes fora por um simples momento.

Ou até mesmo pura imaginação.

Afogueadas em meu coração.

 

Doravante o coração se agita.

Tenazmente implode de alegria.

Não consigo auto-controlar-me.

Por súbito ímpeto prefiro afastar-me.

 

Esquife fétido tem se tornado.

Este sentimento alojado.

Que inflama-me com ferrões.

Muito mais do que aguilhões.

Ferrenha investidura tEm se dado.

Enxertando-me um espinhoso cardo.

Culminando num terribilíssimo câncer.

Abatendo-me sem me dar chance.

 

Guloseimas irresistíveis aos ouvidos.

Essas iguarias sonoras e lindos sonidos.

Perfeita harmonia entre ambas combinações.

Fazendo-me redarguir com as minhas emoções.

 

Hesitei em parar para analisar.

Quantas vezes estive à chorar.

Profundamente à desfalecer.

Tortuosamente e Ardentemente ao perecer.

 

Iminente atitude contrai em mim.

Afim de permanecer assim.

Imperturbável e instável.

Nessa ataraxia incomensurável.

 

Jeiras de distância estou agora.

Desse campo minado lá fora.

Minado com muitas armadilhas.

Sombrias e escondidas entre famílias.

 

“Kyrios” morreu para nos salvar.

Como cordeiro mudo sem reclamar.

Por todas as famílias do planeta.

Que acreditam nessa proeza.

 

“Lo-debar” foi a terra do esquecido.

Lembrado por Davi, que recebeu-o como filho.

Lembranças fala de história.

Lentamente trazidas à nossa memória.

 

“Mizmor” para os meus ouvidos.

Essas canções e esses tinidos.

Abluem Minh ‘alma e meu coração.

Limpando-os de toda imprecação.

 

“Nothing” existe de mais belo.

Do que uma bela obra como O Otelo.

Shakespeare foi um escritor formidável.

Com um intrínseco gênero inigualável.

 

Obtemperado é melhor do que sarcástico.

Pois o sábio é modesto, humilde simpático

Compilando sempre uma boa argumentação.

Eloquente, insistente com boa moderação.

 

Pesares é o que têm me causado.

Cantigas oriundas do meu passado.

Caminhos sombrios por que trilei.

Estradas solitárias em que andei.

 

Quereria eu desviar minhas emoções.

Desse rumo que vai parar nos aguilhões.

Sobremaneira eu fico À meditar.

Incessantemente querendo me controlar.

 

Restolhos é tudo o que me sobrou.

Entremete as tristezas, alegrias faltou.

Além deste mau, ainda existe outro tanto.

Conquanto, o carrego sob muito pranto.

 

Ser-me seria melhor hoje, do que outrora.

Pois que! isso há de passar como A aurora.

Recalcitrar contra isso é algo inútil.

Haja vista ser apenas um sentimento fútil.

 

Tribulações cercam-me a vida.

Imprescindivelmente tornando-a vazia.

Torrentes tempestuosas debatem contra mim.

Desfalecendo-me em meio as águas naufrago assim.

 

Utopias em meio as imaginações é o que sobrevêm.

A guisa igualmente paradoxal é o que convêm.

Primordialmente antes da emoção vêm a razão.

Elucidando uma forma tangível de coesão.

 

Verossimilmente exprime minhas convicções.

Reconditamente dentro das minhas emoções.

Estupefato eu fico ao recordar

Tudo o que sobreveio-me a me abordar.

 

Wagnerismo tem sido aos meus ouvidos.

Esses retratos do meu passado coloridos.

Atordoantes! Constantes! e pungente!

Terrivelmente triste sem nada de enfeite.

 

Xales e ornamentos entremetem-se juntos.

Para configurar e caracterizar alguns assuntos.

Expressos de formas diversas em minha vida.

Incompreensivelmente àS vezes todavia.

 

Yang e Yin juntos combinam um lindo casal.

Alhures como eu e tu nos dias nupcial.

Assim como o primeiro casal Adão e Eva.

Juntos no Éden causando-nos a maior inveja.

 

Zarolho é o olhar de um indouto inconstante.

Em assunto recôndito, incógnito, importante.

Zanzando e parolando dilui totalmente o seu tempo.

Sem ao menos se quer estudar por um momento.

"O CAMINHAR SOLITÁRIO DO AMOR"

Quão bela és tu, minha formidável cara metade!
Uvas deliciosas aos meus lábios, das mais doces videiras da vida.
Enchestes de amor e paixão, minh'alma e coração
Rompendo um peito que arde em tamanhas intrepidez e emoção.
Onde jaz eterna solidão em fogo e tempestade [...].

Minha doce romã em dia de colheita,
Uma fruta proibida és tu, inda que eu não queira...
Isto que está atroando em meu interior,
Tentando-me a querer-te, sem poder defender-me.
Olvidar esses desejos, que gritam com grande clangor?

Vexo-me com tão grande e vexaminosa vexação!
Onde tentei não mais recordar-me, da doce ilusão
Caminhei solitário, a trilha perdida das almas abatidas,
Enlevado e apaixonado, inda continuo por tuas doces carícias.

Em ti quero me entregar aos eternos desejos do amor e da paixão...

Ai! Mi amore! como yo te quero siempre...
Once again, die in love with you...

Amiga minha... amada e favorita de minha casa
Mira luego en mi ojos...
Or don't you leave my heart nevermore...
Roubastes minha morada solitária com tua presença.

Encanto e formosura, é o que tens tu em teu terno rosto.
Nuvens feéricas e delicadas, são tuas belas pálpebras,
Timorato eu fico, ao pensar que nunca mais novamente ver-te-ei
(Re)penso em tudo que à memória me traz você,
Engano-me quando acho que de ti, não mais eu ei de recordar-me...
Gane dentro de mim a imgem vívida e memorável de tua pessoa.
Ai! Meu amor como morro de amores por tu...
Riachos e Cachoeiras tornar-se-iam meu chão de lágrimas.

Mesmo sabendo eu, que fostes tu embora para não muito distante de minha casa.
Em meio aos desacasos desencontrados e parodoxos momentos de reflexão da alma [...].

Caminho sempre na mesma direção...
Outra vez meu amor, busco por você seguindo o coração
Minha linda rosa plumeria, que adorna meu jardim...

Você traz mel e groselha em teu doce sorriso pra mim,
O sabor mais doce que minha boca, outrora houvera provado.
Como admiro seus lábios entrecruzando-se quando estais aflita...
Eis que além de toda tua impar beleza natural - és tu meiga, o que me conquista...

Minhas Atividade

Moisés Gomes da Silva commented on Moisés Gomes da Silva's blog post "Quão dolorosas são, as dores sofridas pela dor"
"Obrigado Angélica, por apreciar meus pequenos rabiscos;)"
Mar 5
Moisés Gomes da Silva posted a blog post
(...) A mim, custoso é acreditar em uma paixão, ao opróbrio completamente envilecida... Envilecida? Sim! Debilitada? Também! Debilitada pela certeza da insensatez... Debilitada pelo desgosto da impureza, causado pelo contato entre ignomínia de espí…
Mar 4
Moisés Gomes da Silva e NORMA SILVEIRA MORAES agora são amigos
Mar 4
Moisés Gomes da Silva commented on Moisés Gomes da Silva's blog post "UMA LEMBRANÇA PARA SE RECORDAR."
"Obrigado por curtir meu Poema"
Fev 17
Moisés Gomes da Silva e Nieves Merino Guerra agora são amigos
Fev 17
Moisés Gomes da Silva commented on Moisés Gomes da Silva's blog post "Dores No Tempo e No Espaço da Alma!"
"Obrigado por apreciar minha Poesia!"
Fev 17
Moisés Gomes da Silva commented on Moisés Gomes da Silva's blog post "UMA LEMBRANÇA PARA SE RECORDAR."
"Obrigado Antonio"
Fev 16
Moisés Gomes da Silva e Marcia A Mancebo agora são amigos
Fev 15
Moisés Gomes da Silva posted a blog post
A tua beleza me fascina Como o mar, a terra cobreAssim meu coração repleto de amorSaturado e desejoso por ti implode.As rosas exalam belas fragrâncias,Canta linda melodia o pássaro.Como as cores do amor é o arco-íris,Mas tua fragrância, de tudo, o m…
Fev 15
Moisés Gomes da Silva commented on Marcia A Mancebo's blog post Talismã
"Parabéns Márcia pelo teu belo poema! Bela composição de 3 Quadras e 1 Quintilha, mescladas com Alenxandrino, Brancos, Rimas... Maravilha de composição! Sem falar de seu belo tema: Amor e Religião - combinação perfeita -  que me remete à Paulo e suas…"
Fev 15
Moisés Gomes da Silva commented on Moisés Gomes da Silva's blog post "Quão Dolorosas são as Dores, Sofridas Pela Dor..."
"Obrigado Angélica por apreciar meus pequenos rabiscos poéticos!!!"
Fev 13
Moisés Gomes da Silva posted a blog post
[...] A mim, custoso é acreditar em uma paixão, ao opróbrio completamente envilecida...Evilecida? Sim! Debilitada? Também!Debilitada pela certeza da insensatez... Debilitada pelo desgosto da impureza, causado pelo contato entre ignomínia de espírito…
Fev 13
Moisés Gomes da Silva commented on Moisés Gomes da Silva's blog post "Dores No Tempo e No Espaço da Alma!"
"Muito obrigado pelas precisas observações sobre meus parcos esboços sobre a alma..."
Fev 13
Moisés Gomes da Silva commented on Moisés Gomes da Silva's blog post "Dores No Tempo e No Espaço da Alma!"
"Muito obrigado pelas belas palavras de gentileza sobre meus pequenos rabiscos sobre a alma..."
Fev 13
Moisés Gomes da Silva posted a blog post
Em algum dia...Minh'alma viva, vivia![sim]!Mas minh'alma vivaIntimamente em andanças vivia.Noutras vidas vivas.Homens, mulheres, crianças perdidas...Andanças, vagares, sem esperança e sem guarida...[sim]!Alma amiga minha na dança!Lua durante o dia à…
Fev 12
Moisés Gomes da Silva commented on Moisés Gomes da Silva's blog post "Canções Internas de Amor"
"Obrigado Angélica..."
Fev 8
Mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Junho 29


1) Qual o teu nome completo?

Moisés Gomes da Silva


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

29/06/1990


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Campo Grande - MS, Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Moisés Gomes da Silva, Acadêmico Correspondente da ALPAS 21 (cadeira 202), nasceu em 29 de junho de 1990 no município de Porto Velho, Estado de Rondônia no Norte do Brasil, é casado, tem uma filha e atualmente mora em Campo Grande. Tem formação em Teologia Livre pelo Seminário Nacional de Teologia de Minas Gerais, especialização em Teologia pelo Seminário Teológico da IPDA. Atualmente é bacharelando em Turismo pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS e escreve poesias há 4 anos. Em Teologia seu pensamento é fortemente influenciado por São Tomás de Aquino e Santo Agostinho; em Filosofia é fortemente influenciado por René Descartes, Platão, Aristóteles, Michel Foucault, Hegel, Rousseau, Leibniz, Pascal, Voltaire; na Poesia particularmente sua obra é muito influenciada pelas obras poéticas judaicas de Salomão filho do rei Davi e aprecia também a obra do português Fernando Pessoa e do americano Edgar Allan Poe. Moisés, têm livros publicados pela Amazon de Teologia, Romance, Auto ficção científica, Ontologia, Autobiografia e atualmente está escrevendo um tratado teológico sobre os Fundamentos da Adoração a Deus dentro da Igreja e um Romance em versos poéticos; sua frase principal e lema de vida intelectual é: “O mais belo do conhecimento é saber que você não conhece nada ainda” (Moisés Gomes da Silva).


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Pesquisa pela Internet


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

Sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

Sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

Sim


11) Caso possua, deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://https://moisesgomes.weebly.com/; https://moisesprobmx.wixsite.com/moises


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

“Palavras sem som” O sorriso desdenhoso de teu olhar. Atravessa-me a alma bramindo como leão! Que busca sua presa, como flecha numa só direção! Terrível sensação! Não posso controlar. Não posso suavizar, não suporto escutar. Todas às vezes que me atingem seus olhos. Sempre quando fitam-me, parecem sequiosos. Lindas pérolas tornar-se poderiam, igual as do mar. Uma coisa ainda escutei... parece que sim! Um pequeno feche de luz saindo à mim. Quantas são as palavras, de um belo par de jasmim. Jóias raras, estão inoculadas em seu semblante. Preciosidades aclaram teu olhar. Dando-lhe uma linda face brilhante.


CPP