Quando apareces, assim, do nada,
Trazes contigo a beleza das nativas,
Levas os lumes líricos da madrugada
Diversificando nas cores vivas.

Quando nos meus sonhos e devaneios
Tu surges, de repente, feito fada,
Com olhos estrelados, fartos seios
Sinto meu coração em disparada.

Quando para tuas plagas tu partes
Deixas-me em constante melancolia
Rasgo bandeiras, queimo estandartes
Rabisco os alfarrábios de poesia.

Se tu vieres e comigo não mais ficares
Como ficavas comigo antigamente 
Que leias este poema e aceites estas dicas 
Se não quiseres ficar sem mim...eternamente



            PARTO
 
Sinto-me uma parte da laranja,
Um pedaço de astro destacado
De outros astros, quem se arranja
De forma estranha do outro lado.


Sinto um parto de planta
Ao parir uma semente
Que cai entre pedregulhos,
Entre escórias e entulhos.

É uma dor inconveniente,
Dor de rocha, dor de pano, 
De vento varrendo oceano.
Sinto uma dor cor-de-gente.

Por vezes eu sinto um dente
Do dia que amanhece sorriso
De pente que penteia cometas;
De peixes em lubricidades com rios.

Pinto o silêncio com tintas 
De vidros transparentes
Para que a aparência do som permaneça
E cresça na mina
Da minha cabeça,
Nas cercas brancas
E nas verdes paredes 
Da minha mente que mente
E te vende uma verdade
Que foi mentira sempre.

Ria. Mas creia
Que a centelha acesa
Não cresce na mata
Nem em campo de batata
De quem nada semeia
Ou de quem lavra
E rastela castelos na areia.

Assim o poema já nasce torto
Assim o sistema já nasce morto
Um touro mocho no cerrado
Nos topos dos serrados do M
Na semântica manca do verso.

Sinto uma dor de parto de pedra
Nascida na serra, na terra preta
Das alamedas de abetos
Cobertas de teias
Das aranhas caranguejeiras
Fúlgidos flagelos
Das letras negras
Do meu alfabeto,
Das janelas abertas na capoeira.

Meu ventre se parte após o parto,
Após o infarto
E o que tenho 
É lume do lenho
Engendrado que é tema 
E mistura de amônio e de estrela,
De anjo e demônio,
De estela e esterco
Na natureza besta deste poema.

 




Meu Blog

Marraquexe

Eu canto o instante já, aqui e agora.
Eu verso a vida, a morte, até cerveja.
Eu tenho boca boa que me beija,
Caneta, prato, garfo, chá, colher...

Em casa tenho gado e hortaliças;
Capado bom, capim- gordura,…

Saiba mais…

Canto I

A menina que eu namoro
E que tanto amo e quero
Mora longe donde eu moro
Mas somente ela venero

Se a percebo, logo coro
Bem maior ainda espero
Sendo assim, a Deus eu oro
Oração que pede esmero.

Se tivesse…

Saiba mais…

Canto II

Tens na boca mil doçuras
Tens no corpo mil pecados
És a mais bela figura
Que os deuses tem criado .

Tens dos anjos a candura
Tens nos olhos dois diabos
Todo mal em ti tem cura
Lábios doces bem…

Saiba mais…

Vida Poesia

Encontro em ti virtudes tais e límpidas
Assim da forma como água em terra
Isenta d'água boa, d'água insípida
Que corre rumo certo e em si se encerra

E acessa a água doce a doce água
Que brota em jarro doce em doce…

Saiba mais…

Néon

As boninas bonitas pela relva.
O arvoredo coando a luz solar.
De longe o bafo bom do mar
Adentrando a pelúcia da selva.

O murmúrio suave do regato
Que vai movendo as pedrinhas.
No céu um bando…
Saiba mais…

Vou Voando

Eu vou de parapente rente as nuvens.
Olhar distante fito o que é finito.
Me perco pelos tantos tons ferrugens
Abismo feito crio o próprio grito.

A brisa sopra em minha triste face
O vento bate sobre os meus…

Saiba mais…

Instintos

Vestida de lírios um dia vieste
Rescendendo aromas divinos
Das flores exóticas e agrestes
Argênteas lagoas de jacintos...

Vieste suave, trajada de santa
Vistosa em jardim de ornado…
Saiba mais…

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Setembro 29


1) Qual o teu nome completo?

Gilmar Ferreira


3) Data de nascimento (não é necessário o ano)

29/09


4) Local de residência (apenas Cidade, Estado e País)

Betim, Minas Gerais, Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Poesia


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Isterreza


8) Está ciente que as poesias eróticas (caso as tenha), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

Sim


9) Concorda em participar e interagir conforme possa, com os demais membros nas atividades da Casa?

Sim


10) Está ciente que NÃO DEVE POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

Sim


11) Deixe o Link do Facebook, Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://https://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=39545


12) Publique neste espaço, uma Poesia ou texto de tua autoria. (não precisa ser extensa/o)

Quando apareces, assim, do nada, Trazes contigo a beleza das nativas, Levas os lumes líricos da madrugada Diversificando nas cores vivas. Quando nos meus sonhos e devaneios Tu surges, de repente, feito fada, Com olhos estrelados, fartos seios Sinto meu coração em disparada. Quando para tuas plagas tu partes Deixas-me em constante melancolia Rasgo bandeiras, queimo estandartes Rabisco os alfarrábios de poesia. Se tu vieres e comigo não mais ficares Como ficavas comigo antigamente Que leias este poema e aceites estas dicas Se não quiseres ficar sem mim...eternamente


Minhas fotos

Autor em tela

CPP