Acalanto

 

Chamo - me:    Acalanto,

venho a este mundo ferrenho

a  exemplo  de tão falado  engenho,

maquinado sobre o lenho pelo qual foi  lanhado

O mais sagrado. Triturado pelos  dentes  do  maligno  

engenhado,  apesar  de seu desígnio ser de  suportar

o  sistema  de  outrora. Venho  agora enxugar  o seu

pranto.  Ao  prantear  ouça  a  voz do  meu  suave

canto,  porém, vou além, jamais o ouça  errado,

creia, estarei sempre ao seu lado, amém. Sou antigo,

sou  amado, eterno,  presente etéreo,  futuro  carregado

de  mistério  alado.     Ah…   Sei  que  o  seu  caso  é  sério.

Porém,  minha   veleidade  por  ser  eterna,  não  tem  idade.

Desculpe-me  ser  tão  sincero  com  redundante  arrazoado,

a mim não me falta  capacidade. Quem me enviou é o dono

da  verdade. Venho  a mando do Criador, sinônimo

de Amor. Entenda, modestamente

sou maior que a sua tenda, você,

sua  família,  seu  carro  raro, sua

fazenda, todo  o  seu imposto de

renda  seu  casebre,  sua  febre,

sua   desavença,  sua   doença,

seu mundo, seu vizinho, pois,

jamais   estarão  sozinhos.

O dono da criação me faz morar no profundo do

seu  coração.   Fui   o  primeiro  que  aprendeu

a  amá-lo  antes  do  que   eu.  Atendo  os  de

boa  vontade,  sou onipresente, e por você

ser devotado,  dou-lhe um grande  reca-

do:  Não   ande  com  qualquer com-

panheiro  a  peso de  dinheiro,  

não ande   com  derrotado, 

pois, será errante bastante o tempo inteiro.

Sou o velho verbo, poetando sua lida  em sua vida,

arribando  acima  de  toda  rima.  Alegrando no gerúndio

no  afiar da própria  língua.  Deixe a vingança,  peça  ajuda

à minha  amiga  Esperança, pois, ao  fazer  sincera  aliança

com  a  Fé,  começará  a  entender  quem  você   é;   linda 

flor  florescida  no  jardim do  amor,  e  eu, Acalanto,

o  destruidor   da   sua  dor.   Quando  veio  a

esta  vida   oriundo  de  outra vida, foi

grande   competidor,   quantos  

semelhantes   correndo  

a corrida da vida

venceu, já se

esqueceu?

Agora no corredor desta vida

é  sabedor  do   seu   forte  valor.

E agora José? Como diria Carlos,

já  é sabedor  de  quem  você  é?

 

O Teu Pranto

 

Ao chorares o teu pranto

Sintas o sol  da alegria

Velando  o  teu  dia.

Eis  o  Acalanto.

Cantes  alegre

O teu canto,

Pois,  vida

É encanto,

É   poesia.

 

 jbcampos

 

Minhas Atividade

João Batista De Campos posted a blog post
  androginagemecumênicano corpodeafroditeacredite. androginagem é a homenagem além da angelical,começo  por  uma bela flor chamada: margarida  qualdesvencilhada da vaidade ilumina minha escrita na vida.Edith  a qual me permite que edite à flor do lá…
ontem
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post miscelânia parnasiana
"Querido Alcebíades, fico atônito com sua generosidade, não mereço tanto.
Aquele abraço campônio."
Domingo
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post miscelânia parnasiana
"Grato, querida Norma pela sua generosidade, e concordo com o seu inteligente arrazoado.
Bjs."
Domingo
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post miscelânia parnasiana
"Grato, querida Lílian pelas suas generosas considerações.
Bjs."
Domingo
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post miscelânia parnasiana
"Querida Marcia, grato, pela sua memorável postagem.
Bjs,"
Domingo
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post miscelânia parnasiana
"Querida Marsoalex, fico simplesmente lisonjeado com a sua contemplação. Obrigado do fundo do meu encanecido coração.
Bjs."
Domingo
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post Empreendedor poeta
"Grato, querida Marsoalex pela consideração.
Bjs."
Sábado
João Batista De Campos posted a blog post
  miscelânia parnasiana miscelâniaa rodar orodopioda vidado amor tratais vinícius ao cuidar de velho fetiche,porém, demorais muito bilac ao escrever seu sanduícheao  desatar inspiração do  velho lacre, porém sem  ser acre,além de  parnasiano  durant…
Sábado
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post Mente subjetiva
"Grato sempre, querida Marsoalex, super genial é a sua generosidade.
Bjs."
Sexta-feira
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post Mente subjetiva
"Grato, querida Norma Aparecida pela honrosa interação.
Bjs."
Sexta-feira
João Batista De Campos replied to NORMA SILVEIRA MORAES's discussion NAS MINHAS VIAGENS ASTRAIS... in ImagPoesia
"Querida Norma Aparecida, parabéns pela sua conciex astral.
Bjs."
Sexta-feira
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post Empreendedor poeta
"Grato, querida Norma Aparecida pelas generosas observações.
Bjs."
Sexta-feira
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post Empreendedor poeta
"Grato, querida Marcia pela força.
Bjs."
Sexta-feira
João Batista De Campos posted a blog post
 Empreendedor poeta Empresamodernafaz uso daterceirização,desonerando-se dos encargos sociais e outrasincidências  sobre custos operacionais de seusprodutos normais. Ficamos  imaginando um futurode empresários formais, um contingente de empresasdomé…
Quinta-feira
João Batista De Campos posted a blog post
 Mente Subjetiva Nova era, novo entendimento, nova consciência.Fora o preconceito, já é hora da sabedoria advinda do substrato humano, e para isto há de existir uma preparação endógena, ou duma introspecção profunda, uma entrega confiante a Deus.A c…
Jan 16
João Batista De Campos commented on João Batista De Campos's blog post Coração de pedra
"Grato, querida Edith pela força.
Bjs."
Jan 6

Meu Blog

Coração de pedra

 

5 - Retrospectiva no paraíso verde 

Após alguns meses de convivência, Clodoaldo vai tirar férias e, acaba compadecendo-se de Carlos, convidando-o a uma pescaria…
Saiba mais…

Felizes Natais

Felizes Natais

Nasceu O cara que modificou todos os nascimentos na mortandade “heródica” daquele momento. Enquanto, nascia o rei da alegria, Herodes matava muitas crianças inocentes com…

Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Grato Edith

    Que lindo esse infantil olhar

    com beijos no hálito

    ao espiralar

    divino.

    bjs.

     

  • Adm

  • Marcia Aparecida Mancebo, grato pela calorosa acolhida. Abraços campônios.

    Marcia Aparecida Mancebo
    Onde o amor e a amizade se encontram em poesia
  • Bem vindo!

     

  • Como é bom encontrar inesperadamente com uma amiga, e creia: A alegria é toda minha, querida Margarida, com certeza vou continuar aprendendo muito nessa nova casa. Obrigado pela calorosa acolhida, acentuando que a recíproca é verdadeira.

    Abraços campônio.

     

  • Boa Noite Amigo JBCampos,

    Não sei dimensionar a alegria que terei em conviver com vossa companhia na CPP também.

    BEM VINDO e fique à vontade para que possamos nos divertir.

    Abraços

     

  • SEJA BEM VINDO POETA JOÃO BATISTA!

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Fevereiro 27


1) Qual o teu nome completo?

João Batista De Campos


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

21/06/1946


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

São Roque


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

escritor, psicanalista, teólogo, aposentado...


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Internet


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.amazon.com/j-b-jbcampos-campos/e/B00MCZ442Q


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

Conversando com estrelas No alpendre aqui de casa, onde o vergel arrasa, enredado em minha velha rede, numa tarde de fazer a sesta, lânguido, das entre pálpebras vislumbrei malemolente fresta. Ao levantar o meu olhar vi o amor pairar sob o ar do firma- mento. As brancas nuvens formavam as estrelas com as quais me atrevi a conversar. À pincenê, e à Mandraque eis que ressurge o velho craque. Era Olavo a dialogar com Assis, que assim lhe diz: Um afortunado compositor de melodias populares que deseja desesperadamente escrever música clássica. Ouve-se uma firme interrupção num Tom com uivos de Lobos: Brada Francis: Tudo por causa do amor. Regina quase se afoga com as Águas de Março à frente do Mercador latino-americano Como Nossos Pais. Grita Tonico de Campinas: Cadê Peri? Porém, em Guarani. Adentrei-me ao assunto feito bobo, en- quanto, Bachianas empurravam O Trenzinho Caipira. Es- se Trenzinho passa tão cheio de graça, agora Tom soltando o seu som. Logo chega uma Pessoa com chapéu preto na mão, olhando ao léu do azulado céu, afirmando ser Fernando, chamando por Vinícius. Que esse conclave seja bom, enquanto dure em nome de Tom, com calmante meiguice configura-se falsa crendice. Imortais naquela flutuante academia fulgurante a minha mente confundia, pela insensatez de atrevimento ao querer entender logo de vez, sem esperar a minha vez, com enorme pedra no meio do caminho, quando o poeta nobre, Carlos me chama de lado e se põe a falar com este pobre mortal. Educadamente:- Meu velho, não me leve a mal, pegue esse seu escaninho e se aninhe no seu ninho, pois, trata-se de conversa de gente grande que a nós se expande. - Seja claro poeta, que a mim não me afeta. - Então me entenda, fique na sua tenda e apenas aprenda, quiçá, será também um poeta do além. Eis que de repente, surge na frente da gente um arquiteto carioca de Brasília a querer construir um enorme teto ondulado para agasalhar os imortais da poesia. E por profilaxia surgem mais dois por ali com seus bisturis, eram anjos de branco: Zerbini e Pitanguy. Ah… Aparece também do mundo do além, mais um estrangeiro, capitão Nemo que de sua nave bisbilhota um Navio Negreiros, conquanto, um cabeludo de bigode, alinhado, com a mão a segurar o queixo, admirado, olhando de lado, sorri desvairado a recordar o presente passado. Ai pensei, vamos parar por aqui, porque, não vai caber mais ninguém, apesar do céu não ter fim, foi quando ouvi o despertar do conhecido Bem-te-vi. Estrela e mais estrelo a estrear o meu espaço, além do cantarolar de belo pássaro. Pode? O papo parou por ali, levantei-me pensativo, e fui procurar o que fazer. jbcampos 200 PÁGINAS DE PENSAMENTOS https://peapaz.ning.com/profiles/blog/list?user=31zwvc19k5hve


Profile Style - Long Answer - Codigos Ning - Não Responda esta Questão -

1005


Minhas fotos

Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 29130

Minhas Discussões

Autor em tela

CPP