Minhas Atividade

Alexandre Montalvan e João Carreira agora são amigos
Há 7 horas
Alexandre Montalvan posted a blog post
Sapo LadrãoUm ditado antigo e verdadeirocadeia é para preto, pobre e putano Brasil é um fértil canteiroe o STF favorece esta condutaAbriram as portas do infernoo STF soltou os colarinhos brancosladroes saem com seus caros ternosaplaudidos por otário…
Há 11 horas
Alexandre Montalvan posted a blog post
Terra Seca Havia tanta misériaque as pedras viravam comidao tempo lento doíae a vida secava na terraabrindo ferozes feridas Opacas as faces marcadascom cheiro de mal nascidasos lábios encorrugidose as almas desventuradasnesta vida, todas amortecidas…
Sexta-feira
Alexandre Montalvan posted a blog post
Deusa da LuxuriaOs teus seios pedem e consentembeijos na tua pele ardentesal a escorrer pela boca... incandescente.E a primavera que de repente,exala no mundo essência de floresE o sol que brilha no céucomo um halo na cor do mais puro cobre.E o rio,…
Nov 3
Alexandre Montalvan posted a blog post
Anjo e um SorrisoAnjo porque faz tantas promessasse tem pressa de conhecer todo meu servenhas mansa diluída e confessaque o amor é uma flor a se apreender Anjo as tuas mãos são como sedadeslizando pelas águas de um lagoés um fogo de poderosas labare…
Out 31
Alexandre Montalvan posted a blog post
Incontrolável AmorIrresponsável  é esta ternura cheia de um tesão crescente nestes beijos eloquentes de língua lábios e dentes amando tua figura. A paixão tencionada e cortante é pura sequela no desespero deste dia de fogo estou louco e mudo com lín…
Out 25
Alexandre Montalvan posted a blog post
Soneto do Bem e do Mal  No cerne da alma humana, o mal habita,nasce em mim esta imensa dor factuale a escuridão imposta é infinita,caso eu olhe nos olhos deste mal Porem  toda a minha alma explicitaque há amor e ele não é residuale toda esta força n…
Out 23
Alexandre Montalvan posted a blog post
Olhos do Ator O clarão azul do silencioturva era a sua retina mortasalta nuvens que dos céus despencamsobre este desperto coraçãocom sua artéria aorta. Indevassável os seus olhos escurose a sua córnea  fina esbranquiçada como vidroestilhaçada era ma…
Out 19
Alexandre Montalvan posted a blog post
Soneto das FasesNa noite um hálito quenteo coração em disparadaao vingar a madrugadaum leve toque de repenteDoce é o mel que com os dentesestremece a pele rasaquando o corpo geme urgentena luz da lua desmaidaSão pecados e o mal é doençaluzes, sons s…
Out 17
Alexandre Montalvan posted a blog post
           Flor Maravilhosa Quando ouvires a voz na noite, apurateus sentidos e não se esconda nas sombrasonde o luar termina e não se descortina. Permita-o que ilumine a tua figurae caso tenhas medo, flor maravilhosa,inspire teu aroma de rosa, pois…
Out 14
Alexandre Montalvan posted a blog post
Essência da Manhã Na essência primitivase espera que emane as ferasmas na posse contemplativaa aura branca cativase expande em sua esfera,é na mais pura correntezade falsas aguasmas de enovelada surpresaque da nome a incertezade intatiáveis aguas. M…
Out 7
Alexandre Montalvan posted a blog post
Por Entre Cacos O que há dentro deste ocotanto desespero incontido a fúria deste que vos lêsemente morta sem sentido O que tenho neste vaso fúnebree que me traz ambiguidadesolho e vejo tantos de mimespalhados...vermes decepados Emborquei todos meus…
Out 5
Alexandre Montalvan posted a blog post
         Alma de um poeta Tens a língua bifurcada das serpentesNas trevas que interiorizam o mundoAbaixo de tudo que é baixo e entresAlmas dissecadas e escuras do profundo Há tempos que se regozijas da maisSuja e descabida sede de ultrajesVolúpia en…
Out 1
Alexandre Montalvan posted a blog post
GandaiaEu quero respirar você...cada pedaço do teu lindo corpoengolir-te toda, inteirinhana luxuria certeira e em umindescritível conforto. Quero deixa-te nua na camatoda exposta e desarrumadatocar com os meus lábiosa mornitude dos teus seiosintrodu…
Set 27
Alexandre Montalvan posted a blog post
Uma Doença Chamada AmarComo eu posso amar um olharUma voz, um sorriso, uma palavraO que acontece em minha almaEsta carência profunda, maltrataFaz me ouvir teu cantoE como por encanto, amarE sentir cada tua palavraComo navalha afiadaCortando minha al…
Set 23
Alexandre Montalvan posted blog posts
Set 4
Mais…

Meu Blog

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Fevereiro 3


1) Qual o teu nome completo?

Alexandre Montalvan


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

03.02.1956


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

são paulo - sp


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Comecei a escrever a aproximadamente uns 5 anos, como uma forma de terapia e não consegui mais parar. Eu posto meus poemas no Peapaz, Recanto das Letras, Luso poemas, aprendi também a criar vídeos com meus poemas e tenho uma pagina com aproximadamente 90 vídeos no you tube.


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Ninguem me indicou


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

Com certeza


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

claro que sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://www.facebook.com/alexandre.montalvan2


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

Folhas Mortas Tudo o que existe no mundo tem o gosto da angústia do enorme vazio da solidão folha seca a boiar no mar em suaves vens e vão. Um disforme desespero sem sentido transparece em minhas tremulas mãos eu não sei onde foi que se perdeu o meu triste e corroído coração. Tantas são nuvens de rumo incerto que fazem o vento urrar como leão a alma secar no sol em um deserto e morrer de tristeza e desilusão Em tudo são apenas folhas mortas no vento em redemoinho de aflição e rodopiam silenciosas e não importa a dor que há em meu pobre coração. Alexandre Nas Sombras do Teu Olhar Escuros e profundos abismos eram os teus olhos, tão negros misteriosos na noite, anseios delicados sussurros roubados mas embriagantes e brilhantes preciosos perenes pecados. As cascatas de estrelas no céu eram cor de fogo em teus cabelos e esvoaçavam ao vento feito véu e flutuavam em meus pensamentos Em teu ar floresceram enigmas no teu céu pétalas de rosas em teus mares negros estigmas fruto de sonhos, dores pavorosas. Inatingível era o teu coração granito triste na terra suada alcova mágica sonhos e paixão e no olhar apenas uma sombra velada. Montalvan


Conquistas pela participação


Pontos ganhos: 3623

Grupos que participo

Minhas Discussões

Autor em tela

CPP